BEDA | Windows 95 – Parabéns pelos seus 20 anos

No dia 24 de agosto, mais conhecido como a última segunda-feira, o Windows 95 completou 20 anos. E por que exatamente isso é importante? Simples. Sem ele, você não faria metade das coisas que faz hoje, você deve todo seu mundo digital à Microsoft (e à Apple também, e um pouquinho à IBM), quer você goste ou não. Em 24 de agosto de 1995 a Microsoft lançava o Windows 95 e iniciava uma nova era nos seus sistemas operacionais. Parece que foi ontem, mas não, o Windows 95 acaba de completar 20 anos de vida.

Windows-95-20-anos-ocabide-2

Primeiro: o Windows 95 foi revolucionário. Primeiro, ele carregava sozinho. Como assim? Pra quem não viveu esta época, quando você ligava seu super computador que tinha versões anteriores de Windows, ele carregava primeiro o DOS, e você tinha que lançar o comando win para ele carregar. Ele deu um grande salto de usabilidade no sistema operacional da Microsoft, principalmente pela inclusão do menu Iniciar, que facilitava o acesso a qualquer arquivo guardado naquele computador. O menu Iniciar se tornou tão importante que os usuários de Windows não aceitaram numa boa a sua retirada no Windows 8 e pressionaram até que a Microsoft decidiu reinventá-lo para o recém-lançado Windows 10. Não se lembra como era viver sem ele? Dê uma boa olhada na imagem abaixo do predecessor, o Windows 3.x (3.11, normalmente) e imagine-se procurando seus arquivos e apps.

É gente, talvez vocês não se lembrem, ou talvez até mesmo nunca chegaram a utilizar esses sistemas, mas o Windows 95 foi uma revolução. Foi tão bom que muita gente pulou as atualizações Windows 98 e Windows Millenium e só foram atualizar o sistema operacional depois da virada do milênio, com o Windows XP, nos já longínquos 2001. Deste com certeza você se lembra!

O “novo” Windows 95 foi lançado com uma campanha de marketing enorme, além de caríssima, e vendeu 7 milhões de cópias nas primeiras cinco semanas no mercado. Isso em 1995, quando poucas pessoas tinham computadores em casa e, mesmo em escritórios empresariais, os PCs não eram disponibilizados para todos os funcionários. É fácil entender o que fez ele ser tão popular: Bill Gates e cia. não economizaram nem um pouco para promover o sistema, usaram até mesmo a dupla Matthew Perry e Jennifer Aniston em um vídeo promocional – na época, a dupla interpretava Chandler e Rachel em Friends. Saca só:

Tem uma história bacaninha que o Daniel Junqueira do Gizmodo Brasil lembrou envolvendo o Windows 95. O lendário som de inicialização do sistema foi composto por Brian Eno, um grande músico e produtor musical, que trabalhou também com David Bowie, Talking Heads e U2. Ou seja, o cara era fraco (#sqn). Em 1996, ele explicou como criou esse som:

O pessoal da agência me pediu, “Queremos uma música que seja inspiradora, universal, blah-blah, da-da-da, futurista, sentimental, emocional,” essa lista todas de adjetivos”, e no final eles disseram, “e precisa ter 3.25 segundos de duração.”

Ele criou 84 sons até chegar ao resultado final. Se é realmente algo inspirador, universal, blah-blah, da-da-da, futurista, sentimental e emocional eu não sei, mas é algo que sempre me faz lembrar do Windows 95. Anos depois, Eno confidenciou que compôs a música em um Mac, da concorrente Apple, mas isso não importa mais.

Bacana pra caramba também é assistir a cobertura de lançamento do Windows 95 feita pelo Jornal Nacional. Narrado pelo Cid Moreira. Chega quase a ser épico.

 

*imagens e vídeos: reprodução

**Saiba mais sobre o BEDA

badge_post_01

É publicitário, gestor estratégico e ambiental, empresário, marido, dono de 3 gatos e editor do O Que Não Mata, Engorda. Apaixonado por música, cinema, literatura, automobilismo e ótimos papos com os amigos.

Que tal ouvir música de graça, ilimitada e offline no celular?

Olá pessoal, estou de volta. Depois do texto sobre Fear The Walking Dead, volto pra falar pra vocês sobre uma nerdice diferente, mas que provavelmente vai fazer a cabeça de muita gente.

Quem nunca sofreu com poucas músicas na sua lista de reprodução devido a pouca memória disponível no celular ou já enjoou da lista que tem e não está fácil substituir as músicas agora? Se você é como eu, que faz tudo no dia-a-dia ouvindo música, sabe do que estou falando.

Mas, pode começar a ficar de bom humor, há um aplicativo pra salvar a sua vida! Trata-se do Mix Radio, o app desenvolvido pela Nokia e lançado em 2014, que está disponível para Android, iOS e Windows Phone, e permite que você crie suas playlists, ou utilize diversas já pré-determinadas, e ouça-as offline, deixando a memória do seu celular livre pra qualquer outra coisa que você queira.

O Mix Radio é um serviço de streaming de músicas e é considerado o mais personalizável do mundo. Funciona como uma estação de rádio em que todas as músicas são escolhidas especialmente pra você, tanto as que você já gosta quanto as que quer conhecer.

Minha opinião: O aplicativo extremamente agradável de usar, tem muitas funções bem legais, é leve e não trava o sistema (testei em um iPhone 5C e em um Galaxy S3, e não notei diferença de performance entre eles). Além disso o visual é bastante agradável, o desempenho é ótimo é descomplicado e conta com uma interface bem intuitiva. No serviço de streaming é possível não só ouvir as músicas que você quer, como ouvir uma playlist elaborada pensando no próprio usuário, com base nos seus gostos. O aplicativo vai aprendendo o que você gosta e selecionando outros artistas que seguem a mesma linha das músicas que você ouviu e gostou.

Nos dois aparelhos o aplicativo funcionou muito bem, com ótima reprodução de faixas e além do visual bonito e usabilidade bem simples possui comandos em português e um tutorial de como usá-lo. Além do estilo de rádio via streaming ele conta ainda com reprodução de músicas offline (que é a grande sacada do app e o que me faz usá-lo todos os dias), além das letras para acompanhar as canções, e um acervo gigantesco de músicas.

O único porém é que, no modo offline, você não pode voltar a ouvir uma canção que acabou de tocar. Nessa função o Mix Radio só permite pular as faixas para as próximas, e ainda assim, um número limitado de vezes por hora. Mas nada que desabone o app. Afinal, sendo um app gratuíto, está mais do que justo.

Prós

  • Uso bem intuitivo
  • Multiplataforma
  • Músicas aleatórias
  • Visual limpo e bonito
  • Sem anúncios e propagandas entre as músicas
Contras
  • Skips limitados na função offline
  • Função offline limitada a 4 playlists diferentes

 

Baixe o aplicativo e nos conte o que achou!

 

*imagens: reprodução

É publicitário, gestor estratégico e ambiental, empresário, marido, dono de 3 gatos e editor do O Que Não Mata, Engorda. Apaixonado por música, cinema, literatura, automobilismo e ótimos papos com os amigos.

A moda evoluindo

Em 2007 o genial estilista Hussein Chalayan desfilou em Paris uma coleção primavera/verão que reconstruiria a história da moda mudando-a para sempre. No encerramento deste desfile, seis looks ultra modernos surgiram na passarela, os vestidos se movimentavam, transformando-se sozinhos, ato possível por conta do uso da tecnologia em seu desenvolvimento.
Hussein Chalayan

Hussein Chalayan

O primeiro vestido era uma indumentária de 1906, que se transformava em algo vindo de 1916 e depois em 1926. Assim ela acabou com um vestidinho flapper dos anos 1920.

O próximo vestido era de 1926 e evoluía para 1936 até 1946.

O último vestido passeava entre 1986, 1996 até 2007.
Hussein Chalayan
Por baixo de cada saia um sistema desenhado pela empresa 2D3D faziam com que as roupas se movimentassem, subindo as barras ou prendendo a linha do busto nas costas das modelos, fechando ou abrindo zíperes.

Você pode ter uma idéia de como funcionava esses mecanismos assistindo ao vídeo de seu desenvolvimento. (clique aqui)

E eu altamente recomendo que vocês vejam o desfile completo! É simplesmente mágico!

Vale lembrar que em meados de 2009 quando Lady Gaga se tornava um ícone pop, famosa pelo estilo criado por seu stylist Nicholas Formichetti, apareceu usando um “Vestido Bolha” idêntico ao que foi exibido nesta coleção de Chalayan, e que fazia parte do figurino permanente da sua Fame Ball Tour. O plágio foi descarado e causou polêmica, era o momento em que Gaga dizia incansavelmente em entrevistas e durante os shows o quanto ela era “única” e “original”.

Hussein Chalayan

*imagens: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

GEM

Impossível resistir a novidade que a Nokia Research criou junto com a Nokia Design.

Eu sou maníaca por gadgets (hoje em dia quem não é?), e quando vejo a criação de conceitos como o GEM sempre acho que essas ideias não estão tão longe dá realidade.

GEM

GEM é um telefone conceito onde todo o dispositivo é um visor transparente ativo.

Visto por seus criadores como um passo natural na evolução dos telefones celulares o aparelho usa uma superfície plana levando o aparelho móvel para a terceira dimensão, permitindo gerenciar e armazenar o conteúdo de todos os lados do dispositivo.

O GEM é todo touchscreen e mesmo parecendo um conceito futurista, é baseado em tecnologias já existentes.

Dá uma olhadinha no vídeo feito para apresentar o modelo:

E você aí achando que seu telefone faz tudo né?

*imagem e vídeo: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.