O que os estilistas de 1939 acreditavam que nós vestiríamos nos anos 2000

Com exceção das lâmpadas usadas como adorno na cabeça, muitas das modas previstas por estilistas para o futuro já aconteceram. Mesmo que sejam apenas alguns elementos em looks totalmente além dos limites de Madonna e Lady Gaga, ou o trabalho de designers vanguardistas como Rei Kawakubo (fundadora da Commes des Garçon) e Hussein Chalayan, quase todas as previsões do vídeo Clothing of the Future de alguma forma se tornaram realidade.

Dá uma olhada:

Um dos designers acreditava que os vestidos serão adaptáveis para diversas ocasiões (no vídeo ele mostra mangas sendo tiradas e pregadas de outra forma nas roupas (nós já fazemos peças assim há anos!), um outro estilista acreditava que a moda consistirá em vestidos feitos com tecido em tela transparente (como a segunda pele que bombou na última estação!) acompanhados de penteados elaborados (dá uma olhada nessa busca que eu fiz no Pinterest), um terceiro designer acreditava que as saias desapareceriam (as saias, com a simbologia daquela época realmente desaparecramu), no futuro sapatos teriam saltos inusitados (preciso falar alguma coisa? hehe), cintos elétricos ajustados ao corpo para se adaptar a mudanças climáticas, a mulher do futuro estará sempre em ambiente cientificamente climatizado (eu <3 ar condicionado), as noivas usariam vestidos feitos de vidro, as mulheres usariam ornamentos com lampadas na cabeça “para ajudá-las a encontrar um homem honesto” (ainda não, quem sabe um dia né?). Os homens não fariam a barba, não usariam gola, bolsos ou gravatas, suas roupas incluiriam um telefone, um rádio e frascos para armazenar moedas e doces para as gatinhas.

estilistas-193-moda-futurismo-historia-ocabide

estilistas-193-moda-futurismo-historia-ocabide-2

estilistas-193-moda-futurismo-historia-ocabide-3

estilistas-193-moda-futurismo-historia-ocabide-4

estilistas-193-moda-futurismo-historia-ocabide-5

E você, como acha que serão nossas roupas no futuro?

*imagens: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *