Seria um lindo Dia Internacional da Mulher se…

Aconteceu como uma coisa corriqueira, a Carol fez um post no Facebook pedindo ajuda dos amigos designers, eu não sou a designer por formação, mas faço muita arte por aí (rs!), então prontamente me ofereci para ajudar, mesmo sem saber do que se tratava.

No final das contas ela conseguiu reunir 8 pessoas numa janela de chat, tudo pela vontade de transformar esse 8 de março, Dia Internacional da Mulher, em algo mais significativo.

Nós adoramos!

Textos, fontes, designs, tudo foi acontecendo em uma só tarde, e até o final do dia, rodeada de amor e emoção a página nasceu.

Seria um lindo dia se...

Na página “Seria um lindo dia se…” apontaremos estatísticas e dados que provam que esse não é um dia de comemoração, longe disso. A luta da mulher pelo seu papel de direito na sociedade está longe de acabar, e o que foi conquistado até agora foi pouco perto do que poderia ser.

Todos os dados que vocês verão na página são reais e possuem fonte.

O nascimento da página já despertou ideias em muitas lindas e lindos, as pessoas já começaram a ver o porque elas não poderiam comemorar esse dia.

E só por isso, já sinto que nossa missão foi cumprida.

Se o que a gente sabe, e vai compartilhar, afetar qualquer pessoa de qualquer forma, nossa missão foi cumprida.

Me sinto privilegiada e abençoada por ter tido a chance de fazer parte do desenvolvimento desse projeto.

Fiz esse post para que vocês conhecessem mais sobre o projeto, mas o fiz também para registrar meu carinho e respeito pelos envolvidos: Carol Patrocinio, Lucas Coelho, Patricia Borbolla Baroni, Leticia Vendrami, Danutti de Carvalho, Juliana Kataoka e Ludmila Maia.

Vocês são incríveis, conhecer e trabalhar com vocês foi lindo! Vai ser com atitudes assim que num futuro não muito distante, o Dia Internacional da Mulher será realmente uma data a ser comemorada.

Visitem a página e não comemorem com a gente!

fb.com/seriaumlindodiase

imagem:reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *