Playlist da autoestima

Dia desses estava ouvindo uma playlist de mulheres negras do começo dos anos 2000, quando começou a tocar Unpretty do grupo TLC (se você não conhece, vale a pena pesquisar!). Esse hino, lançado em 1999, fala sobre amor próprio e auto-valorização, fazendo uma reflexão sobre como as mulheres se sujeitam a transformações para atender padrões irrealistas de beleza.

Fiquei me perguntando quais outras músicas, tão maravilhosas e importantes como essa, existem atualmente e decidi colocá-las em uma playlist (que é algo que eu adoro fazer!).

São 7 músicas para ouvir e compartilhar com as amigas em dias difíceis, quando estamos cansadas de tanta pressão e tudo o que precisamos é força e compreensão para resistir.

1 – A música que deu origem para essa lista:

Ao ouvir a letra dessa música pela primeira vez você pode ter a impressão de que ela está falando com alguém, talvez um parceiro abusivo. Mas eu acredito que a verdadeira antagonista dessa música seja a própria narradora. E eu acho isso muito real, nós nos cobramos tanto, exigimos tanto de nós mesmas, sempre com a premissa de que é assim que atingiremos o sucesso com nossos corpos e almas.

“I’ve tried different ways but it’s all the same
At the end of the day I have myself to blame”

 

2 – Mary Lambert – Body Love (Part 1 & 2)

Essa música se divide em duas partes e eu entendo perfeitamente o porquê. São tantas coisas para tirar do peito, para desabafar sobre como é sobreviver sendo mulher em um mundo que é tão inóspito para nós.

Depressão, rejeição, transtornos alimentares, álcool e drogas são só alguns dos efeitos que a pressão dos padrões estéticos trouxe para nossas vidas.

Essa música foi feita para revidarmos e resistirmos!

“But the time has come for us to reclaim our bodies
Our bodies deserve more than to be war-torn and collateral”

3 – Beyoncé – Pretty Hurts

Tem como fazer uma playlist com esse tema e não mencionar Beyoncé?

Pois bem, a música Pretty Hurts fala sobre almejar a perfeição e o impacto que isso tem sobre nossas vidas. Passamos tanto tempo focadas em nossas aparências que o custo disso para nossas mentes é altíssimo.

“We shine the light on whatever’s worse
Tryna fix something
But you can’t fix what you can’t see
It’s the soul that needs the surgery”

4 – Banda Calypso – Autoestima

É isso mesmo! Tem Banda Calypso nessa playlist. Pode me julgar, eu não ligo.

Quando estava pesquisando músicas para essa lista caí num link com a letra dessa música e acabei gostando da sensibilidade com a qual o tema é abordado, dá uma olhada:

” Tem dias que a gente se sente
Como se nada mais valesse a pena
Tudo se torna insignificante
A vida fica tão pequena

Andei por tanto tempo assim
Tão deprimida, destruida por dentro
Quase que eu pego um caminho sem volta
Graças a Deus eu acordei em tempo”

5 – Mc Carol e Karol Conká – 100% feminista

Para jamais abaixarmos a cabeça.

J-A-M-A-I-S

“Mais respeito
Sou mulher destemida, minha marra vem do gueto
Se tavam querendo peso, então toma esse dueto
Desde pequenas aprendemos que silêncio não soluciona
Que a revolta vem à tona, pois a justiça não funciona
Me ensinaram que éramos insuficientes
Discordei, pra ser ouvida, o grito tem que ser potente”

 

6- India Arie – I’m not my hair

Essa música fala sobre a relação de uma mulher negra com seus cabelos. Toda a fase de negação, até a libertação.

A letra é linda e TÃO importante!

“Good hair means curls and waves
Bad hair means you look like a slave
At the turn of the century
Its time for us to redefine who we be
You can shave it off
Like a South African beauty
Or get in on lock
Like Bob Marley
You can rock it straight
Like Oprah Winfrey
If its not what’s on your head
Its what’s underneath and say HEY…”

7 – Bate a Poeira – Karol Conka

Nessa música Carol Konka (rainha!) fala sobre o peso dos rótulos, o impacto do preconceito e a importância de sermos nós mesmos.

“Há tanta gente infeliz com vergonha da beleza natural
É só mais um aprendiz que se esconde atrás de uma vida virtual
Gorda, preta, loira o que tiver que ser
Magra,santa, doida, somos a força e o poder
Basta chegar bora levanta a cabeça e vê
Vem cá, viva, sinta o que quiser você pode ser”

E aí?

Qual música você acha que faltou nessa playlist?

 

*imagem e vídeos: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.