Ocupação Zuzu

No dia 02 de abril a estilista Karlla Girotto de volta à SPFW, que em 2007 encerrou sua jornada de desfiles performáticos e inesquecíveis no evento, geradores de inúmeras discussões entre arte, moda, cultura e sociedade. Então foi muito bacana ver esse nome de novo, já que o admiro muito o trabalho dela!

Ela apareceu assinando a direção artística de uma performance em homenagem a estilista Zuzu Angel para  intervenção histórica com desfile-performance com vestidos réplicas de Zuzu e de vinte dos mais importantes estilistas brasileiros, como Alexandre Herchcovitch, Adriana Degreas, Amapô, André Lima, Fause Haten, Fernanda Yamamoto, Gloria Coelho, Gustavo Silvestre, Huis Clos, Isabela Capeto, Juliana Jabour, Lino Villaventura, Marcelo Sommer, Martha Medeiros, Neon, Pedro Lourenço, Ronaldo Fraga, Sonia Pinto e Walter Rodrigues, além de um vestido da própria Karlla Girotto desfilaram com o conceito de exposição em movimento.

Ocupação Zuzu

Ocupação Zuzu

Ocupação Zuzu

Os vestidos criados por Zuzu durante sua carreira foram usados por atrizes e modelos, que também deram voz às cartas que ela enviava a amigos e autoridades na busca por Stuart, seu filho morto pela ditadura brasileira.

Foi um evento extremamente emocionante, agitou um pouco o burburinho de sempre durante a semana de moda, trazendo para a discussão a estilista que fez moda quando a moda brasileira para o mundo todo, quando o Brasil não queria que ela o fizesse.

Ocupação Zuzu

O desfile fez parte da Ocupação Zuzu que ainda conta com uma exposição que está em cartaz no Itaú Cultural que conta com cartas e documentos que pertenceram à Zuzu, além de croquis e vestidos, objetos e fotografias, reunidos por sua filha Hildegard Angel para a maior retrospectiva em homenagem a estilista já feita no país.

Vamos?

Exposição:

Itaú Cultural
Avenida Paulista, 149, São Paulo.
De 1º de abril a 11 de maio

*fotos: FFW

*imagem: divulgação

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

Livro do dia: Diferente como Chanel

Hoje o livro do dia é totalmente voltado a fashionistas mirins, mas é irresistível para qualquer adulto!

Em Diferente como Chanel, as crianças podem conhecer a biografia da estilista que inovou em uma época em que, para estar na moda, as mulheres precisavam de luxo, pompa e espartilhos. O pretinho básico, uma de suas principais invenções, não saiu das ruas e das passarelas desde que foi criado, em 1926.

Livro Diferente como Chanel

O livro traz a trajetória da estilista francesa, da infância pobre no orfanato ao emprego em uma alfaiataria, até a abertura de sua primeira loja, financiada por um jovem aristocrata apaixonado. Nas ilustrações, Matthews deu vida a uma personagem quase caricatural, de silhueta esbelta, com o inseparável colar de pérolas e com a tesoura pendurada no pescoço. Ao final, há cronologia, bibliografia básica, foto da estilista e desenhos do poeta Jean Cocteau e do caricaturista Sem.

Livro Diferente como Chanel

Livro Diferente como Chanel

A tradução da edição brasileira foi feita por Clô Orozco, estilista e criadora das grifes Huis Clos e Maria Garcia.

Autora: Elizabeth Matthews

Editora: Cosac & Naify

*imagens: reprodução
Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.