BEDA #3 – Playlist do crush

Acordei determinada, evitei olhar o celular e segui para o banho. Hoje não me entregarei à clichês. Mas a casa está perfumada pela lavanda recém colocada na varanda, o sol que entra pela janela aquece a sala, mas não o dia. Continuo a persistir. Hoje não vou me entregar à clichês.

Caminho pela rua tentando evitar os vizinhos sorridentes, o orvalho nas folhas das árvores e a frase cheia de poesia pichada no muro do outro lado rua. O que está acontecendo?

No ponto de ônibus coloco meus fones no ouvido para tentar fugir do mundo enquanto espero pacientemente para seguir meu caminho. A playlist deveria ser aleatório, mas nada é. Quando as primeiras batidas da música tocam meu coração dispara. Mal posso acreditar que isto esteja acontecendo novamente, tento retomar a compostura mas não consigo.

Aquela música, aquela lembrança, aquela vontade. Quando vejo meu reflexo na janela tento sem sucesso disfarçar, lá está ele, o sorriso bobo, aquele que sempre vem acompanhado das borboletas no estômago.

De repente quero sair cantando como em musical sobre uma moça desastrada com uma paixão sem sentido que nunca passou.
Igualzinho a mim.
Igualzinho aos clichês que não consegui evitar.

O Cabide em clima de romance? Para tudo há uma primeira vez, não é?
Quando falamos em “Playlist do Crush” geralmente estamos nos referindo a uma lista de músicas que escutamos para pensar em um determinado alguém. Mas eu queria fazer algo diferente, queria fazer uma lista de músicas que trazem o conceito do que é um crush como seu tema principal, algo que pudesse determinar de fato como é viver um crush.
Então, nos últimos meses venho montando uma playlist lá no Spotify que descreve perfeitamente esse momento em que a gente não faz ideia do que realmente está rolando, nossos sentimentos são um emaranhado e a gente não sabe se chama de miga(o) ou de mor.

Essas são algumas das músicas dessa playlist, as escolhi para o post pois senti que combinavam com o texto da introdução, mas a lista completa é bem variada, tem de Alicia Keys até Weezer.
VAI LÁ OUVIR!

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *