Bases para croquis plus size

Há algumas semanas fiz um post super bacana sobre uma ilustradora de moda que era focada na apresentação real do corpo de mulheres gordas. O post ainda tem sido bem acessado e foi bem recebido nas redes sociais, o que é muito legal. Eu fico muito feliz cada vez que apresento esse tipo de conteúdo para vocês e a resposta é tão positiva. Sabe o que seria mais legal? Se vocês realmente começassem a levar para vida e trabalho de vocês o que vocês tem visto por aqui.

Nós recebemos e postamos croquis de vocês há anos, não consigo nem contabilizar quantas ilustrações enviadas por vocês já passaram por nossas redes sociais e até onde eu me lembro apenas 2 ou 3 eram ilustrações plus size.

Eu não sei que impede vocês de de ilustrar padrões de beleza diferentes do que temos visto até hoje, mas pensei que talvez possa ser a falta de informação, afinal não se ensina a desenhar moda plus size nos cursos e faculdades de moda. Por isso dei uma pesquisada e procurei bases para croquis plus sizes com a esperança de que isso inspirasse vocês!

base-croqui-plus-size-ocabide

base-croqui-plus-size-ocabide-2

base-croqui-plus-size-ocabide-3

base-croqui-plus-size-ocabide-4

 

 

base-croqui-plus-size-ocabide-7

base-croqui-plus-size-ocabide-8

 

base-croqui-plus-size-ocabide-9

base-croqui-plus-size-ocabide-10

base-croqui-plus-size-ocabide-11

 

 

Eu poderia ter colocado essas imagens em uma galeria mas achei que dessa forma facilitaria a navegação em qualquer computador ou celular, assim como em qualquer navegador.

Ou seja, não tem desculpas, né?

Se fizer um croqui plus size nos envie para publicarmos em nossas redes!

Sempre postamos referências de ilustrações plus size em nosso Pinterest, nos siga por lá!

 

*imagens: reprodução

 

 

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

Universidade do jeans

Foi inaugurada em Amsterdã a primeira Universidade do Jeans, lá os alunos aprenderam tudo sobre como tecer  e tingir o algodão, até modelar, costurar, produzir um desfile e encontrar uma posição no mercado.

universidade-do-jeans-house-of-denim-rocva-curso-amsterdan-ocabide-2

As aulas são em tempo integral, em inglês e holandês, para alunos nacionais ou residentes. O curso dura três anosé oferecido e ministrado pela House of Denim  em parceria com a escola técnica holandesa ROCva . Depois de formados os alunos passarão a ser Engenheiros de Jeans.

universidade-do-jeans-house-of-denim-rocva-curso-amsterdan-ocabide

Desde abril/15 o curso também está disponível em formato super intensivo, com duração de nove meses divididos em 3 módulos, para estudantes internacionais. Trata-se de 5 aulas por semana, com duração de 6 horas por dia, dá direito a visto de estudante, mas não oferece moradia, alimentação ou acomodação. Sem o incluir o valor de tais despesas o curso custa no total 18.000,00 euros.

 

Você faria esse curso?

 

*imagens: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

Conselhos de Anna Wintour

Eu tive um feedback super legal com o post sobre como foi a jornada acadêmica que me levou até os caminhos de uma faculdade de moda.  Estudar moda não é uma escolha fácil, além de muitas vezes não ser apoiada por todos os membros da família. Isso sem falar nos estigmas sociais e o sexismo que ronda todas as profissões ligadas ao vestuário.

E depois de enfrentarmos tudo isso, e de enfrentarmos quatro anos de pindaíba na faculdade (que é caro pra caramba!), nós temos que lutar com unhas e dentes por uma oportunidade de brilhar no disputadíssimo mercado de moda brasileiro (não vou nem entrar nos méritos do mercado de moda internacional).

Anna Wintour

E cadê a nossa chance? Trabalhar em prédios sem janelas, em um emprego que paga o salário de um trainee para funcionários pós-graduados? Ou você também pode madrugar na estação lotada de trem, para chegar no “escritório” (mal tem mesa para a equipe toda trabalhar e você nunca fica no mesmo computador) e copiar aquela peça que seu chefe comprou na última viagem que faz para Miami. Podemos falar também daquele emprego maravilhoso em que você precisa ser “dinâmico”, o que na verdade significa fazer o trabalho de todos. Desenha, modela, corta, estampa, costura, embala e vende, tudo por três salários mínimos mais o vale transporte (vale refeição não precisa, tem refeitório).

Quem nunca?

Eu li no site da Dazed and Confused um artigo muito legal sobre a presença de Anna Wintour, a editora chefe da Vogue, no desfile de formatura da Central Saint Martins, onde ela aproveitou e deu uma série de conselhos para os jovens designers de moda. Como vocês bem sabem, Wintour faz sucesso em uma das maiores revistas de moda há 25 anos. Além disso, foi madrinha das carreiras de Alexander Wang, Rodarte e Proenza Schouler, alguma coisa de útil ela deve ter para nos dizer, certo?

Anna Wintour

Sobre começar uma marca

A única coisa que me preocupa um pouco sobre sair diretamente da faculdade para o próprio negócio é que muitos tendem a não ter sucesso… Eu pessoalmente aconselharia a pensar um pouco mais antes de começar um negócio próprio e considerar primeiramente a trabalhar para um designer ou empresa que você admira.

Vá arrumar um emprego

“Vá arrumar um emprego”, disse Wintour de forma certeira. “Que seja um emprego como um designer ou um emprego em um restaurante e daí vai fazendo o seu trabalho no seu tempo livre”. Ter um emprego é a realidade da vida para todos, no final vai acabar sendo algo que vai te ajudar de outras formas.

Diga não a passarela

“Por favor, me escute quando eu digo: uma apresentação interessante e criativa é tão eficiente quanto um desfile (sobre o trabalho de formatura). Eu vejo designers gastando fortunas em desfiles que eu simplesmente não acho que sejam necessários. Uma apresentação nos dá a chance de conhecer o designer, ao invés de sentar em uma sala escura, para esperar você começar sem termos tempo de dizer ‘olá’ antes de sermos apressados para o próximo desfile”. Considerando que estudantes de moda já tem muitas dívidas (se não for mensalidades ou FIES, com certeza será por causa dos próprios trabalhos de formatura), seria bacana se tivéssemos uma apresentação que valorizasse o trabalho do estudante, mas não criasse dívidas ainda maiores.

Anna Wintour

Sem timidez

Jovens designers precisam ser disponíveis, o máximo possível. “Nós começamos um fundo de investimento para moda em 2001, depois do 11/9, para apoiar jovens designers nos EUA e o que nós temos feito é que quando recebemos inscrições para esse fundo, pedimos que o candidato também envie um vídeo”. Wintour afirma que faz isso, pois é muito importante saber como os candidatos se apresentam. “No mundo de hoje é preciso que você saiba interagir. Você não pode ser uma pessoa tímida, sem a habilidade de olhar alguém nos olhos; você tem que saber se apresentar. Você tem que saber falar sobre sua visão, seu foco e naquilo que você acredita.”

Chega de SDV

Wintour pode ter sido a primeira a por uma hashtag em uma capa da Vogue (#worldsmosttalkedaboutcouple), mas ela é a primeira a dizer o que todos nós já sabemos: quantidade de seguidores em Twitter ou Instagram não são equações que apontam para o tamanho do seu sucesso. “É possível no mundo de hoje ser famoso instantaneamente, por Instagram ou qualquer outra plataforma, sucesso financeiro e em longo prazo é bem diferente disso”.

Sociedade

“Não é comum, e digo isso por experiência, que um designer também seja bom em entender fatos e ideias. É importante ter alguém com quem conversar e discutir sobre tudo. Eu não vi muitos designers terem sucesso sozinhos, sem um sócio nos negócios.” No final das contas as coisas funcionaram muito bem para Alexander Wang e seu irmão Denis, Marc Jacobs e Robert Duffy e Christopher Kane e sua irmã, Tammy.

Como eu já fiz um post falando sobre a minha experiência na faculdade, estive pensando em fazer um falando um pouco sobre minha experiência trabalhando com moda. O que vocês acham?

*O texto da Dazed and Confused

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

Como eu escolhi a moda

Há um tempo atrás eu fiz um post sobre o fato de precisarmos ou não saber desenhar para fazer uma faculdade de moda, por causa desse post percebi que são muitas as dúvidas que cercam as mentes dos nossos cabideiros na hora de decidir definitivamente que a moda será sua escolha pelos próximos 2 ou 4 anos.

Então vou contar minha história, achei que talvez falando um pouco sobre como eu escolhi a moda os paradigmas que assombram vocês se desfizessem e vocês percebessem que essa escolha é mais fácil de tomar do que vocês imaginam.

Quando eu saí do colégio disse para os meus pais que não ia fazer faculdade, eu não sentia que tinha estrutura ou grana para estudar qualquer coisa. Minha mãe podia ter surtado, mas ela é esperta e deixou que eu seguisse meu caminho e foi o que eu fiz.

Escola Panamericana de Arte e Design

No semestre seguinte a minha formatura do colégio fiz um curso de web design e consegui um estágio, eu tinha 17 anos. Eu gostava do que eu fazia, mas eu achava que era pouco para mim, minha sede por coisas novas e minha ambição financeira me empurravam em outra direção. Entrei naEscola Panamericana de Arte e Design, comecei o Básico de Arte e Design sem saber qual seria meu rumo no ano seguinte, até eu visitar a agência do meu primo, que terceirava jobs para o segmento publicitário. Eu não sei dizer se eu me identifiquei, mas eu tive certeza naquele momento de que se eu fosse ter uma carreira, seria uma como a do meu primo. No semestre seguinte estava na Universidade Metodista de São Paulo estudando Publicidade e Propaganda.

Metodista

Eu amei estudar lá, eu tinha sido muito fechada minha vida toda, eu continuo sendo muito fechada para falar a verdade, mas não na Metô. Lá eu tive as amizades e as paixões mais intensas, todo dia era dia de festa, eu era magra, jovem e popular, uma combinação bombástica. Não me leve a mal, eu gostava do curso, eu até era boa aluna, mas eu sempre soube que eu podia ser muito melhor, principalmente se tivesse menos cerveja e bagunça envolvidos na história. No final do segundo semestre comecei a procurar estágios, eu precisava de grana e precisava saber se estava no caminho profissional certo. Mas nada acontecia, eu comecei a me sentir acuada e comecei a analisar a minha relação com o curso, com a profissão e até com o estilo de vida que eu levava por causa da faculdade e com o coração apertado, na metade do quarto semestre, eu decidi trancar.

Naquele momento eu sentia que a minha escolha era puramente baseada no sucesso de outras pessoas e que eu precisava encontrar algo que eu amasse para estudar e construir uma carreira na qual minha dedicação viesse espontaneamente.

Fiquei 3 meses em casa, com todo o apoio da minha mãe para escolher com calma meu próximo passo. Eu tinha muito tempo livre e decidi reformar meu quarto, sozinha. Comprei peças de MDF, tinta e tudo mais que eu precisasse para fazer meus próprios móveis e reformar alguns que eu já tinha. Foi uma loucura, algumas coisas deram certo, outras nem tanto, mas eu amei pôr a mão na massa e foi por causa disso que decidi estudar design de interiores.

Dava tempo de eu prestar vestibular e entrar em uma faculdade no próximo semestre, mas antes disso fomos conversar com a gerente do banco, já que eu ainda tinha dívidas com a faculdade anterior. Lá ela me disse que eu deveria tentar o FIES, e que seria mais fácil eu conseguir o financiamento em uma faculdade pequena, como a Belas Artes (ela mencionou outras faculdades na época, mas eu não lembro quais, fiquei super feliz quando ela mencionou a B.A. já que eu sonhava em estudar lá desde que tinha estudado na Escola Panamericana). Para mim estudar lá era providencial, já que o carinha que eu namorava na época também estudava lá, com a facilidade do financiamento e com o fato de ser um lugar que eu sempre quis estudar nada mais me restava a não ser fazer a inscrição para o vestibular.

Belas Artes

E foi na hora de fazer a inscrição que tudo mudou. Quando você preenche a inscrição para qualquer vestibular você tem que dar uma segunda opção de curso, certo? Quando eu olhei para o formulário eu fiquei pensando: “Eu vou estudar em um lugar que eu nunca achei que poderia estudar, com facilidade para pagar, será que eu deveria fazer algo tão inusitado como Design de interiores ou, eu deveria atender a algo que já existe dentro de mim e estudar alguma coisa que eu sempre achei que também não daria para estudar, como Moda, por exemplo?”.

Veja, assim como estudar na Belas Artes sempre foi algo que eu achei que seria fora do meu alcance, por ser longe e por ser tão caro, eu achava que estudar moda seria inviável, pelos mesmo motivos.

Mas se eu ia ultrapassar essas barreiras, por que não aproveitar essa oportunidade para fazer algo que eu provavelmente quis fazer por mais tempo na minha vida do que qualquer outra coisa?

Fiz o vestibular, passei e comecei em agosto de 2005. Foi fácil? Não, a faculdade te desafia constantemente, durante todos os semestres até vocês se formar.

Meu FIES só saiu no final do segundo semestre, eu estava cheia de dívidas, o material das aulas no primeiro semestre não foram baratos e sempre tinha trabalho para entregar. Eu não vivia em festa, cerveja só aos finais de semana, meu relacionamento enfraqueceu com o convívio e eu não fiz muitas amizades.

No terceiro semestre já estava estagiando, mesmo com toda a correria, com as longas madrugadas, com os salários ruins, eu sempre amei o curso e sempre amei os meus trabalhos (mesmo os piores deles). Estudar moda foi uma experiência incrível na minha vida, se eu tivesse que fazer, com certeza faria tudo de novo! Se tivesse tempo e dinheiro faria mais uma faculdade relacionada ao segmento, isso faz parte dos meus planos e é um desejo que assim que puder vou realizar.

Fiz uma pós, também na Belas Artes, que não terminei pois não estava satisfeita com a grade, mas agora que ela foi reformulada está incrível e sempre me vejo querendo terminá-la, pois mesmo quando estava insatisfeita tive uma experiência super bacana com professores muito legais que agregaram, e continuam agregando, na profissional que sou hoje.

Se você ama moda e é isso que você pretende estudar, o conselho que tenho para te dar é ir em frente, o mercado sempre precisa de profissionais qualificados em todo o país e você com certeza encontrará seu espaço para brilhar.

Saiba quais são as principais faculdades de moda do estado de São Paulo.

Bem no comecinho do O Cabide nós entrevistamos a Gladys, estilista que participou do Fashion Mob, e nos falou sobre o começo de sua carreira na moda.

Se você é um jovem estilista e gostaria de divulgar os seus croquis, saiba que O Cabide tem um espaço reservado para vocês!

Nós temos um grupo dedicado os leitores do O Cabide especialmente para que vocês divulguem seus trabalhos, projetos e links.

*imagens: reprodução
Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

As melhores faculdades de moda do mundo

Há algum tempo atrás nós fizemos um post que listava as escolas e faculdades de moda do Estado de São Paulo, e esperamos que tenha sido útil! Mas existem milhares de escolas de moda pipocando e todo lugar do mundo e eu pensei em listar quais são as melhores e mais renomadas.

Vamos lá:

Central Saint Martins

Central St. Martins, Londres
http://www.arts.ac.uk/csm/
A faculdade oferece todo tipo de instalação possível e imaginável, tudo dentro da mensalidade que gira em torno de $19,000 para estudantes internacionais. De lá vieram grandes nomes da moda como John Galliano e Alexander McQueen.

Parsons

Parsons The New School of Design, Nova Iorque
http://www.newschool.edu/parsons/

Nova Iorque é uma das principais capitais da moda no mundo, portanto é mais do que esperado que uma das melhores escolas de moda do mundo esteja lá. Parsons é muito famosa por suas técnicas educacionais, elaboradas justamente para fazer com que seus alunos sejam bem sucedidos na indústria da moda, vocês devem se lembrar dela da séreie Project Runway. Por ser uma faculdade que investe em marketing, e também por sua locação, existe a chance de que seja a mensalidade mais cara dessa lista. Por outro lado a faculdade está sempre em busca de parcerias que possibilitem oportunidades para novos alunos.

Royal Academy of Arts

Royal Academy of Fine Arts, Antuérpia
http://www.royalacademy.org.uk/

Se o seu dom está no design esta é a escola para você. Muitos alunos afirmam que a escola é rígida e exigente, mas é notoriamente conhecida por ser o berço de grandes gênios das artes, Dries Van Noten e Haider Ackermann vieram de lá. Se você fizer uma busca no google images com os seguintes termos: Royal Academy of Fine Arts + Antwerp + Fashion, você só vai encontrar coisas incríveis e extremamente inovadoras. Quando eu estava na faculdade houve um boom de designers belgas e era comum que eles fossem tópico em sala de aula. Sonho em conhecer a Antuérpia desde então, e adoraria fazer um curso por lá.

London College of Fashion

London College of Fashion, Londres
http://www.arts.ac.uk/fashion/
Se você não foi admitido na Central St. Martins tente a sorte na London College of Fashion, que é igualmente boa e também tem a reputação de ser uma das melhores do mundo. Foi de lá que vieram Jimmy Choo, Patrick Cox e Alek Wek. Nessa escola você também pode estudar jornalismo de moda, curso que a maioria das outras escolas de moda não oferece. Além disso também pode-se estudar crítica de moda e curadoria.

Fashion Institute of Technology

Fashion Institute of Technology, Nova Iorque
http://www.fitnyc.edu/

É um lugar onde você pode estudar diferentes segmentos da moda, como marketing e têxtil. O Fashion Institute of Technology, também conhecido como FIT, é visto como um dos melhores nos EUA, a locação da faculdade é uma vantagem pois facilita o contato com varejistas e outros profissionais da moda, assim os alunos podem buscar experiências para colocar em prática o que aprendem em aula.

UpToDate Academy

UpToDate Academy, Milão
https://www.facebook.com/UptodateFashionAcademy (o site estava fora do ar, mas na info da página você encontrará muitas informações sobre a escola)

Milão é uma da principais capitais da moda na Europa e no mundo, portanto lá você encontrará muitas faculdades de moda. Mas essa faculdade tem um grande e ótimo diferencial, a lista de cursos oferecidos é bem grande, dando mais opções aos alunos.

Polimoda

Polimoda Fashion Marketing Institute, Florença
http://www.polimoda.com/en/

Essa é mais uma faculdade líder em produzir grandes designers, além dos cursos livres e da graduação lá você também pode fazer o seu mestrado.

Beckmans College of Design

Beckmans College of Design, Suécia
http://www.beckmans.se/about-beckmans/beckmans-the-innovative-college/

Fundada em 1939, essa faculdade está entre as mais antigas da Suécia. O interessante nessa faculdade de moda é que eles não se limitam a roupas femininas e masculinas, eles encorajam os alunos a criar designs que ampliem seus pontos de vista e aprimorem, no futuro, a moda do mundo todo.

NIFT

NIFT, Nova Délhi
http://www.nift.ac.in/

A Índia faz parte do mapa global da moda, por isso muitos alunos locais preferem permanecer por lá para estudar moda. Essa escola está definitivamente ganhando popularidade no mundo todo, e já existem muitos alunos que migram para a Índia para conseguir o seu diploma junto à uma nova perspectiva sobre a moda.

Espero que esse post seja igualmente útil, e que muitos cabideiros tenham sucesso em planejar seus estudos no exterior!

*Traduzido e adaptado

**imagens: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.