Miami Carioca

No próximo sábado (20), acontece a Mercedes-Benz Fashion Week Swim em Miami, e irá receber um evento brasileiro. A ABEST (Associação Brasileira de Estilistas) e o Texbrasil (Programa de Exportação da Indústria da Moda Brasileira), da Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção), com o apoio da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), realizaram o coquetel de lançamento internacional do livro “Um mergulho no Rio, 100 anos de moda e comportamento na praia carioca”, da jornalista Marcia Disitzer.

Um mergulho no Rio, 100 anos de moda e comportamento na praia carioca

O livro faz panorama da história da moda praia no Rio de Janeiro no último século, com foco também nas mudanças sociais.  Com  textos e fotos dos principais momentos dessa evolução, e com contribuições de escritores como Ruy Castro, Flávia Quaresma, Verena Andreatta, Maria Pace, Fernanda Lo Bianco, Maurício Lissovsky, entre outros.

Na ocasião, 30 marcas brasileiras estarão em Miami para participação na feira Miami Swim Show & Lingerie Show: 2 Rios, Adriana Degreas, Água de Coco by Liana Thomaz, Amir Slama, ANK Swimwear, Brigitte, Cecilia Prado Mare, Cia Maritma, Clube Bossa, Dalai Beachwear, Desiree Nercessian, Despi, Ellis Beach Wear, Feriado Nacional, Guria Beachwear, Jo De Mer, Kiminis, Larissa Minatto, Lemons & Limes Kids, Lenny Niemeyer, Limonada, Lisa Riedt, Lóer, Movimento, Poko Pano, Salinas, Sauipe Swimwear, Sinesia Karol, Triya e Vix Swimwear.

“A moda praia brasileira tem grande força no cenário internacional e os Estados Unidos são o principal mercado consumidor de nossos maiôs e biquínis. Ações como essa em Miami fortalecem e promovem o design e o beachwear brasileiro”, declara Valdemar Iodice, presidente da ABEST.

*imagem: divulgação

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

Solar

Biquíni Solar

O biquíni solar foi criado pelo designer Andrew Schneider. A inovação é capaz de carregar o telefone celular ou MP3 player.

O beachwear high-tech possui painéis fotovoltaicos costurados por um fio condutor entrelaçado com conectores USB.

Cada biquíni é feito à mão e o processo leva cerca de 80 horas, o preço médio é $200.

Isso sim é que é praticidade!

*imagem: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

Uma celebração ao plus size

Sábado eu tive o prazer de conhecer o Fashion Weekend Plus Size e fiquei muito feliz!

O evento é bem organizado, as marcas são empenhadas, e acima de tudo, esse evento é uma pequena janela para a relevância da moda plus size no mercado.

Eu digo pequena janela, pois acredito que as oportunidades para apresentar o segmento devem ser maiores, e que o evento merece mais prestígio.

Teve moda mais ligada nas tendências, teve beachwear, lingerie, vestidos longos para festas e looks mais casuais.

Nada conceitual, as coleções são todas comerciais, e assim como no Fashion Week, muitas das pessoas na plateia são compradores e jornalistas, além de convidados e visitantes.

Algumas peças se destacam pela ousadia, por apresentar-se de forma contrária ao que vemos insistentemente estampado nas revistas de moda. Lá não existe muito isso de isso pode ou aquilo não pode. No Fashion Weekend Plus Size tudo pode!

Uma outra coisa que ganhou meu coração foi o sorriso das modelos. Esse não é um evento para carões blasé, as modelos sorriem e fazem graça, nada é levado tão a sério. A moda realmente não deveria ser levada tão a sério o tempo todo, principalmente em suas celebrações.

Não vou entrar nos méritos de crítica de moda, e não vou me aprofundar nos detalhes de cada coleção, essa foi a minha primeira vez no evento, prefiro falar sobre a experiência como um todo.

Desabafo:

A oportunidade de ir ao Fashion Weekend Plus Size coincidiu com um momento de grande mudança na minha vida. Um dia antes do evento eu me pesei e vi, sob efeitos colaterais de um tratamento que faço, engordei 8 quilos em 3 semanas.

Estava decepcionada comigo mesma, me culpando como se tivesse feito algo errado. Como se engordar fosse algo totalmente controlável na vida de todas as pessoas, e eu me sentia fracassada.

Olha, que louca? Eu tava jurando que a culpa era única e exclusivamente minha por ter engordado, mas eu não tinha controle sobre isso. As vezes a gente não tem controle sobre o próprio corpo, e eu não estava levando isso em consideração.

Mas ali, vendo aquelas mulheres lindas, completamente a vontade com seus corpos, sorrindo e fazendo charme na passarela, justamente na passarela, o templo onde meu trabalho se baseia, eu tive que reavaliar minha postura.

Não era magrinha antes desses 8 quilos, sou curvelínea e gosto do meu corpo mais voluptuoso mesmo. Defendo as curvas, acredito de verdade que elas são mais bonitas e que a moda menospreza o tipo mais bonito de corpo.

O tratamento ainda não acabou, talvez eu engorde mais, não sei! Por isso, não posso deixar essa mudança me abater, não posso deixar de me achar bonita.

Minha saúde, física e mental, depende da minha capacidade de sorrir e fazer charme, com ou sem esses 8 quilos.

Assim como aquelas divas!

*imagens: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.