Vamos jogar um jogo?

Oláááá, pessoal!

Hoje vou falar de um dos meus filmes preferidos. Aliás, franquia preferida: Jogos Mortais!! Dirigido por James Wan e distribuído pela Paris Filmes.

Como é uma franquia com 8 filmes, fica difícil eu colocar uma sinopse, então vou explicar mais ou menos qual a “proposta” de Jigsaw  – o serial killer – em relação as mortes nos filmes:

Bom, apesar de tudo parecer apenas uma matança sem fim ou propósito, a história e a psicologia por trás desses 8 filmes são extremamente interessantes. Jigsaw (Tobin Bell), desde o primeiro filme, é diagnosticado com câncer em fase terminal logo após perder sua mulher (que estava grávida). Com seu tempo contado, começa a repensar seu modo de viver e em como muitas pessoas não dão o valor devido a própria vida, com base nisso e no curto período de tempo que ainda lhe resta, ele decide criar os jogos.

Jigsaw (Tobin Bell)

Todas as vítimas que ele escolhe estão de alguma forma interligadas e fizeram algo de errado – como por exemplo trair a esposa. Jigsaw as sequestra e faz com que lutem pela própria vida. Em seu jogo a pessoa sempre tem mais de uma opção do que pode ser feito, ela só precisa fazer a escolha certa, e por não as matar diretamente e dar essas escolhas, Jigsaw diz que não é um assassino. Com esses jogos, J. espera que os participantes passem a dar mais valor a vida que tem. E conforme os jogos acontecem, ele consegue alguns seguidores.

Shawnee Smith nos bastidores de Jogos Mortais II

Depois de algum tempo procurando, achei algo que pode expressar de forma melhor o que eu quero dizer:

“A grande sacada do filme é essa: ter um assassino serial que não mata suas vítimas, elas mesmos se matam nas armadilhas que estão presas. Todas as vítimas do assassino são pessoas que cometeram algum crime, ou que fazem, ou fizeram, alguma coisa de ruim à alguem; ou seja, nenhuma delas é uma pessoa boa. E essa é outra sacada de mestre, e que se assemelha com o filme Seven, porque nesse, as vítimas cometiam os tais “pecados capitais”, e o assassino matava elas de acordo com o pecado cometido. Mas tem uma diferença entre as tramas: as vítimas podem escolher se querem viver ou morrer, e se escolher viver, sofrerá muito por isso, e pagará seus pecados.” (O maravilhoso mundo da sétima arte)

Como eu sou simplesmente apaixonada por essa psicologia louca, eu amo esse filme! E o final do último filme é simplesmente irado!

Vão aqui algumas curiosidades: 

– O boneco utilizado por Jigsaw nos filmes foi uma criação original dos técnicos da equipe.

– A sequência Jogos Mortais II foi aprovada para produção após o primeiro final de semana de estreia do primeiro filme, que arrecadou 18 milhões de dólares.

– As cenas do banheiro foram gravadas em ordem cronológica para que os atores entendessem melhor a mente de seus personagens.

Download Saw 1 Dual Audio
O banheiro, cenário primeiro do filme

– O roteiro é escrito por Leigh Whannell com colaboração do diretor. Ambos são amigos e se inspiraram nos filmes “Seven” e “The Cube”.

– O filme de estreia  teve James Wan como diretor.

James Wan e Leigh Wannel nos bastidores de Jogos Mortais I

– Algumas refêrencias para cenas do filme vieram de pesadelos do diretor e do roteirista Leigh Wannel, que também interpreta o personagem Adam.

–  A famosa trilha sonora do filme foi composta em apenas três semanas. (composta por Charlie Clouser, que aliás, é maravilhosa!).

– Originalmente o primeiro filme se passaria em um elevador e não em um banheiro.

Esse filme é, então, uma das minhas grandes paixões! Acho extremamente inteligente e bem pensado!

Obrigada James Wan por essa criação maravilhosa!

Mais curiosidades aqui, aqui e aqui (:

GAME OVER! 

Um pouco da trilha sonora genial do filme:

 

Estudante de psicologia, fanática pelas mentes mais loucas imagináveis. Adoro um bom livro, um ótimo filme, fones de ouvido e uma música pra dançar.

Editorial sombrio

Fazia tempo que não postava algo aqui no Porta Retrato, e para tirar a poeira da sessão onde penduramos editoriais de moda do mundo todo, decidi postar algo que tivesse a cara da Halloween que se aproxima.

Essa série de fotos tem como estrela a obscura modelo Meluxine fotografada de forma assustadoramente linda por Peter Coulson.

As fotos são todas em preto e branco e um glamour sombrio foi dado à modelo.

Para os looks foram utilizados um vestido de noiva e véus da loja australiana Montage.  O vestido escolhido é um modelo de 150 anos de idade, que se soma a ilusão de que a modelo está morta há muitos anos.

Dá uma olhada:

Meluxine - Peter Coulson

Meluxine - Peter Coulson

Meluxine - Peter Coulson

Meluxine - Peter Coulson

Meluxine - Peter Coulson

*imagens: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.