Felicidade é: ter para sempre 21

Sabe aquela cena de “(500) days with Summer” em que Tom, o personagem principal, transa com Summer (aquela linda da Zooey) e acorda todo feliz, saltitante e cantarolando?

Felicidade é: ter para sempre 21

É assim que me sinto quando saio dos Correios, que fica ali na Av. Duque de Caxias, no centro da cidade de São Paulo. Se eu fechar os olhos um pouquinho, quase consigo ver aqueles passarinhos azuis voando perto de mim. Mentira. Não posso. Primeiro porque isso seria ridículo, segundo porque morro de medo de aves.

Back to post office. É ali, naquela unidade dos Correios em que retiro as encomendas que faço na loja Forever 21.

Felicidade é: ter para sempre 21
O caso de amor é antigo. Há alguns anos, quando eu jamais imaginaria que teria condiçõe$$$ de brincar na Forever 21, eu já entrava na loja virtual e morria. Queria tudo. Ainda quero. Só que, como toda linda história de amor, nós não podemos consumar o ato (eu e a F21), porque eles não entregam no Brasil. Veja bem, eles entregam para o Peru, para a Colômbia e até para a Venezuela, mas não entregam no Brasil. É, a classe média sofre e sofre muito, mas como boa brasileira, eu insisti nesse amor e dei um jeitinho.
Querem saber como?
Aí vai: o segredo pra receber a Forever 21 no conforto dos Correios mais próximo da sua casa é o site Shipito.

Shipito
Funciona assim: você se cadastra e faz um depósito de $8,50. Assim, você receberá um endereço de brinks lá nos EUA (acredito que seja o armazém deles). Então, você faz suas compras em qualquer loja online – eles trabalham com algumas lojas físicas, também- e pede para entregar no seu endereço gringo. Quando a encomenda chegar lá, eles te avisam e você faz o depósito no valor do frete que os Correios de lá cobram para entregar no Brasil. E pronto! Daí é só alegria. Aquele friozinho na barriga, borboletas no estômago, ansiedade pura e…..Calma! Agora surge aquela ex-namorada chata que faz de tudo pra atrapalhar sua felicidade: a alfândega. Serei sincera com vocês: não sei como se brinca com ela. Na minha primeira compra, nossos amiguinhos me assaltaram e embolsaram mais de R$200 em uma compra que ficou em menos de $130. Mas, agora, nesta terceira vez, me cobraram apenas R$36. Vai entender.
O importante é: você realmente está apaixonada? Então, minha amiga, prepara a carteira e cai pro abraço! Forever 21 é muito amor e quando você abre a caixa e vê várias peças lymdas que não se encontram por aqui, faz todo esse trabalho e estresse com a alfândega valer a pena. 😉

*Sobre a autora: A Bruna Campos é uma amiga querida com quem tenho compartilhado ideias há algum tempo lá pelas bandas do Facebook. Sabendo que dividíamos opiniões e gostos, decidi cutucar a alma blogueira dessa gata para uma colaboração aqui no O Cabide. E eu amei o resultado e espero que a colaboração se repita! ?

Tanlup do dia – Parte 2

Mais uma vez me enfiei em links em busca de uma lojinha bacana no Tanlup, e achei!

Aliás essa é uma das lojinhas mais legais que achei no Tanlup.

A Urban Vintagers foi a escolhida da vez, a loja trabalha com um conceito de vintage urbano, se propondo a fazer uma curadoria de estilo, vendendo roupas e acessórios usados, garimpados ao redor do mundo todo, customizados ou restaurados.

Urban Vintagers

É aquela coisa, têm peças incríveis, peças da moda e peças tão deliciosamente kitsch que não há como resistir!

Urban Vintagers

Com certeza são itens para um guarda roupa de looks únicos, para quem gosta não só de exclusividade, mas também de personalidade.

E por essas e outras coisas eu entendi esse lance de curadoria de estilo que eles propõem. Olhando as peças, estampas e acessórios você vê que tudo foi escolhido com atenção e cuidado por alguém com um olho clínico para misturar tendências de vários períodos e fazer tudo funcionar, mesmo coisas que podem parecer mais exageradas.

Também vale a pena conferir os acessórios que são incríveis!

Urban Vintagers

Conheça mais produtos da Urban Vintagers: loja.urbanvintagers.com

Você também tem Tanlup?

Me segue lá!

*imagens: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.