A minha beleza

Quando eu vi os vídeo da campanha #CamoConfessions da DermablendPro eu automaticamente me lembrei de um post que eu fiz no ano passado sobre beleza, sobre se sentir bonita e sobre o papel que a maquiagem tem nas nossas vidas. Eu reli esse post para falar sobre ele aqui, eu não me lembrava o qual aberta e sincera eu havia sido nele, não é típico de mim falar tanto sobre como eu me eu me sinto ou sobre como as coisas fazem eu me sentir, mas naquele post eu falei. É um post bonito, vale a leitura: http://bit.ly/12fngIO

O lance é que lá eu vivia um dilema com a beleza e hoje vivo outro, no meio da perda de peso e tomando um remédio que deixou a minha pele ultra oleosa e com acne, minha rotina de beleza e minha relação com a vaidade mudaram muito, hoje sou um mulher diferente da que escreveu aquele post, mas é incrível como tudo aquilo ainda é tão absolutamente verdade em minha vida.

Para mim maquiagem é como um vestido novo, eu coloco e me sinto uma pessoa diferente, mais interessante, mais bonita, tem tudo a ver com esperança. Cada vez que eu experimento algo novo, cada vez que eu tento algo para me sentir melhor com o que vejo no espelho, essa ação tem a ver com a esperança em ser mais do que já sou. E isso é ótimo, que bom que temos essas ferramentas que nos ajudam a contornar dificuldades, inseguranças, manchas que nascem com a gente ou que nascem todos os dias. Eu disse naquele post e repito aqui, você não sabe do dia de amanhã, se você acha que essa relação com a maquiagem tem a ver com futilidade, calma, seu dia vai chegar, um dia você vai precisar muito do seu batom preferido para se sentir melhor com você mesmo.

Dito tudo isso, vamos ver os vídeos da DemablendPro?

O objetivo desses vídeos é mostrar pessoas que usaram a maquiagem para combater as dificuldades de suas vidas, nestes que postei aqui vemos as vlogueiras Cheri Lindsay (que tem vitiligo) e Cassandra Bankson (que luta desde a adolescência contra a acne). Lá no canal da DermablendPro você pode enviar a sua confissão, vídeo, foto ou mensagem, sobre o que você usa para se camuflar no dia a dia e superar a batalha que é a auto-confiança.

*imagem e vídeos: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

Em Cosmetics para o mundo

Eu sempre amei maquiagem, inclusive em certo ponto da minha vida trabalhei como maquiadora, o que fez com que a minha coleção de cosméticos crescesse exponencialmente.

Os anos passaram, eu me afastei da maquiagem para me dedicar a outras atividades, já que eu nunca tinha tido ambições maiores como maquiadora (meu planos eram outros). Continuei me maquiando e continuei amando comprar maquiagem, até que que o inevitável aconteceu, os óculos. Eu sempre fui míope, uso óculos desde os 5 anos de idade, mas consegui escapar do uso integral das lentes corretivas por alguns anos, usava só para dirigir, para estudar e trabalhar, o resto do tempo eu passava enxergando mal mesmo. O que é uma grande bobagem, eu sei!

Em Cosmetics

Eu até que assumi com facilidade os óculos, até porque nesse ponto eu enxergava bem menos do que quando era criança, e eu não podia usar lentes de contato, todas que tentei me causavam uma estranha reação alérgica. Escolhi um modelo simples de armação, depois evolui para algo mais moderno e hoje em dia não me vejo mais sem óculos, sinto que ele faz parte da minha personalidade também.

O que aconteceu foi que durante essa adaptação minha vontade em fazer makes mais elaborados para os olhos foi embora e a minha maquiagem foi ficando cada vez mais simples. Até agora.

Nesse ano, como vocês já sabem, eu quis cuidar mais de mim, de como eu via meu reflexo no espelho, quis me sentir mais bonita, sabem como é? Daí, é claro, a maquiagem entrou em ação!

Tirei o pó do nécessaire e voltei a me maquiar, muita coisa mudou de lá para cá, os blogs de make cresceram muito, quando eu maquiava não existiam tantos vlogs sobre o assunto. Eu mergulhei em todos eles, devorei resenhas e tutoriais e já estou assumindo alguns riscos com o visual.

Em Cosmetics

Foi assim que descobri a Michelle Phan (sim, eu não fazia a menor ideia de quem ela era!), e acho ela incrível, os vídeos são fofos e na medida. Seus tutoriais são realistas, nada daqueles makes ultra elaborados, com mil técnicas para aplicar sombras e sobrancelhas ultra marcadas, que a gente não usaria nem em red carpet, quem dirá no chá de bebê da prima!

Ela começou como toda blogueira/vlogueira começa, conquistou seus fãs com dedicação e agora, além de uma trajetória profissional maravilhosa e de um vlog incrível, ela tem sua própria linha de maquiagens, a Em Cosmetics. Os produtos são práticos e elaborados para quem usa maquiagem no dia a dia, são pequenas soluções para técnicas elaboradas que ninguém quer realmente aprender como fazer mas gostaria de usar. Como o bastão Chiaroscuro, criado para fazer contorno e iluminação do rosto, em cada ponta um tom de pele para criar o efeito necessário para afinar ou alongar nariz ou bochechas, por exemplo.

Em CosmeticsEla também criou a Life Palette, ou a Paleta da vida (em tradução literal), que existe em 6 variações, cada paleta tem quatro looks, com 36 cores (refil) de sombras, blush, batom e gloss, os temas são: Beach (praia), Career (carreira), Night (noite), Party (festa), Day (dia) e Love (amor) – e vem acompanhada de um pincel duplo, redondo e chanfrado. O mais bacana é que você pode tirar da sua paleta as cores e produtos que quiser, colocar em uma paleta menor e colocar na nécessaire para o dia a dia. A Sephora tem um produto semelhante, porém bem mais simples e com embalagem menos atraente.

Em Cosmetics

O processo de criação da linha de 250 produtos demorou 2 anos, e durante toda sua duração Michelle aceitou abertamente a sugestão de suas seguidoras. Foi assim que a Life Palette surgiu, da galera reclamando da bagunça nas maquiagens e pedindo dicas de como organizar os produtos. Ela decidiu criar algo que organizasse os produtos e os looks em um lugar só, e eu acho que foi uma ideia muito bem sucedida.

Eu sempre fui maluca pelos produtos da Em Cosmetics, já li várias resenhas e todas eram positivas, mas eles eram vendidos somente nos EUA, felizmente isso mudou! Hoje entrei no canal da Michelle para dar uma procrastinada básica e tinha um vídeo novo falando sobre a novidade, a Em agora vende internacionalmente e por conta da grande procura eles até baixaram um pouquinho os preços!

Ao longo dos anos Michelle criou muitos looks muito bacanas, super usáveis e bem fáceis de fazer e eu, como boa fã, separei alguns dos meus favoritos para vocês:

Autumn Ombré

Fresh Spring Look

K-Pop Star 

The Golden Hour

O primeiro item da minha lista vai ser o Chiaroscuro!

E vocês, já conheciam a Michelle Phan e sua fantástica linha de maquiagens?

*imagens: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

A esperança da beleza

Eu não tenho vivido meus melhores dias, minha vida anda bagunçada por muitos motivos, a gente segue como pode, se adaptando a qualquer dificuldade e esperando a poeira baixar. Acho que é assim que todo mundo enfrenta dificuldades, fazendo o melhor que pode, mesmo que isso signifique se perder. Não vou me prolongar no mi mi mi, acho que deu pra sacar que não tá fácil, e isso já é o suficiente. O motivo de eu escrever esse post é que eu percebi há alguns dias que eu não tenho me olhado no espelho, eu tenho me vestido com alguma preocupação em parecer no mínimo decente, mesmo que não seja nos meus antigos padrões de como eu deveria me vestir. O cabelo que eu deixei crescer por mais de um ano eu cortei quase todo, me sentia sufocada e engolida pelo cabelão. Ou seja, eu até tenho cuidado da minha aparência, eu só não sei qual é o resultado desse cuidado.

Outro dia fui com a minha mãe ao shopping e mostrei para ela a Quem disse, Berenice?. Minha mãe não é fã de maquiagem, raramente usa mais do que batom. Mas ela se sentiu à vontade lá, ou melhor, ela sentiu vontade lá. Comprou base, batom, cobiçou pincéis, pós e esmaltes, foi surpreendente. Saindo de lá ela me disse que não se reconhecia comprando esses produtos que nunca nem tinha se preocupado em saber para que servem.

Ela me disse que não sabia o que porquê dela ter comprado tudo aquilo, e eu respondi: “Você comprou por causa da esperança.”

Eu já me explico!

Antes eu gostaria de mostrar para vocês, se é que vocês não conhecem, a Cassandra Bankson. Ela é uma modelo que ganhou fama internacional com seus surpreendentes vídeos no YouTube, e esses vídeos são surpreendentes porquê em seu canal Cassandra revelou o que o havia escondido sob sua maquiagem.

Cassandra é linda, tem cabelos e olhos incríveis, um sorriso expressivo e muito convidativo, mas sem a maquiagem vimos que ela é vítima de um caso grave de acne. Nunca tinha visto nada igual, a pele dela é avermelhada e tomada por manchas e feridas da testa até o pescoço, além das costas e do peito.
Cassandra Bankson
A acne é uma coisa que pode deixar até a mais bem resolvida das mulheres insegura. E não tem nada a ver com ditadura da beleza, tem a ver com essa reação que até eu mesma tive quando a vi.

Mesmo que você não entenda inglês, vale a pena assistir o vídeo e ver a transformação que não requer conhecimentos profundos em maquiagem, nem produtos impossíveis de achar, até pra nós brasileiras.

E se vocês quiserem podemos falar mais sobre as técnicas dela em um outro post, já falei sobre bases e tipos de pele, mas esse seria um outro nível, né?

O motivo de eu mencionar os vídeos e a acne da Cassandra, é que nós temos muitas vlogueiras nacionais incríveis, que nos dão dicas muito boas, e isso é ótimo. Mas o que eu vejo nesses vídeos é estilo, é moda, diferente da Cassandra que mostra esperança.

Tá conseguindo acompanhar o raciocínio?

Quando eu falei para minha mãe que ela comprou aqueles produtos por causa da esperança, foi pensando nisso, em superar qualquer dilema que você tenha com a sua beleza e encontrar na maquiagem a esperança em ser alguém diferente, alguém melhor. É ter a esperança real de que você pode se sentir mais bonita.

Talvez seja porque a insegurança te cegou, ou por você nunca ter se importado, pode até ser porque sua vida foi ficando tão difícil que você deixou de se olhar no espelho, mas se por qualquer motivo você não conhecia a esperança, ela tá aí, nesse batom largado no seu nécessaire.

E se você acha que isso é futilidade, que ter algo que possa nos dar esperança em ser mais bonita é absurdo, calma, uma hora ou outra você vai saber como nos sentimos.

*imagens: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

Uma celebração ao plus size

Sábado eu tive o prazer de conhecer o Fashion Weekend Plus Size e fiquei muito feliz!

O evento é bem organizado, as marcas são empenhadas, e acima de tudo, esse evento é uma pequena janela para a relevância da moda plus size no mercado.

Eu digo pequena janela, pois acredito que as oportunidades para apresentar o segmento devem ser maiores, e que o evento merece mais prestígio.

Teve moda mais ligada nas tendências, teve beachwear, lingerie, vestidos longos para festas e looks mais casuais.

Nada conceitual, as coleções são todas comerciais, e assim como no Fashion Week, muitas das pessoas na plateia são compradores e jornalistas, além de convidados e visitantes.

Algumas peças se destacam pela ousadia, por apresentar-se de forma contrária ao que vemos insistentemente estampado nas revistas de moda. Lá não existe muito isso de isso pode ou aquilo não pode. No Fashion Weekend Plus Size tudo pode!

Uma outra coisa que ganhou meu coração foi o sorriso das modelos. Esse não é um evento para carões blasé, as modelos sorriem e fazem graça, nada é levado tão a sério. A moda realmente não deveria ser levada tão a sério o tempo todo, principalmente em suas celebrações.

Não vou entrar nos méritos de crítica de moda, e não vou me aprofundar nos detalhes de cada coleção, essa foi a minha primeira vez no evento, prefiro falar sobre a experiência como um todo.

Desabafo:

A oportunidade de ir ao Fashion Weekend Plus Size coincidiu com um momento de grande mudança na minha vida. Um dia antes do evento eu me pesei e vi, sob efeitos colaterais de um tratamento que faço, engordei 8 quilos em 3 semanas.

Estava decepcionada comigo mesma, me culpando como se tivesse feito algo errado. Como se engordar fosse algo totalmente controlável na vida de todas as pessoas, e eu me sentia fracassada.

Olha, que louca? Eu tava jurando que a culpa era única e exclusivamente minha por ter engordado, mas eu não tinha controle sobre isso. As vezes a gente não tem controle sobre o próprio corpo, e eu não estava levando isso em consideração.

Mas ali, vendo aquelas mulheres lindas, completamente a vontade com seus corpos, sorrindo e fazendo charme na passarela, justamente na passarela, o templo onde meu trabalho se baseia, eu tive que reavaliar minha postura.

Não era magrinha antes desses 8 quilos, sou curvelínea e gosto do meu corpo mais voluptuoso mesmo. Defendo as curvas, acredito de verdade que elas são mais bonitas e que a moda menospreza o tipo mais bonito de corpo.

O tratamento ainda não acabou, talvez eu engorde mais, não sei! Por isso, não posso deixar essa mudança me abater, não posso deixar de me achar bonita.

Minha saúde, física e mental, depende da minha capacidade de sorrir e fazer charme, com ou sem esses 8 quilos.

Assim como aquelas divas!

*imagens: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.