A Converse modificou o design do clássico Chuck Taylor All Star depois de 98 anos

É muito provável que você, durante sua infância/adolescência, usou e abusou dos clássicos tênis All Star. E, se você é como eu, continua usando mesmo depois de adulto (quase 31 anos nas costas e uso pra sair, pra jogar bola, pra trabalhar, até mesmo pra casar! Veja a imagem abaixo na qual estou no centro, de calças pretas, e meus padrinhos ao meu lado, todos devidamente trajados de Converse Chuck Taylor All Star no dia do casório).

Pequena aulinha de história aqui. A Converse, tradicional fabricante de tênis norte-americano, fundada em 1908, criou em 1917 a linha Chuck Taylor All Star tentando padronizar os calçados utilizados em jogos de basquete. Pra quem se pergunta que foi Chuck Taylor, segue: Charles “Chuck” Hollis Taylor foi um jogador de basquete. Tcha-nãããããn… Chuck Taylor era apaixonado pelos tênis da Converse e os promoveu até o final de sua carreira como jogador. Enfim, o fato é que a Converse lançou o modelo em 1917 e até hoje o manteve com o design geral intacto, modificando apenas cores e diversas padronagens com estampas e séries especiais ao longo do tempo.

Mas o que muita gente não sabe é que a Converse declarou falência em 2003 e foi comprada pela Nike. Então, sem essa compra, os tênis que você usou durante boa parte da sua adolescência sequer existiriam hoje em dia. Com isso na cabeça, continuemos.

Alguns de vocês talvez considerem a atitude de mexer no design de algo tão clássico e atemporal um sacrilégio, tal como uma mudança da fórmula clássica da Coca-Cola ou abaixar os braços da estátua do Cristo Redentor. Mas depois de 98 anos, a Converse está atualizando o já icônico e sempre moderno Chuck Taylor All Star – ou apenas All Star para nós, brasileiros. Por fora, ele é praticamente idêntico ao original; mas por dentro, o Chuck II (que não é a continuação do filme do brinquedo assassino) é muito mais confortável para os seus pés.

Por sorte, a Nike não mexeu muito no design do calçado desde a compra da Converse. E além disso, o Chuck II soa como o melhor dos dois mundos: o estilo clássico da Converse somado à tecnologia avançada da Nike mirando o conforto dos seus pés. E como ele ficou? Veja abaixo.

1353548300619709736

A maior novidade do Chuck II (o nome oficial do modelo) é a inclusão de um material chamado Lunarlon. Desenvolvido pela Nike, esse produto de nome estranho é uma espuma bem leve e elástica que a Nike já usa em seus tênis de corrida e basquete, e que agora será incorporado na sola de borracha dos Chuck II.

1353548300676504616

A Nike alterou também alguns pequenos detalhes no design do Chuck II, incluindo uma lingueta não escorregadia e um forro de camurça perfurado — visível na imagem acima — que ajuda na respiração do seu pé. Isso quer dizer que (teoricamente) os seus pés não vão transpirar tanto quanto antes e seu chulé deverá ser mais moderado também.

Mesmo assim vai ser difícil para a maioria das pessoas perceberem as diferenças entre o clássico Chuck Taylor All Star e o Chuck II — exceto pelo preço. As versões de cano baixo e de cano alto do Chuck II serão vendidas por US$ 15 a mais que as versões originais — US$ 70 e US$ 75, respectivamente. Os primeiros modelos chegam ao mercado americano na próxima terça-feira (28/07/15) nas cores preta, vermelha, azul e branca.

*imagens: reprodução

É publicitário, gestor estratégico e ambiental, empresário, marido, dono de 3 gatos e editor do O Que Não Mata, Engorda. Apaixonado por música, cinema, literatura, automobilismo e ótimos papos com os amigos.

Marca Registrada – Bourjois

Alguns produtos e algumas marcas são tão presentes em nossas vidas que desaprendemos a viver sem eles. No caso das marcas, nosso envolvimento nos leva a acompanhar todos os lançamentos, experimentar novos produtos e falar sobre nossa devoção para quem quiser ouvir, o que faz com que muitas pessoas acabem experimentando nossos itens preferidos também.

Eu tenho uma lista imensa de produtos preferidos e marcas que eu amo, e decidi dividir isso com vocês em uma série de posts onde vou falar um pouco sobre as marcas e os meus produtos preferidos  de cada uma delas. Por enquanto essa série se limitará a cosméticos, se vocês curtirem posso pensar em fazer isso para marcas de roupa e sapatos também, o que acham?

Hoje vou falar sobre uma marca que aprendi a amar recentemente, que é relativamente acessível e que tem vários produtos cultuados na internet, principalmente por vlogueiras da Europa e Oceania. Vou falar sobre a Bourjois, que é uma marca que existe há muito tempo, foi pioneira no segmento da maquiagem e é a irmã mais velha da marca Chanel.

Bourjois

Em 1863, Alexandre Napoléon Bourjois nascido próximo aos distritos teatrais de Paris, em um momento em que a França era a segunda maior líder econômica do mundo, criou a Bourjois com base na empresa  de cosméticos que Joseph-Albert Ponsin mantinha desde o ano anterior e que era responsável por preparar, no seu próprio apartamento, maquiagem e perfumes para as atrizes da região. Em 1968 Ponsin transferiu por completo a atividades de sua empresa para Napoléon Bourjois, que expandiu marca a nível internacional.

As primeiras criações de Ponsin foram maquiagens a base de cera com nomes como Jealous (Ciúmes) e Lovesick (Doente de amor), considerados atrevidos para a época. Seus produtos se espalharam rapidamente e seu status como “Fornecedor para o teatro” passou a ser  “Produtor especial de produtos para beleza feminina”.

Bourjois

O primeiro blush em pó da história da maquiagem foi criado pela Bourjois em 1863, era uma combinação cuidadosa de pós é água despejados em uma embalagem redonda e colocados no forno para assar, adicionavam um pouco de madre pérola para adicionar cintilância e assavam novamente.

O pó de arroz Java foi lançado em 1879 e tinha como propósito clarear a pele e deixá-la com textura de seda. O sucesso foi imediato e a Bourjois passou a vender em outros países. Em 1897, já com sua própria fábrica, a marca vendeu 2 milhões de unidades do pó de arroz no mundo todo.

Bourjois

Até 1898 o catálogo de produtos da Bourjois já possuia mais de 700 opções de produtos para as bochechas, pálpebras, pó de arroz, esmaltes, batons, tabletes indianos (antecessores do rímel – ou máscara), perfumes para lenços, sachês perfumados, creme dental, loções capilares e a pomada húngara que servir para arrumar bigodes.

A marca continuou inovando ao longo dos séculos sem nunca deixar suas origens de lado, a embalagem do blush em pó permanece a mesma até os dias de hoje, assim como o pó de arroz que continua fazendo parte do mix de produtos, ambos transformaram-se em itens icônicos ao longo dos séculos.

A Bourjois e a Chanel tem parentesco pois, em 1989 a marca foi comprada pela família Wertheimer, que anos depois (1924), se associou à Coco Chanel para lançar o Chanel Nº5. Até 1954 Pierre Wertheimer já era dono dos direitos totais da marca Chanel.

Os negócios da Bourjois e da Chanel são mantidos até os dias de hoje pela família Wetheimer, que atualmente é bilionária.

Bourjois

Agora que sabemos tudo sobre a marca, vamos falar sobre meus favoritos?

Blush Bourjois

Eu não podia começar com outro produto senão o blush! Bem pigmentado, tem uma grande variedade de cores (são 18 ao todo), a embalagem é excelente (além de ter um espelho na tampa, o que é raro para blushs com esse preço) e é comparável aos blushes da Chanel.  Preço: R$ 46,90.

Délice de Poudre Peaux Mates

Outro produto que eu amo e uso todos os dias é o bronzer Délice de Poudre Peaux Mates, além da boa pigmentação ele não é alaranjado, fazendo com que ele seja útil para bronzear e para contornar. Ele tem um cheirinho de chocolate maravilhoso e duas opções de cores, uma para peles mais claras (52) e outra para peles mais escuras (53). Preço: R$75,30

Healthy Mix Serum

A Healthy Mix Serum é uma base em gel, de cobertura leve (mas dá para construir camadas sem ficar com a aparência pesada), é hipoalergênica, deixa a pele com um aspecto natural e funciona em todos os tipos de pele, eu tenho a pele mista e ela fica ótima durante o dia todo. Preço: R$75,90

 Tonique Vitaminé

Eu adoro o Tonique Vitaminé, um tônico vitaminado que tenho usado todos os dias e achei ótimo para controlar oleosidade e preparar a pele para até o mais pesado dos hidratantes. O cheirinho é uma delícia (e bem suave) e ele dura bastante! Preço: R$25,50

Healthy Mix Corretivo

Um outro produto da linha Healthy Mix que vale a pena é o corretivo, que é excelente para espantar a aparência cansada, sem acumular nas linhas. É feito para os olhos mas eu uso no rosto também, ele cobre bem manchinhas e vermelhidão. Preço: R$42,60

Volumizer

E por último, mas não menos importante, a Volumizer Mascara, que é uma máscara para cílios de dois passos. Eu gosto de usar o passo 1 para os cílios inferiores e o passo 2 para os superiores. Ela deixa os cílios bem separados e com volume na base. Preço: R$41,30

Quais marcas vocês gostariam de ver em post como esse?

*imagens: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

O primeiro

A gente sabe muito bem o porquê de grandes ícones da beleza e da moda, como Audrey Hepburn, Marilyn Monroe e Jackie O, usavam Keds. O clássico tênis americano, conhecido por muitos anos como o primeiro dessa categoria de calçados, são fofos, confortáveis e se provam cada vez mais atemporais!

Como o modelo já é nosso queridinho há tanto tempo, e sua invenção já tem quase cem anos, achei que seria legal nós visitarmos a história sobre como ele surgiu, vamos lá?

Keds

*Anúncio da marca, 1916

A história da marca começou em 1892 quando nove pequenas fábricas de borracha americanas se uniram para formar a U.S. Rubber Company. Entre as fábricas estava a Goodyear Metallic Rubber Shoe Company, primeira empresa a licenciar o novo processo de vulcanização da borracha, descoberto e patenteado por Charles Goodyear. Até 1913, a divisão de calçados da U.S. Rubber Company fabricava sapatos e tênis para 30 diferentes marcas do mercado norte-americano. Foi então que a empresa resolveu fabricar e vender os produtos sob um mesmo nome para reduzir custos, ter mais impacto no mercado e acabar com a rivalidade que existia entre as nove fábricas que formavam a empresa. Uma das primeiras sugestões de nomes para a nova marca foi PEDS, que em Latim significa pé, porém já estava registrado. Em 1916, a dúvida estava entre dois nomes, KEDS e VEDS. A palavra KEDS foi escolhida, pois o som do K era mais forte e marcante. Os calçados KEDS foram então introduzidos no mercado propondo uma nova abordagem para o calçado, apresentando-o como atlético, maleável e confortável. Os modelos da marca eram mais descolados e modernos, combinavam perfeitamente com o estilo de vida dos americanos. Foi nessa época e justamente por causa de uma publicidade da marca, criada pelo publicitário Henry Nelson McKinney, que os tênis ganharam a denominação de “sneaker” nos EUA, isso se deu porque as solas de borracha eram tão silenciosas, que seriam perfeitas para “sneak”, termo da língua inglesa que significa espiar, pelo menos foi assim que a marca justificou o uso da dessa expressão.

Keds

*Audrey Hepburn popularizando o keds como item fashion na década de 60

Desde a sua inserção no mercado e então a marca se estabeleceu e ganhou notoriedade, sobretudo com o lançamento do modelo clássico Champion (tradicional modelo básico na cor branca (que a gente nunca deixa de amar). O KEDS foi o primeiro calçado de sola de borracha feito em lona a ser produzido em larga escala durante a década de 20, os calçados da marca foram usados por jogadores de futebol, atletas olímpicos e tenistas de renome nacional e internacional, assim como por atletas universitários. Em 1934 a empresa introduziu os modelos coloridos, tornando os KEDS algo ainda mais versátil e mais desejado. Quatro anos depois a marca introduziu no mercado um calçado mais feminino batizado de KEDETTES.

Keds

*Kedettes, 1938

Os keds foram conhecidos por décadas como a primeira marca a vender calçados de borracha chamado sneakers, utilizando a expressão “The Original Sneaker” em campanhas publicitárias muito bem sucedidas. Mas, na verdade, a história não é bem essa, em 2010 um pesquisador descobriu um anúncio de 1889 usando a expressão sneaker para descrever os tênis que estavam em liquidação. Eventualmente a própria marca se retratou, alegando que a marca não foi a primeira a usar o termo sneaker, mas foi a resposável pelo seu uso de forma tão ampla. Então, não é o primeiro sneaker, mas é o primeiro têncis com solado de borracha, mais pioneiro impossível, não é?

*imagens: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.