O Cabide por aí: Fashion Weekend Plus Size | Verão/2016

Rolou neste sábado, 25/07, a 12º edição do Fashion Weekend Plus Size. Eu já tinha visitado outras edições, mas essa foi especial para mim. Esse foi o primeiro evento de moda que compareci desde que me aceitei como gorda. Como vocês sabem o processo de aceitação não aconteceu de repente, e é claro que ainda existe muito espaço para evolução na minha auto-estima e na forma como vejo o meu corpo, mesmo assim foi a primeira vez que eu realmente me esforcei para fazer uma aparição em qualquer tipo de evento relacionado ao blog em muito tempo. E valeu a pena.

Eu fui principalmente para ver os desfiles das marcas Chica Bolacha (que já apareceu aqui em uma wishlist) e da Upsy que arrasa fazendo moda estilo retrô. Mas estava animada para a experiência como um todo e isso ficou bem claro para mim enquanto estava lá.

snapcode

Eu ainda estava de olho nos stands quando a Marguerite entrou na passarela, então tive que me espremer na multidão para garantir um cantinho e postar tudo o que estava rolando para vocês no Snapchat, que foi uma escolha arriscada, afinal muitos de vocês ainda não estão conosco por lá (nos adicione: você pode usar nosso snapcode, é só abrir o app, apontar a sua câmera para a imagem acima e dar um toque sobre a tela ou nos adicione através do nosso nome por lá que é “ocabide”), mas foi super divertido e me fez ficar com vontade de experimentar o Periscope, o que vocês acham?

Uma foto publicada por O Cabide (@ocabide) em

Eu estava exausta, não tinha dormido na noite anterior e estava querendo voltar para a casa porque era aniversário do meu pai naquele dia, mas quando começou o desfile da Chica Bolacha eu lembrei porque eu queria e deveria estar lá. Quando a Jéssica Lopes, do blog Femme Fatale by Jeh, entrou na passarela com o primeiro look da coleção Mix Tape eu fiquei emocionada. Fiquei me perguntando de onde tinha vindo aquele nó na garganta enquanto o desfile rolava de forma espetacular – e acabou sendo o centro das atenções do evento – e de repente eu entendi. Eu me vi lá, na passarela, nas fotos, nas roupas, nas modelos. Eu me senti representada, acolhida, inteira, esperançosa e acima de tudo, me senti linda.

Só quem é gordo sabe o quanto é difícil se sentir representado pela moda, de qualquer forma. Quem é magro também tem essa dificuldade, afinal os padrões de beleza são inatingíveis até para os donos das imagens usadas para representá-los, mas para quem é gordo é mais difícil pois nós não vemos pessoas como nós na TV ou em revistas com frequência (na verdade isso é bem raro) e nós não somos só tratados como minoria, somos tratados como pessoas que precisam mudar, que são doentes, preguiçosas, etc.

Tudo isso a parte, a coleção é linda de morrer! É inspirada pela música – principalmente pelo rock’n’roll – e traz peças baseadas nas décadas de 50, 60, 70, 80. Além disso o desfile contou a presença das blogueiras e formadoras de opinião Jéssica Lopes, Ariane Freitas, Paula Bastos, Babu Carreira, Camila Cura, Mel e Celia Soares.

Eu estava ansiosa para ver o desfile da mineira Upsy pois acho as peças da marca muito fofas, além disso, uma das minhas pessoas preferidas no mundo ama o estilo pin up (é de você mesmo que eu estou falando, Marina!). A marca apresentou um desfile pocket com moda praia inspirada no navy e uma pitada de pop art.

Eu notei em quase todos os desfiles que o uso de cintas, meias e modeladores, comparado com o das edições em que já estive, foi bem menor. Sendo assim dobrinhas, celulites e estrias estrelaram lindamente na passarela, sem vergonha e sem restrições, isso é sinônimo de LIBERDADE!

Antes de encerrar esse post meloso (não consegui evitar, desculpa!), queria deixar uma dica para as meninas de São Paulo:

Em agosto vai rolar um bazar da marca Chica Bolacha no Espaço Cada Qual, na rua Augusta!

08/08/2015
das 14h às 20h
Rua Augusta, 2171
Roupas acima do tamanho 44
Vai ter provador e vai aceitar cartão de crédito (pagamentos em até 3x)

Só de pegar o flyer do evento eu já senti o drama da fatura do meu cartão de crédito em setembro!

*fotos: Adriana Líbini

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

Maior desfile de moda Plus Size do Brasil anuncia sua edição verão 2016 revelando belezas negras, trans e plus sizes

A cada edição, a equipe do Fashion Weekend Plus Size (FWPS), maior desfile e salão de negócios Plus Size do Brasil, convida algumas de suas modelos e escolhe um tema diferente para divulgar o evento.

Para anunciar o “FWPS Verão 2016”, que acontece no dia 25 de julho, no Centro de Convenções Frei Caneca, Renata Poskus, diretora do evento e autora do Blog Mulherão (http://www.blogmulherao.com.br), convidou cinco modelos negras. “Percebemos que vencemos uma primeira batalha, que era a de incluir nosso evento de tamanhos maiores no calendário da moda. Agora temos que quebrar outros paradigmas, como o da etnia. As minhas leitoras Plus Size negras me pediam isso, que queriam se sentir mais representadas”.

O tema escolhido para as fotos foi a Moulage, técnica na qual tecidos são amarrados ao corpo como se fossem vestidos. “Minha ideia foi expressar a leveza, beleza e feminilidade dessas mulheres, com a alegria e a energia das cores do verão”, acrescenta Renata. Para complementar, foram utilizados acessórios da Luxe Mode&Acessories, uma das marcas expositoras do FWPS. “Criei uma coleção especial para esta edição, com maxicolares, pulseiras, maxibrincos e braceletes que valorizam a silhueta Plus Size, evidenciando seus atributos”, afirma Leila Maiante, designer da marca, que há quatro edições participa do evento.

As marcas já confirmadas para a 12ª edição do Fashion Weekend Plus Size são: Arthur Caliman, Attribute Jeans, ChicaBolacha, Dama de Seda Lingerie, Ênfase, Luxe Mode&Accessories, Marialícia, Marguerite/Posthaus, Vislumbre Moda íntima e Xica Vaidosa.

 

Nós estaremos lá, se você quiser estar também pode adquirir o deu ingresso:

www.ticket360.com.br 

 

Confira a cobertura que fizemos na última edição que visitamos!

 

*divulgação

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

Uma celebração ao plus size

Sábado eu tive o prazer de conhecer o Fashion Weekend Plus Size e fiquei muito feliz!

O evento é bem organizado, as marcas são empenhadas, e acima de tudo, esse evento é uma pequena janela para a relevância da moda plus size no mercado.

Eu digo pequena janela, pois acredito que as oportunidades para apresentar o segmento devem ser maiores, e que o evento merece mais prestígio.

Teve moda mais ligada nas tendências, teve beachwear, lingerie, vestidos longos para festas e looks mais casuais.

Nada conceitual, as coleções são todas comerciais, e assim como no Fashion Week, muitas das pessoas na plateia são compradores e jornalistas, além de convidados e visitantes.

Algumas peças se destacam pela ousadia, por apresentar-se de forma contrária ao que vemos insistentemente estampado nas revistas de moda. Lá não existe muito isso de isso pode ou aquilo não pode. No Fashion Weekend Plus Size tudo pode!

Uma outra coisa que ganhou meu coração foi o sorriso das modelos. Esse não é um evento para carões blasé, as modelos sorriem e fazem graça, nada é levado tão a sério. A moda realmente não deveria ser levada tão a sério o tempo todo, principalmente em suas celebrações.

Não vou entrar nos méritos de crítica de moda, e não vou me aprofundar nos detalhes de cada coleção, essa foi a minha primeira vez no evento, prefiro falar sobre a experiência como um todo.

Desabafo:

A oportunidade de ir ao Fashion Weekend Plus Size coincidiu com um momento de grande mudança na minha vida. Um dia antes do evento eu me pesei e vi, sob efeitos colaterais de um tratamento que faço, engordei 8 quilos em 3 semanas.

Estava decepcionada comigo mesma, me culpando como se tivesse feito algo errado. Como se engordar fosse algo totalmente controlável na vida de todas as pessoas, e eu me sentia fracassada.

Olha, que louca? Eu tava jurando que a culpa era única e exclusivamente minha por ter engordado, mas eu não tinha controle sobre isso. As vezes a gente não tem controle sobre o próprio corpo, e eu não estava levando isso em consideração.

Mas ali, vendo aquelas mulheres lindas, completamente a vontade com seus corpos, sorrindo e fazendo charme na passarela, justamente na passarela, o templo onde meu trabalho se baseia, eu tive que reavaliar minha postura.

Não era magrinha antes desses 8 quilos, sou curvelínea e gosto do meu corpo mais voluptuoso mesmo. Defendo as curvas, acredito de verdade que elas são mais bonitas e que a moda menospreza o tipo mais bonito de corpo.

O tratamento ainda não acabou, talvez eu engorde mais, não sei! Por isso, não posso deixar essa mudança me abater, não posso deixar de me achar bonita.

Minha saúde, física e mental, depende da minha capacidade de sorrir e fazer charme, com ou sem esses 8 quilos.

Assim como aquelas divas!

*imagens: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.