Pesquisando o desenho de moda

Já que o assunto da semana no blog e nas nossas redes sociais parece ser o desenho de moda, acho que não há problema algum em fazer mais um post sobre o assunto, certo?

Como falo o tempo todo sobre referências e sobre processo criativo, acho que seria válido apresentar para vocês alguns livros que podem auxiliar no desenvolvimento de seus croquis, bem como na evolução de um traço mais autoral e mais rico de referências individuais de cada ilustrador.

 100 Years of Fashion Illustration
O livro 100 Years of Fashion Illustration é excelente para a compreensão de como o desenho de moda evoluiu do passado até os dias atuais. São 400 imagens que mostram de forma clara o desenvolvimento da moda no último século e de que forma os croquis acompanhou a história do vestuário.
Autora: Cally Blackman
Editora: Thames&Hudson

1.000 poses en ilustración de moda

1.000 poses en ilustración de moda propõe dilemas e soluções da ilustração de moda apresentando situações que forçam o designer a ultrapassar barreiras.

Autor: Chidy Wayne
Editora: Maomao Publications

Atlas de Designers de Moda

O Atlas de Designers de Moda é ótimo pois apresenta uma descrição de estilos e tendências através de rascunhos e desenhos originais feitos por estilistas.
Autor:  Marta R. Hidalgo
Editora: Kolon/Paisagem

Desenho de Moda - Vol. 2

Desenho de Moda – Vol. 2 é indispensável para estudantes de moda, o livro vai desde os primeiros esboços do desenho de moda, ao planejamento de uma peça até suas especificações técnicas. Todos os tópicos são abordados, do desenvolvimento de uma silhueta até o desenvolvimento têxtil, sendo de valor inestimável a sua biblioteca de design.

Autora: Bina Abling
Editora: Blucher

São muitos os livros e guias que podem auxiliar um designer no desenvolvimento de seus croquis, de origens nacional ou internacional pode se encontrar todo tipo de dica ou ensinamento valioso e se vocês quiserem podemos ter mais posts coomo esse por aqui, o que acham?

*imagens: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

Décima Semana de Moda: Os desafios da moda brasileira

Nessa semana deixe os croquis um pouco de lado, escolhe um look bem interessante para curtir as palestras da Décima Semana De Moda da Livraria Cultura. A programação tem curadoria de Dhora Costa (Belas Artes) e o evento é aberto ao público.

Professores, estilistas e profissionais da moda compartilham experiências e seus conhecimentos em palestras que abordarão temas como consultoria de imagem, design, desenvolvimento de coleção.
Uma ótima oportunidade para estudantes de moda e interessados entrarem em contato com os bastidores criativos do mundo fashion.

Confira a programação:

Décima Semana de Moda: Os desafios da moda brasileira

Clique aqui para ampliar a imagem

Serão distribuídas senhas na bilheteria do Cine Livraria Cultura, 1h antes do evento , 1 por pessoa.

+ informações

Vamos?

*imagem: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

Quer estagiar no SPFW?

Dizem que a melhor forma de saber o que tá rolando na indústria da moda é sabendo como ela funciona por dentro? Pois aqui está uma ótima oportunidade para você conhecer a indústria e fortalecer o networking!

Quer estagiar no SPFW?


Envie seu currículo com foto para infotec@luminosidade.com.br até o dia 18 de outubro de 2013 com o título “CV P/ MONITORIA SPFW”. Aceitaremos apenas candidatos maiores de idade e estudantes de moda, publicidade ou jornalismo.
 

Aproveitem!

*imagem: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

Livro do dia: O Paraíso das damas

Hoje o Livro do dia é O Paraíso das Damas, de Émile Zola, que retrata o nascimento das lojas de departamento. O livro é incrível e fala sobre Paris e o início do comércio de moda em massa.

O romance reforça o conceito de que a sociedade não resiste ao consumo da moda. Quem dá nome do livro, e a loja de departamento que ele descreve, é livremente inspirado em “Au Bon Marché”, que existe até hoje nos números 22 e 24 da rua de Sèvres, em Paris.

O Paraíso das damas

A narrativa acontece entre tecidos finos, vestidos elegantes, matérias primas e costumes do mundo todo.

Uma espécie de antecedente do Império do Efêmero, O Paraíso das Damas aponta o universo do desejo e do supérfluo num momento em que não havia como antecipar como a sociedade passaria a se portar com a popularização da moda acessível.

A história contada trata, antes de qualquer coisa, do amor, falando da vida de Denise, uma órfã humilde que vai a capital em busca de uma maneira de sustentar a si e a seu irmãozinho, se tornando então balconista da mais badalada loja de Paris.

Por trás da trama uma crítica ao impulso dessa nova sociedade moderna, abordando questões sociais relacionadas ao crescimento comercial dado a revolução industrial.

O PARAÍSO DAS DAMAS

Autor: Émile Zola
Tradução: Joana Canêdo
Editora: Estação Liberdade

*imagem: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

Vocabulário Fashion

Ao contrário de algumas tendências, que rapidamente perdem o valor, os termos de moda são usados repetitivamente e a exaustação até que ninguém aguente mais ouvir a expressão e passe a considerar brega quem as usa.

Entre elas estão:

“Dar bossa ao look”

“É tendência”

Mas o vocabulário fashion é muito mais rico do que isso, recheado de expressões históricas, ligadas diretamente a construção das peças que vemos nas passarelas, tem uma extensão muito maior, quase sempre ligada aos costumes de seus países de origem.

Vocabulário Fashion

Eu já recomendei um dicionário de moda por aqui, mas algumas expressões estão tão longe do uso comum que vale a pena revistar a questão do vocabulário de moda apenas para abordá-las!

Ikat – Técnica artesanal da Indonésia, consiste no tingimento do fio com a aplicação de uma padronagem antes de sua tecelagem.

Pilling – Consiste na formação de pequenos tufos em forma de bolas na superfície do tecido, pode ser causado durante a lavagem. Normalmente ocorre em tecidos de qualidade inferior e pode também ser chamado de borboto.

Mauveína – Conhecida também como anilina púrpura e malva, é considerada o primeiro corante sintético, descoberto por acaso em 1856 por William Perkin.

Raglan – Tipo de manga, além de menos estruturado, dá maior mobilidade ao braço, pois é cortado nas costuras diagonais da gola até a cava de casacos, blusas e mantôs. O nome foi uma homenagem ao lorde e comandante britânico Raglan (1778-1855), que, devido ao frio que seus soldados passavam na Guerra da Criméia, aconselhou seus homens a improvisar agasalhos cortando cobertores, a forma como as costuras foram feitas suavizou as linhas dos ombros dos uniformes.

Mantô – Casaco de inverno unissex usado por cima de roupas e confeccionado de lã no comprimento longo ou três-quartos.

Hakama – Vestimenta típica japonesa que cobre a parte inferior do corpo, inicialmente era utilizada pelos homens samurais para proteger as pernas enquanto andavam a cavalo. Possui duas variações: umanori, divido como calças e conhecido como hakama de equitação; e andon bakama, inteiro como uma saia, utilizado especialmente em cerimônia formais.

Obi – Faixa larga de tecido usada na cintura como complemento de quimonos japoneses. Muitos estilistas têm criado novas versões da peça em suas coleções.

Fonte: Use Fashion, Voguepedia

*imagem: reprodução


Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.