A nudez da mulher gorda

Desde o ano passado, quando fiz o post falando sobre o começo da minha jornada em um corpo gordo, tenho postado, no nosso perfil no Instagram, fotos de mulheres gordas do mundo todo, junto com legendas que falam sobre gordofobia, padrões de beleza e aceitação.

Aconteceu naturalmente, no começo postava fotos que serviam como referência para mim mesma, até porque o assunto ainda era novidade para mim e eu ainda estava começando a conhecer tudo o que o mundo plus size tinha para oferecer, de bom e de ruim. Com o tempo comecei a receber mensagens de mulheres de todos os tamanhos falando sobre a força e o impacto que aquelas imagens tinham sobre elas.

vivian-farinazzo-ensaio-fotográfico-plus-size-ocabide (8)

Já segue a gente no Instagram?

Quando conheci perfis de mulheres que postavam fotos nuas e seminuas e usavam seus corpos como ferramenta de empoderamento, passei a trazer esse tipo de imagens para o nosso perfil. Foram essas fotos que ampliaram o nosso debate sobre questões de autoimagem e nos mostraram que mulheres gordas que assumem o controle sobre os seus corpos deixam de ser completamente invisíveis dentro da sociedade.

Recebo muitos comentários preconceituosos? Sim. Mas recebo ainda mais comentários de mulheres em busca do amor próprio e de apoio. Também são comuns os comentários de mulheres dizendo que gostariam de ter a mesma coragem das mulheres nas fotos. O que eu sinto é que elas não estão falando sobre a coragem em aparecer nua, tem mais a ver com a coragem para não se limitar, para não ter medo da própria imagem.

O que essa experiência me fez entender é que as mulheres gordas que me seguem não conheciam outros corpos como os delas. Nós somos cercadas por uma imagem do corpo feminino que não representa a maior parte das mulheres, por isso conviver diariamente com imagens de mulheres que parecem com você (não só seus corpos, como também suas jornadas) é transformador. Compreender que tudo que acreditamos ser “imperfeições” são comuns e não precisam ser escondidos, mexe com conceitos que nunca antes tínhamos questionado. Ver que mulheres como você são admiradas, vivem amores, amizades, usam roupas descoladas e se mostram cheias de orgulho em fotos que são curtidas e repostadas por pessoas do mundo todo, acende na gente uma chama que nem sabíamos que existia.

Há alguns meses atrás me uni com a Vivian Farinazzo, fotógrafa que já colaborou com O Cabide antes, para fazer um ensaio fotográfico. Nos inspiramos muito nas fotos que posto lá no Instagram, mas queríamos fazer um ensaio só nosso.

Não é um ensaio boudoir, não é um ensaio conceitual, menos ainda um ensaio sensual. São fotos minhas, feitas na minha casa, com muito conforto, sem produção elaborada, sem tratamento de imagens e sem frescura. Nosso objetivo era fazer um ensaio que falasse sobre naturalidade, não sobre beleza.

Eu acredito que toda a simplicidade com que fizemos essas fotos traduz a relação que eu tenho com meu próprio corpo, com a forma livre com que me enxergo. Sou uma mulher gorda, minhas curvas, minhas dobras, celulites e estrias são só alguns aspectos da minha aparência, não me definem, mas fazem parte de mim.

Essas são alguma fotos desse ensaio:

Crescemos e vivemos toda a nossa vida acreditando que é errado ter um corpo gordo, que isso é feio e deve ser escondido. Imposições como essa são tão enraizadas que a nudez é algo impensável e incompreensível.

Espero que de alguma forma minhas fotos sirvam de apoio para quem busca a liberdade e a aceitação, assim como tantas fotos, de tantas outras mulheres, serviram de apoio para mim.

 

Fotos: Vivian Farinazzo para O Cabide

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

4 thoughts on “A nudez da mulher gorda

  1. Lindas fotos, Nic! Adoro seu insta e sempre venho conferir suas novas postagens no blog quando vc anuncia.
    Vc inspira muitas mulheres, com sua verdade e coragem! Lindo trabalho!

    Att.

    Fabiana Chicarino

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *