Wishlist Pop Plus

Acontece neste final de semana (10 e 11/06), em São Paulo, a 17ª edição do Pop Plus, que atualmente é um dos maiores eventos de varejo do segmento plus size no país. Eu já falei sobre o evento algumas vezes aqui no blog, inclusive temos uma entrevista com Flávia Durante, criadora e organizadora Pop Plus.

Se você for xeretar as avaliações na página do evento, vai encontrar um ótimo resumo sobre o que o Pop Plus representa para mim:

Eu já estive no Pop Plus em várias posições, como curiosa, como consumidora, como blogueira e nessa edição estarei lá a trabalho pela 3ª vez. Essa experiência mudou totalmente minha percepção sobre o mercado de moda plus size. Lá conheci de perto os esforços desmedidos de mulheres empreendedoras que enfrentam todo tipo de desafio (como se já não bastasse os que o segmento já impõe) para seguir em frente com seus sonhos, e que mesmo assim estão sempre abertas para se ajudar e crescer juntas, ressignificando por completo o sentido da palavra “concorrência”.

Estou ansiosa para passar mais um final de semana rodeada por essa pessoas incríveis que eu admiro tanto!

E para conter essa ansiedade, fiz uma Wishlist das peças que eu gostaria de trazer para casa nessa edição. Nossa senhora do “é débito ou é crédito?” nos proteja!

Estou apaixonada por esse sutiã da GG.rie desde o lançamento da coleção Dream on, e já imaginei mil looks babadeiros com essa peça. Sou fã declarada da marca (e sua criadora), desde que comprei o meu strappy no ano passado.

Eu ainda não tive sorte com calça jeans desde que engordei. mas se existe algo que é senso comum no meio plus size, é que as calças da Clamarroca tem o melhor caimento e muita qualidade. E a Mari, criadora da marca, é uma das minhas maiores inspirações como profissional! ♥

O crush é a planta e eu sou o Raça Negra 💜 . . . Novidades on line, mores!: www.ohquerida.com.br #racanegra #ohquerida

A post shared by Plus size com amor 💜 (@ohhhquerida) on

Eu sinto que vou perder a linha no stand da Oh, querida!, a começar por essa camiseta.

Na última edição o stand da Zuya foi o único que eu entrei e senti que se eu pudesse eu realmente compraria todas as peças. E eu tô apaixonada por esse look! ♥

Maravilha de Mulher ❤️ Criada por @flavia.abicatori e feita à mão por mulheres brasileiras em atelier, couro vegano ecológico. Essa Abicatori já está disponível para venda! Acesse abicatori.com ou link na bio, para saber tudo sobre essa belezura 💋😍🌈#abicatori •••••••••••••••••••••••••••••••••••••••• Created by @ flavia.abicatori and handmade by Brazilian women in atelier, ecological vegan leather.  This Abicatori is now available for sale! Access abicatori.com or link in the bio, to know all about this beauty 💋😍🌈 #wonderwomancosplay #mulhermaravilha #mulhermaravilhafashionfitness #wonderwoman #wonderwomanfilm #wonderwoman2017 #wonderwomanwednesday #wonderwomanmovie #cosplay #cosplaygirl #cosplayers #cosplaying #cosplayer #cosplaybrasil #cosplaybr

A post shared by ABICATORI ® (@abicatori) on

Essa vai ser a primeira participação da marca Abicatori no Pop Plus e eu tenho certeza de que suas bolsas com formatos divertidos vão fazer sucesso!

E por último, mas não menos apaixonante essa jaqueta maravilhosa da Ackon!

 

Estarei lá nos dois dias e quero encontrar vocês! Então se me ver, pode me parar, me abraçar, me adicionar e me ajudar a escolher o que comprar no meio de tanta coisa linda. ♥

popplus.com.br
10 de junho às 11:00 a 11 de junho às 20:00
Club Homs
Avenida Paulista 735, 01311-100, São Paulo
Confirme presença!
*imagens: reprodução

Resumo da semana (passada)

Essa semana foi super corrida e quase não tive tempo para dedicar ao blog. Mas eu já tinha separado esses links incríveis para o Resumo dessa semana e não queria desperdiçá-los, principalmente porque o último Resumo ficou tão legal e vocês curtiram tanto!

Então aqui estão os melhores links dessa semana:

Nunca escondi que fui uma das pessoas que amou o livro #GirlBoss e que encontrou muito inspiração na jornada de Sophia Amoruso, ainda que ela fosse problemática. Mas depois que a série, baseada no livro, estreou na Netflix, vários questionamentos sobre o posicionamento de empreendedoras que se dizem feministas surgiram na internet, e com razão. Esse post do Buzzfeed resumiu um pouco do comportamento problemático de 3 CEOS que não colocam em prática o empoderamento feminino que pregam: http://bzfd.it/2rzsxjy

A Rede TVT postou em seu canal no Youtube uma entrevista com Suzane Jardim, organizadora da campanha “30 dias por Rafael Braga”. O tema é importantíssimo, mas escolhi esse link para falar da própria Rede TVT, e como mulheres negras tem destaque em sua programação, apresentando seus próprios programas e pautas. É uma canal que definitivamente vale a pena assistir.

tvt.org.br || Canal 8 – sinal digital HD aberto || Canal 12 NET-ABC || Canal 46 UHF || 13 NET-Mogi ||

Os fãs de Mallu Magalhães ficaram animadíssimos com o lançamento do clipe da música “Você não presta”, até analisá-lo cuidadosamente e perceber que ainda que sutil, havia racismo no vídeo, e a internet fez barulho! http://bit.ly/2qOc3m8

A fotógrafa Katarzyna Majak é a responsável por ” Wonder Woman”, uma série de fotos incríveis com as bruxas contemporâneas da Polônia. São retratos de feiticeiras, curandeiras, sacerdotisas e bruxas polonesas: http://bit.ly/2rzWz6K

“Essas mulheres praticam o empoderamento feminino de forma literal, o que faz seus poderes não se limitarem apenas a espiritualidade.”

*foto da denúncia feita em 2011

A Zara descumpriu cláusulas de um acordo de responsabilidade jurídica feito com o Ministério Público do Trabalho após constatação de trabalho análogo ao de escravo ou trabalho infantil em sua cadeia produtiva, e teve que pagar multa e firmar um Termo de Ajuste de Conduta. Ou seja, se você achava que o escândalo que essas denúncias causaram, fez com que a Zara parasse de usar trabalho escravo, estava muito enganada: http://bit.ly/2qG5Tsi

A Fatiado Discos interrompeu o show do cantor Wander Wildner após comentário machista feito pelo cantor. Que mais estabelecimentos tenham atitudes como essa! http://bit.ly/2qG5Tsi

A música Paradinha, hit em espanhol da cantora Anitta, estreou e o vídeo clipe chamou atenção por ter uma mulher gorda entre as bailarinas. Trata-se da porto-riquenha Letícia Camacho, do grupo nova-iorquino Pretty Big, e ela arrasou! https://glo.bo/2qK09sJ

O Cirque du Soleil criou um espetáculo inspirado por Shakespeare e feminismo, trazendo mais mulheres para o elenco, que no geral é predominantemente masculino. O espetáculo estreia em breve aqui no Brasil: http://bit.ly/2s7EhfK

Daniel Tarciso da Silva Cardoso foi acusado e é réu em um processo por ter cometido estupro e mesmo assim obteve registro como médico em Pernambuco: http://bit.ly/2stZwpw

Não esqueçam de visitar o Instagram d’O Cabide, mesmo quando a frequência de posts aqui no blog está mais baixa, lá temos conteúdo novo diariamente. assim como nos Resumos da Semana, lá faço uma curadoria de conteúdo especial e totalmente voltada para aceitação e autoestima que, modéstia à parte, vale muito a pena acompanhar:

Espero que a próxima semana seja incrível para todos nós! (E se não for, vamos nos apegar ao fato de que a temporada de festas juninas está oficialmente aberta ♥)

*imagens: reprodução

Resumo da semana

Há um tempo atrás eu fazia semanalmente aqui no blog os “Resumos da semana”, onde juntava uma série de links relevantes daquela semana sobre a indústria da moda e da cultura pop.

Eu adorava fazer esses posts e gostaria de voltar a fazê-los, mas gostaria que eles tivessem mais a ver com o novo momento do blog, bem como com o novo momento em que me encontro na minha jornada.

Então os Resumos voltarão, mas agora trarão links relevantes para o meu universo como mulher, gorda e feminista.

Esses foram os links que considerei importante compartilhar com vocês essa semana:

A Marcella do Maggníficas, uma das escritoras que me inspirou a me reinventar e rever o conteúdo que produzo aqui para vocês, fez um post incrível (e com um humor delicioso) em seu blog sobre formas para deixar a gordofobia de lado nesse Outono/Inverno: http://bit.ly/2qoiUCF

O Buzzfeed publicou em seu canal no YouTube um vídeo onde uma vítima de tráfico sexual conta sua história. Dados recentes da UNICEF apontam que mais de 250 mil crianças e adolescentes vítimas de exploração sexual no Brasil. A Organização das Nações Unidas calcula que o tráfico de seres humanos para exploração sexual movimenta cerca de 9 bilhões de dólares no mundo, e só perde em rentabilidade para o mercado ilegal de drogas e armas. E se você acha que isso é algo que está distante de você, confira esse caso que rolou no mês passado em Santos.

Dani Mathers, a modelo da Playboy com mais de 500 mil seguidores no Instagram, que publicou sem consentimento a foto de um senhora nua na academia foi condenada. A invasão de privacidade gerou uma pena de 30 dias de trabalho de remoção de grafites: https://glo.bo/2rYvkS3

Body shamers não passarão!

E esse moço que saiu contando para todo mundo que esteve em um motel e teve relações sexuais com uma mulher e era tudo mentira? Foi condenado também e teve que se retratar publicamente: https://glo.bo/2r78wCG

Machistas também não passarão!

Não adianta problematizar e não oferecer solução. para o mundo mudar, nós temos que viabilizar a mudança. Link para o post da minha amiga querida, Carol Patrocinio: http://bit.ly/2s5quCC

Não deixe de ler o post passado que é uma playlist linda com músicas sobre autoestima: http://ocabide.com/?p=4731

Tem um link bacana que merece estar no Resumo da semana que vem? Me envie: ocabideblog@gmail.com

Bom final de semana, lindezas!

*Imagens: reprodução

Playlist da autoestima

Dia desses estava ouvindo uma playlist de mulheres negras do começo dos anos 2000, quando começou a tocar Unpretty do grupo TLC (se você não conhece, vale a pena pesquisar!). Esse hino, lançado em 1999, fala sobre amor próprio e auto-valorização, fazendo uma reflexão sobre como as mulheres se sujeitam a transformações para atender padrões irrealistas de beleza.

Fiquei me perguntando quais outras músicas, tão maravilhosas e importantes como essa, existem atualmente e decidi colocá-las em uma playlist (que é algo que eu adoro fazer!).

São 7 músicas para ouvir e compartilhar com as amigas em dias difíceis, quando estamos cansadas de tanta pressão e tudo o que precisamos é força e compreensão para resistir.

1 – A música que deu origem para essa lista:

Ao ouvir a letra dessa música pela primeira vez você pode ter a impressão de que ela está falando com alguém, talvez um parceiro abusivo. Mas eu acredito que a verdadeira antagonista dessa música seja a própria narradora. E eu acho isso muito real, nós nos cobramos tanto, exigimos tanto de nós mesmas, sempre com a premissa de que é assim que atingiremos o sucesso com nossos corpos e almas.

“I’ve tried different ways but it’s all the same
At the end of the day I have myself to blame”

 

2 – Mary Lambert – Body Love (Part 1 & 2)

Essa música se divide em duas partes e eu entendo perfeitamente o porquê. São tantas coisas para tirar do peito, para desabafar sobre como é sobreviver sendo mulher em um mundo que é tão inóspito para nós.

Depressão, rejeição, transtornos alimentares, álcool e drogas são só alguns dos efeitos que a pressão dos padrões estéticos trouxe para nossas vidas.

Essa música foi feita para revidarmos e resistirmos!

“But the time has come for us to reclaim our bodies
Our bodies deserve more than to be war-torn and collateral”

3 – Beyoncé – Pretty Hurts

Tem como fazer uma playlist com esse tema e não mencionar Beyoncé?

Pois bem, a música Pretty Hurts fala sobre almejar a perfeição e o impacto que isso tem sobre nossas vidas. Passamos tanto tempo focadas em nossas aparências que o custo disso para nossas mentes é altíssimo.

“We shine the light on whatever’s worse
Tryna fix something
But you can’t fix what you can’t see
It’s the soul that needs the surgery”

4 – Banda Calypso – Autoestima

É isso mesmo! Tem Banda Calypso nessa playlist. Pode me julgar, eu não ligo.

Quando estava pesquisando músicas para essa lista caí num link com a letra dessa música e acabei gostando da sensibilidade com a qual o tema é abordado, dá uma olhada:

” Tem dias que a gente se sente
Como se nada mais valesse a pena
Tudo se torna insignificante
A vida fica tão pequena

Andei por tanto tempo assim
Tão deprimida, destruida por dentro
Quase que eu pego um caminho sem volta
Graças a Deus eu acordei em tempo”

5 – Mc Carol e Karol Conká – 100% feminista

Para jamais abaixarmos a cabeça.

J-A-M-A-I-S

“Mais respeito
Sou mulher destemida, minha marra vem do gueto
Se tavam querendo peso, então toma esse dueto
Desde pequenas aprendemos que silêncio não soluciona
Que a revolta vem à tona, pois a justiça não funciona
Me ensinaram que éramos insuficientes
Discordei, pra ser ouvida, o grito tem que ser potente”

 

6- India Arie – I’m not my hair

Essa música fala sobre a relação de uma mulher negra com seus cabelos. Toda a fase de negação, até a libertação.

A letra é linda e TÃO importante!

“Good hair means curls and waves
Bad hair means you look like a slave
At the turn of the century
Its time for us to redefine who we be
You can shave it off
Like a South African beauty
Or get in on lock
Like Bob Marley
You can rock it straight
Like Oprah Winfrey
If its not what’s on your head
Its what’s underneath and say HEY…”

7 – Bate a Poeira – Karol Conka

Nessa música Carol Konka (rainha!) fala sobre o peso dos rótulos, o impacto do preconceito e a importância de sermos nós mesmos.

“Há tanta gente infeliz com vergonha da beleza natural
É só mais um aprendiz que se esconde atrás de uma vida virtual
Gorda, preta, loira o que tiver que ser
Magra,santa, doida, somos a força e o poder
Basta chegar bora levanta a cabeça e vê
Vem cá, viva, sinta o que quiser você pode ser”

E aí?

Qual música você acha que faltou nessa playlist?

 

*imagem e vídeos: reprodução

Consultoria da magreza

Hoje vi vários posts nas redes sociais sobre um curso de consultoria de imagem plus size que estava causando polêmica.

O motivo?

O foco do curso é treinar consultores de imagem para disfarçar, emagrecer e criar ilusões de ótica que transformem o corpo gordo.

Image result for panamericana plus size

Eu não vejo problema algum em usar a moda para criar outras silhuetas, mas um curso voltado para esse público não pode ter somente esse objetivo.

Ou seja, eles querem ganhar dinheiro com o plus size (o curso dura 24h e custa R$1000), mas não vão fazer o menor esforço para compreender o público que ele atende?

 

Vou deixar aqui as minhas sugestões para a Panamericana (escola paulista responsável por tal curso):

Que tal fazer um curso de consultoria de imagem plus size que ensine pessoas gordas a amarem e vestirem os corpos que têm, sem disfarçá-lo?

Que tal usar temas como empoderamento, aceitação e representatividade, como apoio para autoestima de quem contrata um consultor de moda?

Que tal chamar alguém com vivência nesse meio para dar essa aula?

Que tal não fazer um curso para propagar padrões estéticos que nos aprisionam?

Que tal parar de enxergar o corpo gordo como algo que precisa ser transformado?

Que tal identificar as necessidades de um mercado antes de criar um curso sobre ele?

Que tal entender que “plus size” é um termo mercadológico e que não dever ser usado para designar mulheres, ou homens, de qualquer tamanho?

 

Melhorem.

*imagens: reprodução