Croquis: La Carte de Tendre

Alessandro Michele, estilista que está reinventando a marca Gucci, levou para as passarelas da semana de moda de Milão primavera/verão 2016 um desfile inspirado em um mapa imaginário e que foi eternizado na primeira parte de Clélie, obra de Madeleine de Scudéry (1654-61).

Esse mapa mostra a geografia inteiramente baseada em torno do amor de acordo com os estilo literário Précieuses da época. Mas o estilista definitivamente não se limitou ao romance e misturou uma porção de outras referências, principalmente no styling.

Quando eu vi alguns dos croquis da coleção achei imprescindível postar aqui para vocês!

croqui-gucci-milao-alessandro-michele-ocabide
croqui-gucci-milao-alessandro-michele-ocabide-2

 

 

Também vale a pena dar uma olhada no Instagram da marca para ver mais detalhes do desfile:

 

Uma foto publicada por Gucci (@gucci) em

*imagens: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

Cinquenta bolsas

Cinquenta bolsas que mudaram o mundo

Já falamos sobre os 50 chapéus e sobre os 50 vestidos que mudaram o mundo, vamos seguir com um post que fala sobre o livro 50 bolsas que mudaram o mundo. Falta pouco para terminar os posts sobre a Coleção 50, do Design Museum, pelo menos sobre aqueles que falam sobre objetos do vestuário.

Sabe quando você passa um tempão procurando aquela bolsa perfeita e atemporal, que até vale a pena investir um pouquinho mais, já que você vai usar por tantos anos? daí surge outro modelo que é essencial na sua vida e você precisa dele para facilitar seu dia a dia e a coisa segue assim de maneira cíclica até o dia em que sei lá, você não vai mais precisar usar bolsa, e ainda assim é capaz de comprar aquele modelinho que combina com tudo!

A história da bolsa também funciona mais ou menos assim, pela necessidade, pela linguagem visual, pelo status ou pela evolução da matéria prima, por exemplo. Assim seguimos, por toda nossa existência, mudando os motivos pelos quais precisamos de determinado modelo de bolsa.

São muitas as bolsas que fizeram história, e por motivos diferentes se tornaram ícones da moda e do nosso senso estético comum, que parece ser uniforme, já que a necessidade de algo que nos ajude a carregar o que precisamos em nossa rotina existe para todos.

Cinquenta bolsas que mudaram o mundo

Chanel 2.55  – 1955 

Cinquenta bolsas que mudaram o mundo

Baguette, Fendi –  1997
Cinquenta bolsas que mudaram o mundo

Jackie, Gucci – 1950

Cinquenta bolsas que mudaram o mundo

Steamer bag, Louis Vuitton – 1901

Cinquenta bolsas que mudaram o mundo

Bolsa Alexa,  Mulberry – 2009

O livro Cinquenta bolsas que mudaram o mundo pode explicar melhor isso tudo, ele fala de bolsas, malas e mochilas que tiveram impacto no mundo da moda e no mundo do design, e funciona da mesma forma que os outros livros da coleção, descrevendo os fatos que tornaram cada modelo em algo especial e fala também sobre os designers responsáveis por cada um desses 50 modelos.

Cinquenta vestidos que mudaram o mundo
Design Museum
Tradução: Cristina Bazan
Editora Autêntica

*imagens: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

Um pequeno fashionista

A maioria das crianças de 5 anos não se preocupam com a moda, até gostam de combinações excêntricas e de cores brilhantes, afinal, moda e a imagem não são prioridades nessa idade tão maravilhosa!

Quer dizer, não são prioridades para todos, mas para alguns a história é outra. E esse é o caso de Alonso Mateo, o mini fashionista mexicano de gosto impecável para moda, além de um sorriso carismático e poses irreverentes. Logo, suas fotos conquistam cada vez mais pessoas no Facebook e no Instagram, até porque, como resistir né?

Ele se veste com ternos sob medida, lenços de bolso, camisas por fora das calças e com as mangas dobradas, além dos blazers grifados que fazem com que ele pareça um mini adulto. Seus milhares de seguidores parecem adorá-lo, mesmo com a presença de um ou outro nos comentários que acham que os “looks do dia” o impedem de viver sua infância.

A mãe de Mateo, Luisa Fernanda Espinosa é uma stylist freelancer de Laguna Beach, Califórnia, diz que o comportamento fashionista começou no berço, quando ele já mostrava se importar com echarpes e toucas, a partir disso ele começou a pedir gravatas borboleta e ternos com 3 ou 4 anos.

Alonso Mateo

Sua carreira como fashionista na internet começou depois que Luisa colocou algumas fotos de Alonso no seu perfil do Instagram, como recebeu uma ótima resposta do público continuou adicionando fotos e acabou chegando a 130 mil seguidores. Agora Alonso tem sua própria conta, após postar penas 6 fotos já tem 3.997 seguidores (antes de eu terminar de escrever esse post o número já havia crescido, além disso a mãe dele bloqueou o perfil dela, onde todas as fotos de Mateo estavam postadas, ou seja, a partir de agora só teremos acesso, oficialmente, as fotos de Alonso no perfil dele). São muitas páginas dedicadas ao Alonso no Facebook, tem uma vietnamita com 8.791 seguidores, a turca com 15.486 seguidores e a maior de todas, a tailandesa com 24.862 seguidores, além de várias páginas menores, todas não oficiais.

Alonso Mateo

Em entrevista para The Cut ele disse amar ternos, sneakers e óculos de sol e acrescentou: “Eu gosto de me vestir como o meu pai, ele tem ternos descolados”.

Luisa não economiza mas também não se importa em comprar marcas menos glamorosas para compor o estilo do filho, geralmente ele usa Dior, Little Marc Jacobs, American Apparel, Gucci, Stella McCartney, H&M, Dolce &Gabanna e até Target, o principio inicial, fora o estilo é a qualidade das peças.

Alonso Mateo

A mãe acha que o gosto de moda de Alonso é resultado do fato de ele ser filho único e passar muito tempo rodeado de adultos, então ele acaba querendo replicar o que está acostumado a ver.

As críticas para a mãe do pequeno fashionista as veze ficam pesadas e condenam de forma agressiva a exposição e o materialismo, mas a mãe de Alonso afirma que se o que o filho quer é um sapato igual ao do pai, e ela tem condições de comprar, ela compra. Não tem a ver com a exposição, ele gosta e se diverte com a moda, tanto que já pensa sozinho nas fotos que vai fazer de seus looks com seu iPad.

Alonso Mateo

Se é muita exposição ou se o menino é mimado eu não sei, e ao contrário de algumas das pessoas que comentam em suas fotos, não vou julgar a decisão da mãe dele em deixa-lo se vestir de tal forma ou de fazer tais fotos. Vou seguir o pensamento do stylist Ugo Mozie (Beyoncé, Chris Brown, Kelly Rowland) quando conheceu o estilo de Alonso:

“Um ícone do estilo. Se familiarizem e tomem notas.”

Confiram mais fotos dessa fofura:

*imagens: reprodução