BEDA #20 – Linha do tempo: Nicolismos since 1985

Eu sempre ouvi meus pais dizerem que eu fui fruto de uma gestação planejada em todos os detalhes, a última tentativa para que meu pai realizasse o sonho de ter uma menina.

Ultrassom | 23/07/1985

Mesmo assim minha mãe passou nove meses tendo a certeza de que eu era um menino e escolheu para mim o nome Nicolas. Ela soube que na verdade estava grávida de uma menina quando entrou na sala de parto, que a parteira tinha enfeitado de cor de rosa e escolhido a música F comme femme, de Salvatore Adamo, para tocar.

No dia da estreia! | 20/08/1985

Já cheguei ao mundo virando a vida de todos ao avesso, eu era delicada, mas era bruta. Era introvertida, mas o centros das atenções.

Quem gostou bate palma, quem não gostou, paciência! | 1986

Existe uma forma muito fácil de descrever o relacionamento que tenho com meus avós maternos: eu tenho 33 anos e uma vez por mês eles me mandam um pacote de bisnaguinhas e/ou dinheiro para comprar chocolate.

Menininha da vovó | 1986

2018 foi um ano que me fez entender ainda mais que a vida é algo que nunca temos sob controle. Ainda não consigo acreditar que você não está mais aqui. Te amo para sempre, Mari.

Prima/Irmã – 1989

Eu sempre falo da minha relação com a moda e isso se dá porque de certa forma ela sempre existiu. Eu sempre escolhi minhas roupas e fazia questão de estar presente em todas as compras. Eu não vestia nada que não tivesse escolhido.

Um amor chamado roupa nova | 1989
Bem Barbiezinha | 1991

E foi a moda que me fez querer conhecer outros mundos. Experimentei todos os estilos possíveis, mas a fase mais marcante foi a fase clubber. E eu acho que é com ela que  eu mais me identifico até hoje. Eu amava mudar a cor do cabelo, fazer piercings espontaneamente e dançar noites e dias inteiros em festas abarrotadas no meio do nada.

Comemorando o aniversário de 16 anos dançando durante um set do Rica Amaral, em Piracicaba. | 2001

Não fui a pessoa mais sociável durante o colégio, porém tive a sorte de viver essa fase rodeada por pessoas maravilhosas e mesmo que meu mundo  estivesse prestes a desabar, me diverti muito nessa época.

Novinha saliente | 2002

Depois do colégio a depressão passou a fazer parte do meu cotidiano, me afastei dos amigos, saí do estágio e fiquei bastante tempo perdida.

Toda trabalhada no barroco: exagerada, dramática e cheia de contrastes emocionais | 2003

Eu descobri a publicidade justamente quando fazia meu primeiro estágio e depois tive a oportunidade de acompanhar de perto o trabalho de um primo que tinha sua própria  agência. Decidi sair dessa fase de escuridão prestando vestibular para publicidade e propaganda na Universidade Metodista de São Paulo. Eu teria pela frente dois anos de muita luz (Eu disse luz? Na verdade foi muita pinga!).

Me descobrindo | 2003
Garota do Fotolog | 2004
Dias e noites regados a chapador (só os fortes entenderão)| 2004

Depois dessa fase de loucura e autodescoberta, decidi investir em algo que eu achei que sempre estaria fora do meu alcance: estudar moda. Se eu tivesse que escolher, escolheria a moda de novo. Eu amei minha faculdade, mesmo que tenha vivido essa fase em paralelo com varias relações tóxicas.

Até hoje não lembro porque descolori o cabelo nessa época | 2006
Varios tratamentos que não davam certo e varias amizades que eu deveria ter dispensado | 2009

O fim da faculdade foi um grande recomeço para mim. Eu estava solteira, conhecendo pessoas novas e curtindo mais a vida. Eu tive muitas crises de depressão durante a faculdade e consegui ficar bem por varios meses depois que me formei, quando fiquei ruim de novo conheci o médico que me daria o diagnóstico do Transtorno Bipolar e me daria esperanças de que essa era uma batalha que eu podia vencer.

Na exposição do meu tcc com a minha diva | 2009
Me preparando para a formatura | 2009

Eu teria muitos empregos diferentes nos anos seguintes, uns muito bons, outros muito ruins, e essa também foi a época em que O Cabide nasceu.

Com Costanza Pascolato no Fashion Mob | 2010
Avaliadora na banca de conclusão do curso Design de Moda – Belas Artes | 2010
Em entrevista para o programa Estilo de vida com Bebel Ferreira – Mulheres reais – a moda plus size | 18/04/2011
Evento da Shoestock | 2012

Passei os anos seguintes freelando, trabalhei um tempo para uma assessoria de imprensa, mas precisei me afastar para cuidar da saúde, nessa época eu iniciaria o tratamento que faço até hoje e foi a fase em que eu mais vi a minha vida mudar.

A molécula da serotonina | 2012
E agora, José? | 2014

Entre 2014 e 2015 vivi mais uma vez um recomeço, estava me preparando para iniciar uma nova jornada, começar tudo de novo em outro país e tudo o que fiz durante esses meses foi com foco nisso. Mas eu estava prestes a viver algo que jamais imaginei antes.

A fase de redescoberta trouxe amor pelo meu corpo, aceitação com a minha condição e uma vontade imensa de testar meus limites | 2015
Careca e com a Chanelzinha, a foto que foi para no Buzzfeed | 2015

No dia 11 de novembro saí para fazer uma entrega do meu brechó, geralmente era meu pai quem fazia isso, estávamos trabalhando juntos nessa época. Mas aquele dia estava insuportavelmente quente e meu pediu que eu fosse em seu lugar pois não estava se sentindo bem. Quarenta minutos depois,  cheguei em casa e encontrei meu pai sem vida em seu quarto.

Pôpai | a foto dele é de 1985 a minha é de 2014

Depois da morte do meu pai decidi ficar no Brasil ao lado da minha mãe e viver mais esse recomeço aqui. Fiquei desempregada por bastante tempo e minha situação financeira ficou bem complicada. Mas em 2016 comecei um trabalho que mudaria tudo e me traria para a fase que estou vivendo hoje.

Estudando moda mais uma vez, agora na ETEC | 2016
Eu e a Flávia Durante no primeiro Pop Plus em que estive a trabalho | dez/2016
Primeiro editorial com a Thaysa Wandeur | 2017

Depois de superar um momento tão difícil e de ver o meu trabalho crescer tanto e ser tão valorizado, passei a ter um orgulho de mim que nunca tive antes. E isso me permitiu ser cada vez mais quem eu sou, sem precisar de recomeços.

Um mulherão desses, bicho! | 2017
Pretty in pink | 2018
Neon lights | 2018

Estou na melhor fase da minha vida e mesmo em um ano horrível como esse, nunca me esqueço disso.

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

BEDA #16 – Galeria: Um amor chamado moletom

Quando as mulheres começaram a quebrar padrões relacionados aos seus corpos, acabaram vendo uma possibilidade que nunca tinham visto antes: elas não querem ser escravas de nenhum outro padrão.

Estamos questionando o uso do anticoncepcional, estamos descobrindo como lidar com nossa menstruação de formas diferentes e estamos brigando com o Senado pelo direito de escolha quanto à maternidade.

Também estamos exigindo equidade no ambiente de trabalho, cobrando a presença feminina nos palcos de eventos e na gestão das empresas.

A feminilidade compulsória está sendo derrubada, nossa sexualidade está mais fluída e estamos dispostas a sermos as principais responsáveis pelo nosso prazer.

Juntas estamos moldando um novo mundo onde nosso espaço seja garantido. E com tantas mudanças é claro que a nossa relação com a moda também ganharia um novo olhar. Já estamos calando a boca de quem critica comprimento de blusas e saias, e quanto mais reclamam, mais justas nossas roupas ficam. Mas a verdade é que essa é uma mudança mais profunda, que tem a ver com a nossa relação com as roupas e tudo o que esperamos que elas cumpram dentro dessa nova rotina. Não à toa a palavra conforto vem aparecendo no topo das pesquisas de consumo nos últimos anos.

Não dá mais para usar roupas desconfortáveis para atender as expectativas de uma sociedade que insiste em códigos de conduta ultrapassados. Nossa liberdade também vai nos trazer comodidade!

Criei uma galeria com fotos de mulheres que optaram pelo conforto do moletom e não sacrificaram de forma alguma suas identidades ou estilo pessoal. Dá uma olhada:

(Clique nas imagens para ver os créditos ou para navegar na galeria)

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

Brasileiras plus size para seguir no Instagram

Eu sinto que algumas pessoas me julgam por ter tantas referências internacionais, seja lá para o que for, mas principalmente em blogs e redes sociais.

Bom, eu não vou me desculpar por isso. Fiquei meses pesquisando até ter referências que me ajudassem a compor um estilo que me agradasse depois de ter ganhado peso. Inclusive, fiz um post só com essas blogueiras maravilhosas que me inspiram todos os dias a vestir o que eu quero, como eu quero e o que é mais importante, de forma que mostre quem eu sou e minha personalidade.

Mas isso não não significa que eu não valorize as brasileiras, nós temos meninas incríveis enchendo a internet de representatividade e fazendo o mercado de moda nacional enxergar o nosso real potencial de consumo.

A internet precisa parar de agir como se as mulheres estivessem sempre se desvalorizando ou umas contras as outras. Todas mulheres na lista abaixo me enchem de orgulho todos os dias, lutam pela minha liberdade (assim como eu luto pela liberdade delas) e eu as apoio 100%!

Overlicious

Débora Fomin é a responsável por esse blog que é bastante engajado, mas também é cheio de estilo! Merece visitas diárias, com toda certeza. ?

debora-fomin-instagram-plus-size-ocabide

Em seu Instagram ela posta fotos cheias de charme (ela tem um estilo mais rock’n’roll, que eu adoro), além de dicas de compras.

SIGA!

 

A grande diferença

Esse blog é da Steph Ciciliatti, uma gata toda tatuada, cheia de atitude, que transborda estilo, já teve batom lançado pela T.Blogs e ao que tudo indica ama tanto maquiagem quanto eu! devíamos ser bffs!

steph-ciciliatti-plus-plus-size-ocabide

O estilo dela é ousado e bem urbano, cheio de referências bem atuais de streetstyle para nos inspirar!

SIGA!

 

Keka Demétrio

Ela é colunista do site Tempo de mulher a Ana Paula Padrão no portal MSN e vive espalhando mensagens de autoestima e amor p´roprio pela internet, excelentes para animar aqueles dias em que estamos brigadas com o espelho.


SIGA!

 

Gisella Francisca

Além de estilosa, Gisella é um doce com suas leitoras e seguidoras! Foi umas primeiras meninas plus size que inspirou o meu estilo como ele é hoje. Logo, tenho um carinho especial por tudo que ela posta.

gisella-francisca-plus-size-ocabide

As fotos dela são cheias de inspiração de como usar e misturar estampas e cores vibrantes!

SIGA!

 

Ainda tem várias outras gatas que cabem nessa lista, mas vou dividir esse post em várias partes para vocês poderem ver e explorar cada perfil com calma, pode ser?

 

*imagens: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.