Como escolher a base ideal?

Uma hora ou outra a gente se depara com alguém de pele invejável, não importa se é alguém do seu dia-a-dia ou alguém da TV. E sempre fica aquela sensação de que a genética é mais justa com uns do que com os outros.

Com o tempo eu aprendi que a genética ajuda, mas não é absoluta, e que muitas das peles que eu já invejei eram frutos de bons produtos, bem escolhidos e aplicados de forma correta.

Eu acho que a questão principal hoje em dia, com o boom do mercado de cosméticos, é de fato, saber escolher os produtos que trarão melhores resultados para nossos tipos de pele.

E a base é um dilema constante, temos as cremosas, em bastão, as líquidas ou em pó. É variação o suficiente para confundir qualquer um!

Como escolher a base ideal?

Uma boa ideia é sempre escolher a base que mais combina com o seu tipo de pele:

Peles secas: Prefira bases com acabamento acetinado, líquidas ou cremosas, que mostram melhores resultados em peles secas. A base em pó, por exemplo, evidenciaria o aspecto seco da pele.

Peles normais: A pele normal é menos exigente, o que e ótimo pois permite o uso de todo tipo de base. Em pó, líquida, cremosa ou em bastão, o produto mostra bem suas características quando aplicado.

Peles oleosas: Procure por uma base com efeito matte, os outros tipos de bases precisam de bastante teste e conhecimento sobre a pele, pois geralmente causam um aspecto “brilhante” na pele. Neste caso também prefiro a base liquída, que tem a cobertura mais leve dentre todas as opções, e não se esqueça de procurar por um produto oil free. Bases em pó também são indicadas para peles oleosas, no entanto elas tendem a obstruir os poros, o que pode deixar a pele ainda mais oleosa e estragar a maquiagem.

Pele mista: Pede por uma combinação de produtos, eu tenho a pele mista, com zona T bem oleosa e o resto da pele bem seca. No geral, dou preferência para bases líquidas, por terem cobertura leve, até porque bases cremosas não favorecem a parte oleosa da pele. Mas tenho que pensar na área seca da minha pele, e quando ela está muito em evidência procuro combinar bases de dois tipos para melhorar os resultados. O outro dilema de quem tem a pele mista é o efeito matte, que eu amo e é ótimo para zona T, mas se o resto da pele está seco demais, o produto deixa isso mais evidente, então não é sempre que dá para usar.

Se você tem uma pele boa e só precisa de um toque: Bases líquidas com o acabamento transparente são as ideiais. Uma ótima opção também são os hidratantes pigmentados, que tem um cobertura mais leve.

Se a sua pele possui algumas imperfeições: Procure uma base de cobertura média a mais pesada, dependendo das suas necessidades. Estas bases geralmente são cremosas ou em bastão, que são mais densas e por isso podem garantir uma cobertura melhor para imperfeições. Não é o tipo de base que se usa no dia-a-dia, pois têm o aspecto mais artificial.

Como escolher a base ideal?

Eu não uso base sempre, no dia-a-dia opto pelo hidratante pigmentado, então quando uso base tem que ser em alto estilo! Atualmente minha base preferida é a Mat Velvet da Make Up For Ever, que tem uma cobertura incrível, é oil free, à prova d’água, e é matte então controla o brilho:

Base Mat Velvet

É preciso lembrar que a base deve ser aplicada com cuidado. Sua função principal é uniformizar a pele, assim como seu nome sugere ela é a base para a maquiagem. Para corrigir, iluminar ou colorir o rosto temos inúmeros outros produtos.

Pensando assim você evitará um visual pesado e até incômodo, e a sua pele com certeza ficará de dar inveja!

*imagens: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *