Cinquenta bolsas

Cinquenta bolsas que mudaram o mundo

Já falamos sobre os 50 chapéus e sobre os 50 vestidos que mudaram o mundo, vamos seguir com um post que fala sobre o livro 50 bolsas que mudaram o mundo. Falta pouco para terminar os posts sobre a Coleção 50, do Design Museum, pelo menos sobre aqueles que falam sobre objetos do vestuário.

Sabe quando você passa um tempão procurando aquela bolsa perfeita e atemporal, que até vale a pena investir um pouquinho mais, já que você vai usar por tantos anos? daí surge outro modelo que é essencial na sua vida e você precisa dele para facilitar seu dia a dia e a coisa segue assim de maneira cíclica até o dia em que sei lá, você não vai mais precisar usar bolsa, e ainda assim é capaz de comprar aquele modelinho que combina com tudo!

A história da bolsa também funciona mais ou menos assim, pela necessidade, pela linguagem visual, pelo status ou pela evolução da matéria prima, por exemplo. Assim seguimos, por toda nossa existência, mudando os motivos pelos quais precisamos de determinado modelo de bolsa.

São muitas as bolsas que fizeram história, e por motivos diferentes se tornaram ícones da moda e do nosso senso estético comum, que parece ser uniforme, já que a necessidade de algo que nos ajude a carregar o que precisamos em nossa rotina existe para todos.

Cinquenta bolsas que mudaram o mundo

Chanel 2.55  – 1955 

Cinquenta bolsas que mudaram o mundo

Baguette, Fendi –  1997
Cinquenta bolsas que mudaram o mundo

Jackie, Gucci – 1950

Cinquenta bolsas que mudaram o mundo

Steamer bag, Louis Vuitton – 1901

Cinquenta bolsas que mudaram o mundo

Bolsa Alexa,  Mulberry – 2009

O livro Cinquenta bolsas que mudaram o mundo pode explicar melhor isso tudo, ele fala de bolsas, malas e mochilas que tiveram impacto no mundo da moda e no mundo do design, e funciona da mesma forma que os outros livros da coleção, descrevendo os fatos que tornaram cada modelo em algo especial e fala também sobre os designers responsáveis por cada um desses 50 modelos.

Cinquenta vestidos que mudaram o mundo
Design Museum
Tradução: Cristina Bazan
Editora Autêntica

*imagens: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *