As 10 maquiagens que marcaram época   

Você já precisou de dicas de maquiagem? De buscar inspiração para se destacar naquela super festa? Então, este post é para você. Não diremos como fazer a maquiagem, mas mostraremos as maquiagens que marcaram época, assim, quando precisar, é só voltar aqui e encontrar o que precisa.

 

Anos 20 – A mágica do batom!

Na década de 20, as mulheres começaram a participar economicamente da sociedade, em maior escala. Dessa forma, a maquiagem foi um artifício para marcarem presença nessa reformulação social, representando sua liberdade. Surge, então, a maquiagem mais utilizada até hoje: o batom bastão.

Maquigem 01

Atriz Gloria Swanson, década de 20

 A maquiagem era focada nos lábios e nos olhos, desenhando um coração na boca e uma sombra esfumaçada acima dos olhos, dando um ar atraente, misterioso e provocativo. Uma das grandes representantes dessa época foi a atriz Gloria Swanson.

Anos 30 – Cinema e glamour

Período entre guerras e de crise econômica nos Estados Unidos, a vida real estava abalada e desacreditada. Começaram a surgir efervescer ainda mais grupos cinematográficos, trazendo looks deslumbrantes e dando mais atitude para a mulher.

O visual era de sobrancelhas finas e arqueadas. O batom já não era tão forte como nos anos 20, pois o consideravam “vulgar”. A ideia era ter elegância. Os cílios eram curvados e com várias camadas de máscaras. A artista Greta Garbo foi uma das mulheres mais inspiradoras da década.

Maquigem 02

Greta Garbo, anos 30

Anos 40 – Femme Fatale

As características de beleza mais valorizadas nos anos 40 eram a feminilidade e as curvas. Roupas com cores pastéis, cintura marcada, decotes e maquiagem carregada foram o visual da época. Hoje, esse look é conhecido como “lady like”, que se refere àquele ar vintage feminino.

O batom usado era, geralmente, bem vermelho, os olhos bem destacados, e as sobrancelhas fortes.

Maquigem 03

Rita Hayworth, anos 40

Anos 50 – Viva a naturalidade!

Os anos 50 foram marcados pelo rock de Elvis Presley, revoluções tecnológicas, como as transmissões de televisão, e a Guerra Fria. Esses e outros acontecimentos causaram uma transformação comportamental.

As mulheres estavam adquirindo mais segurança e naturalidade, começando a se expor mais. O batom vermelho continua sendo importante no look, onde o delineador e o rímel ganham lugar fixo. Surge então o estilo pin-up, que até hoje muito utilizado. Quem fez muito sucesso e ganhou espaço na história, foi a atriz Marilyn Monroe.

Maquigem 04

Marilyn Monroe, anos 40

Anos 60 – Olhos e olhares!

A maquiagem dos anos 60 focava nos olhos. Os estilos e produções nessa época eram diversos, mas o traçado no estilo “gatinho” era um dos mais utilizados. As sobrancelhas já podiam ser mais grossas, e de desenhos diferentes, não só finas e arqueadas. Os cílios postiços também ganham espaço. O batom já não é mais aquele vermelho carregado, mas uma cor mais clara, para não tirar a atenção dos olhos. Uma das grandes expressões da época foi a modelo e atriz belga Audrey Hepburn, considerada uma das artistas mais bonitas da história do cinema hollywoodiano.

Maquigem 05

Audrey Hepburn, anos 60

 Anos 70 – Cores e mais cores

Na década de 70, surge o movimento hippie, contrariando a ideia do que era convencional. Na hora de se arrumar, valia de tudo que lembrasse conforto, liberdade e natureza na hora de se arrumar. As cores ganham força, e o delineador e o rímel já não eram mais tão usados. Sombras no verde, azul e rosa passaram a ser muito frequentes nas ruas e nas telas de cinema. Sem contar com o brilho, muito brilho.

Maquigem 06

Maquiagem anos 70

Anos 80 – Hora de usar tudo!

Se nos anos 70 as cores tomaram conta, deixando de lado a maquiagem pesada, nos anos 80 foram valorizadas as cores, batons em tons fortes e uma grande tendência: sombras em degradê. A mulherada abusava das cores, inclusive, do cinza e do marrom, que eram pouco utilizados na década anterior. Outra coisa que surgiu foram os cílios alongados e coloridos.

Essa tendência surgiu depois que as mulheres começaram a conquistar sua autonomia, pois elas começaram a entrar maciçamente no mercado de trabalho. O jeans adquiriu seu lugar no vestuário feminino, dando um ar básico e mais sério para o trabalho, e deixando então, a versatilidade de cores para os cabelos e rosto. Assim, pegue todas as maquiagens e estilos já ditos aqui, e misture. O resultado é uma mulher dos anos 80.

Maquigem 07

Anos 80

Anos 90 – Básico e rebelde!

Os anos 90 quebraram todo aquele exagero da década de 80, fazendo com que o público feminino percebesse que não era preciso “tudo aquilo”. A beleza natural começou a ser mais valorizada. As cores utilizadas na maquiagem passaram a ser mais neutras e sem tanto brilho.

Maquigem 08

Julia Roberts nos anos 90

 Anos 2000 – Depende do dia!

A virada do século trouxe mais autonomia ainda para “o que eu quero vestir e como eu quero me maquiar”. Produtos novos não faltaram, e todos sempre buscavam referência nas décadas anteriores. Era uma mistura de tudo o que passou, mas com a autonomia de “hoje quero isso, amanhã quero aquilo”.

Maquigem 09

De 2010 para cá: tecnologia!

Atualmente, as referências continuam sendo todas as que passaram, mas cada vez mais a tecnologia está presente. Inventando um batom mais resistente, uma cor mais intensa, um rímel mais incrível que o anterior, e assim vai. A qualidade é o fator mais levado em consideração, pois a liberdade é toda da mulher. Todos os tipos de beleza têm espaço. Claro que sempre tem uma tendência surgindo no mercado e, para quem ama maquiagem, isso é um prato cheio para ficar sempre atualizada e por dentro do que está na moda.

Maquigem 10

Espero que tenham gostado! Mas lembrem-se, o mais importante mesmo é se maquiar de uma forma que faz com que você se sinta bem, independente se está na moda ou não.

 

 

Este post é uma contribuição da Época Cosméticos para o Blog O Cabide.

*imagens: reprodução

História do perfume

Tão comum em nosso cotidiano, o perfume hoje está presente em todos os momentos de nossa vida, marcando todas as nossas memórias. Seja aquela fragrância que usamos todos os dias que já fazem parte da nossa personalidade ou aquela reservada para datas especiais, o perfume nos acompanha em todos os momentos.

Egito Antigo

Porém, essa deliciosa companhia nem sempre existiu como a conhecemos hoje. Hoje vou contar um pouco da história de como o perfume chegou até aqui!

Os egípcios foram os primeiros a utilizar os perfumes. Nesta época os perfumes eram encontrados como bálsamos, ungüentos ou fumaça pela queima de matérias perfumadas. Na idade média, eram utilizados também para rituais religiosos ou para fins medicinais.

Roma Antiga

China Antiga

O poder de sedução dos perfumes, que hoje conhecemos muito bem, foi valorizado desde o início, por isso, em muitos festivais as mulheres utilizavam cremes ou óleos perfumados como afrodisíacos.

No século XVII, os perfumes começaram a se tornar populares na Europa. Na França, em 1650, ficaram famosas as luvas perfumadas. Aplicados também nas roupas e nas mobílias, o uso do perfume na França não parou de crescer. No século seguinte foi inventado a Água de Colônia (Eau de Cologne), uma mistura de alecrim, bergamota, limão e néroli que fez com que o perfume entrasse de vez na vida europeia. A Água de Colonia era usada no banho, nas roupas, como limpeza bocal, e até mesmo diluída no vinho!

Pot Pourri by Herbert James Draper, 1897.

Pot Pourri, por Herbert James Draper, 1897

No século XIX, quando todo mundo já tinha um vidrinho de perfume na penteadeira, a indústria do perfume sofreu profundas mudanças. A alquimia saiu de cena e deu lugar à química moderna, possibilitando a criação de um número de fragrâncias que hoje é comum, mas na época era inimaginável. Paris se tornou o centro mundial dos perfumes, e as mais famosas casas de perfumes, como Lubin, Roger & Gallet, Houbigant (que produz o Quelques Fleurs, muito popular até hoje) e Guerlain, estavam todas ali.

Primeira campanha publicitária para Chanel for No.5 publicada na Harper’s Bazaar em 1937

Em 1921, Coco Gabrielle Chanel lança seu próprio perfume, criação de Enerst Beaux, batizado como Chanel N°5. Sim, o icônico Chanel N°5! Ele ficou eternizado após a declaração da diva Marilyn Monroe, que disse dormir vestida apenas com duas gotas do perfume.

No mesmo século outros grandes designers também passaram a criar suas próprias fragrâncias, como Nina Ricci, Pierre Balmain e o incrível Christian Dior.

Valentino Valentina Acqua Floreale, considerado pela Vogue como um dos melhores perfumes femininos para a primavera-verão 2013

Assim chegamos ao século XXI, com um número ilimitado de perfumes de todos os países,  com fragrâncias e tipos diferentes (Eau de Cologne, Eau de Parfum, Eau de Toilette e o Extrato, Perfume ou Parfum). Hoje o perfume é indispensável em qualquer ocasião, e podemos ainda esperar muitas inovações para nos encantar e perfumar nossos dias!

*imagens: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

Cinquenta vestidos

Dando a sequência aos posts da Coleção 50, dessa vez vou falar do livro que apresenta os elementos que tornaram icônicos vários vestidos de diversas épocas.

Cinquenta vestidos que mudaram o mundo é um prato cheio para os fascinados por vestidos, nós sabemos que dificilmente as pessoas vão levar a moda a sério quando se trata da história, mesmo quando é evidente que sem ela, seria praticamente impossível contar a história de todo tipo de sociedade.

Muitos jamais admitiriam que certos vestidos foram essenciais no registro dos eventos mais marcantes, o livro fala justamente sobre isso, cinquenta livros que tiveram impacto considerável na história da moda.

Confiram alguns modelos:

Cinquenta vestidos

Vestido branco plissado de Marilyn Monroe em “O pecado mora ao lado”, William Travilla, 1955

Cinquenta vestidos

New Look, Christian Dior, 1947

Cinquenta vestidos

Delphos Plissado, Mariano Fortuny, 1915

Cinquenta vestidos

Pretinho básico usado por Audrey Hepburn no filme “Bonequinha da Luxo”, Givenchy, 1961

Cinquenta vestidos

Vestido feito com 15 mil luzes de LED, Hussein Chalayan, 2007

E aí, vocês acham que um vestido pode mudar o mundo? Tenho certeza que podem fazer refletir e influenciar uma mudança cultural e social, principalmente porque será o responsável por comunicar essas mudanças ao longo do tempo.

Cinquenta vestidos que mudaram o mundo
Design Museum
Tradução: Cristina Bazan
Editora Autêntica

*imagens: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

Marilyn

O Livro Marilyn

Em homenagem aos 50 anos do falecimento da musa do cinema Marilyn Monroe, o Museu Salvatore Ferragamo (Florença, Itália) apresenta uma exposição com 50 trajes, incluindo seu sapato favorito da marca Salvatore Ferragamo, nada mais justo, pois atriz foi uma das principais responsáveis pela divulgação e sucesso da marca.

Além da mostra, será lançado um livro de fotos com imagens icônicas e raridades – algumas nunca antes divulgadas – da vida pessoal e profissional da atriz.

Tanto o livro quanto a exposição foram batizados simplesmente de “Marilyn” e têm curadoria de Stefania Ricci e Sergio Risaliti.

Abaixo algumas imagens do livro “Marilyn”:
Em 1929, aos três anos, na praia com a mãe Gladys Baker

O Livro Marilyn

Em 1945, na Califórnia

O Livro Marilyn

Em 1949, fotografada na praia por André de Dienes

O Livro Marilyn

Em 1949, fotografada na praia por André de Dienes

O Livro Marilyn

Em 1956

O Livro Marilyn

Em 1958, no set de ”’Quanto mais Quente Melhor”

O Livro Marilyn

O filho do fotógrafo Milton H. Greene tira uma foto de Marilyn

O Livro Marilyn

Em 1962, comemorando seu aniversário no set de ”Something’s Gotta Give”.

Ela foi dispensada do filme no dia seguinte

O Livro Marilyn

Em 1962, fotografada por Bert Stern

O Livro Marilyn

Em 1962, fotografada por George Barris

O Livro Marilyn

*imagens: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

Marilyn Monroe

A nova musa da MAC é ninguém menos do que Marilyn Monroe. Inspirações para a linha de maquiagens não faltariam, mas a marca escolheu pelos olhos felinos, unhas impecáveis e pelos lábios carnudos do ícone de beleza mais reconhecido e amado de todos os tempos.

MAC Marilyn Monroe

A coleção incluirá sombras, esmaltes, delineadores, blushes e batons.

MAC Marilyn Monroe

As sombras têm acabamento Veluxe Pearl e as cores serão:

How to Marry: branca perolada
Preferred Blonde: champanhe
Silver Screen: prata
Showgirl: cinza azulado

MAC Marilyn Monroe

Nos batons veremos acabamento acetinado, cremoso e matte:

Deeply Adored: vermelho escarlate mate
Charmed I’m Sure: vermelho vivo mate
Pure Zen: nude cremoso
Love Goddess: pink avermelhado acetinado
Scarlet Ibis: vermelho com fundo laranja mate

MAC Marilyn Monroe

Os blushes e iluminadores são mais sutis, ao que tudo em dica são do tipo que eu mais amo, que ajudam a dar uma carinha mais saudável sem exageros:

Legendary: blush coral claro
The Perfect Cheek: blush bege rosado
Forever Marilyn: iluminador pêssego pálido

MAC Marilyn Monroe

Os esmaltes terão cores clássicas, típicas das unhas das divas hollywoodianas da época:

Vintage Vamp: vinho
Stage Red: cereja berry
Flaming Rose: vermelho vivo
Kid Orange: coral
Rich, Rich, Rich: dourado glitter

MAC Marilyn Monroe

A linha ainda contará com gloss, rímel e cílios postiços. Ou seja, tudo o que você precisa para se montar como uma legítima diva!

MAC Marilyn Monroe

A Marilyn Monroe Collection começa a ser vendida em outubro, não vejo a hora!

*imagens: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.