Playlist da autoestima

Dia desses estava ouvindo uma playlist de mulheres negras do começo dos anos 2000, quando começou a tocar Unpretty do grupo TLC (se você não conhece, vale a pena pesquisar!). Esse hino, lançado em 1999, fala sobre amor próprio e auto-valorização, fazendo uma reflexão sobre como as mulheres se sujeitam a transformações para atender padrões irrealistas de beleza.

Fiquei me perguntando quais outras músicas, tão maravilhosas e importantes como essa, existem atualmente e decidi colocá-las em uma playlist (que é algo que eu adoro fazer!).

São 7 músicas para ouvir e compartilhar com as amigas em dias difíceis, quando estamos cansadas de tanta pressão e tudo o que precisamos é força e compreensão para resistir.

1 – A música que deu origem para essa lista:

Ao ouvir a letra dessa música pela primeira vez você pode ter a impressão de que ela está falando com alguém, talvez um parceiro abusivo. Mas eu acredito que a verdadeira antagonista dessa música seja a própria narradora. E eu acho isso muito real, nós nos cobramos tanto, exigimos tanto de nós mesmas, sempre com a premissa de que é assim que atingiremos o sucesso com nossos corpos e almas.

“I’ve tried different ways but it’s all the same
At the end of the day I have myself to blame”

 

2 – Mary Lambert – Body Love (Part 1 & 2)

Essa música se divide em duas partes e eu entendo perfeitamente o porquê. São tantas coisas para tirar do peito, para desabafar sobre como é sobreviver sendo mulher em um mundo que é tão inóspito para nós.

Depressão, rejeição, transtornos alimentares, álcool e drogas são só alguns dos efeitos que a pressão dos padrões estéticos trouxe para nossas vidas.

Essa música foi feita para revidarmos e resistirmos!

“But the time has come for us to reclaim our bodies
Our bodies deserve more than to be war-torn and collateral”

3 – Beyoncé – Pretty Hurts

Tem como fazer uma playlist com esse tema e não mencionar Beyoncé?

Pois bem, a música Pretty Hurts fala sobre almejar a perfeição e o impacto que isso tem sobre nossas vidas. Passamos tanto tempo focadas em nossas aparências que o custo disso para nossas mentes é altíssimo.

“We shine the light on whatever’s worse
Tryna fix something
But you can’t fix what you can’t see
It’s the soul that needs the surgery”

4 – Banda Calypso – Autoestima

É isso mesmo! Tem Banda Calypso nessa playlist. Pode me julgar, eu não ligo.

Quando estava pesquisando músicas para essa lista caí num link com a letra dessa música e acabei gostando da sensibilidade com a qual o tema é abordado, dá uma olhada:

” Tem dias que a gente se sente
Como se nada mais valesse a pena
Tudo se torna insignificante
A vida fica tão pequena

Andei por tanto tempo assim
Tão deprimida, destruida por dentro
Quase que eu pego um caminho sem volta
Graças a Deus eu acordei em tempo”

5 – Mc Carol e Karol Conká – 100% feminista

Para jamais abaixarmos a cabeça.

J-A-M-A-I-S

“Mais respeito
Sou mulher destemida, minha marra vem do gueto
Se tavam querendo peso, então toma esse dueto
Desde pequenas aprendemos que silêncio não soluciona
Que a revolta vem à tona, pois a justiça não funciona
Me ensinaram que éramos insuficientes
Discordei, pra ser ouvida, o grito tem que ser potente”

 

6- India Arie – I’m not my hair

Essa música fala sobre a relação de uma mulher negra com seus cabelos. Toda a fase de negação, até a libertação.

A letra é linda e TÃO importante!

“Good hair means curls and waves
Bad hair means you look like a slave
At the turn of the century
Its time for us to redefine who we be
You can shave it off
Like a South African beauty
Or get in on lock
Like Bob Marley
You can rock it straight
Like Oprah Winfrey
If its not what’s on your head
Its what’s underneath and say HEY…”

7 – Bate a Poeira – Karol Conka

Nessa música Carol Konka (rainha!) fala sobre o peso dos rótulos, o impacto do preconceito e a importância de sermos nós mesmos.

“Há tanta gente infeliz com vergonha da beleza natural
É só mais um aprendiz que se esconde atrás de uma vida virtual
Gorda, preta, loira o que tiver que ser
Magra,santa, doida, somos a força e o poder
Basta chegar bora levanta a cabeça e vê
Vem cá, viva, sinta o que quiser você pode ser”

E aí?

Qual música você acha que faltou nessa playlist?

 

*imagem e vídeos: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

Consultoria da magreza

Hoje vi vários posts nas redes sociais sobre um curso de consultoria de imagem plus size que estava causando polêmica.

O motivo?

O foco do curso é treinar consultores de imagem para disfarçar, emagrecer e criar ilusões de ótica que transformem o corpo gordo.

Image result for panamericana plus size

Eu não vejo problema algum em usar a moda para criar outras silhuetas, mas um curso voltado para esse público não pode ter somente esse objetivo.

Ou seja, eles querem ganhar dinheiro com o plus size (o curso dura 24h e custa R$1000), mas não vão fazer o menor esforço para compreender o público que ele atende?

 

Vou deixar aqui as minhas sugestões para a Panamericana (escola paulista responsável por tal curso):

Que tal fazer um curso de consultoria de imagem plus size que ensine pessoas gordas a amarem e vestirem os corpos que têm, sem disfarçá-lo?

Que tal usar temas como empoderamento, aceitação e representatividade, como apoio para autoestima de quem contrata um consultor de moda?

Que tal chamar alguém com vivência nesse meio para dar essa aula?

Que tal não fazer um curso para propagar padrões estéticos que nos aprisionam?

Que tal parar de enxergar o corpo gordo como algo que precisa ser transformado?

Que tal identificar as necessidades de um mercado antes de criar um curso sobre ele?

Que tal entender que “plus size” é um termo mercadológico e que não dever ser usado para designar mulheres, ou homens, de qualquer tamanho?

 

Melhorem.

*imagens: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

Eu, mulher, e a representação na mídia

Na última sexta feira (07/10) fui surpreendida por um convite maravilhoso para participar do debate “Eu, mulher e a representação na mídia” do evento Artemicine, promovido pela ONG Artemis.

Fiquei super empolgada, não só por ter acompanhado o trabalho incrível da Artemis na campanha #tambéméviolência, feita em parceria com a marca de cosméticos Lush, mas porque eu realmente acredito que são em espaços como esse que surgem ideias que nos ajudam a transformar o mundo para mulheres em todos os tipos de condições, inclusive nós, que somos gordas.

Antes de falar sobre tudo o que rolou por lá, quero falar um pouco sobre o Artemicine, que ainda rola até o dia 13/10.

Trata-se da 1ª mostra de cinema da Artemis, onde seis dias de exibição de filmes, curtas e séries são combinados com diálogos que abordam temas que absolutamente devem ser debatidos à exaustão sobre as violências as quais somos submetidas diariamente simplesmente por sermos mulheres.

A mostra começou no dia de 01/10 e até agora a programação contou com:

  • Eu, mulher, e os novos rumos – 01/10

Com a presença de Fernanda Correia e Madalena Menezes do coletivo Nós, Madalenas; Marcella Datri, Ana Cavalcanti, Laís Teixeira e Gabi Santana da Equipe do curta Ser (HUMANO) e Rosana Urbes, ilustradora e animadora da RP Animation Films. Com mediação de Joyce Pais, jornalista e editora chefe do portal Cinemascope.

E a exibição de 3 minutos, Ser (HUMANO),  Guida e Mucamas.

No Cine Segall.

  • Eu, mulher, e do que tive que abrir mão (ou Eu, Mulher, e o que tive que conquistar) – 04/10

Com a presença de Gabriela Cunha Ferraz, advogada e mestre em Direitos Humanos; Maria Ileana Faguaga Iglesias, afrocubana, afrofeminista, ativista, antropóloga, historiadora, jornalista e pesquisadora; Ane Sarinara da Coletiva Luana Barbosa, professora e idealizadora do projeto Twerk de Minas e Giselle Cristina dos Santos do Instituto Locomotiva, do Coletivo Acampamento de feminisno interseccional e da organização da festa Don’t Touch My Hair. Com mediação de Angélica Kalil, roteirista e diretora do canal “Você é feminista e não sabe”.

E a exibição de Projeto de vidas refugiadas e Pariah.

No Cinusp Paulo Emílio

  • Eu, mulher, e a violência sexual – 06/10

Com a presença de Giovana Zimermann, artista visual. cineasta e pesquisadora e coordenação de Catharina Strobel, editora e produtora em Strada Filmes e ativista pelo direito das mulheres na Artemis.

E a exibição de BranCURA e Brave Miss Wolrd.

No Instituto Criar de TV, Cinema e Novas Mídias.

 

E assim chegamos ao evento em que participei no sábado (08/10), como vocês já viram também contou com a presença de Lívia Perez, da produtora Doctela; Carmen Lúcia Brandão Zafalon, psicanalista e psicológa hospitalar e com a mediação de Shimenny Moura dos Santos, que é diretora Administrativo Financeira da Artemis.

Primeiro tivemos a exibição do curta “Quem matou Eloá?”, que mostra o impacto que a cobertura da mídia teve no assassinato de uma menina de quinze anos, após ser mantida em cárcere privado por seu ex-namorado durante 100 horas.

Para mim o curta foi um soco no estômago! Eu sou de Santo André, cidade onde aconteceu o assassinato, e acompanhei com bastante intensidade toda a cobertura sensacionalista e perigosa feita pela imprensa durante o sequestro. Mas nunca tinha percebido o quanto eles haviam feito com que Eloá, a vítima que ficou presa e apanhou durante quatro dias, fosse completamente invisível e irrelevante. Toda a cobertura foi voltada para dizer que Lindemberg, o assassino, era um cara legal e que tudo aquilo não passava de uma crise amorosa.

Eloá morreu sem ninguém mencionar quanta resiliência essa menina teve para se recusar a voltar com o namorado. E que mesmo com uma arma apontada para si, resistiu a violência com uma força que poderia servir como exemplo, mas que jamais foi reconhecida.

Foi ela quem morreu, mas a única história que foi contada, foi a de Lindemberg.

Image result for my mad fat diary

Na sequência assistimos aos 2 primeiros episódios da série My Mad Fat Diary, ambientada na década 1990 e que conta a história de Rae Earl, uma adolescente gorda que luta para se encaixar e lidar com as questões da adolescência após sair de um hospital psiquiátrico onde tratava um transtorno alimentar.

Essa série é extremamente importante dentro de um diálogo que fala sobre representação, até porque é nela que vimos algo raríssimo na tv e no cinema: uma protagonista gorda, que lida com questões reais relacionadas a autoimagem, sem humor apelativo, sem eufemismos, sem condescendência.

*Fotos do Snapchat: ocabide

Começamos o debate traçando um paralelo entre a violência cometida pela imprensa que ignorou quem era Eloá e a mídia que viabiliza a gordofobia diariamente com chamadas apelativas, patologização e perpetuação de padrões.

Questionamos e problematizamos o papel da mídia dentro de uma cultura que faz com as mulheres que são vítimas de todo tipo de violência sofram com o silenciamento e o apagamento não só na forma como essa violência é cometida, mas como ela é retratada.

Falamos sobre a importância do fim da rivalidade feminina e sobre a importância da empatia entre mulheres, pois acreditamos que esse seja um passo importantíssimo para ocuparmos os espaços que nos foram tomados. Juntas podemos muito mais!

*Fotos do Snapchat: ocabide

E quando falamos sobre como enfrentar a gordofobia, falamos sobre autoestima, acessibilidade, saúde mental, mercado de trabalho, de onde surgiram os padrões estéticos que nos são impostos hoje, sobre o impacto do movimento de blogueiras e vlogueiras na vida das mulheres que acompanham esse trabalho e usam esse tipo de conteúdo como apoio em seus próprios processos de aceitação.

Por fim falamos sobre representatividade além do mercado da moda e sobre a importância de nos reapropriarmos dos nossos corpos e de nossas histórias, afinal esse é um dos caminhos para derrubar esse preconceito.

 

Fiquei muito feliz por ter estado presente para esse bate papo, experiências assim fazem a gente crescer, alimentam e transformam em incêndio aquela faísca que nos faz brigar todos os dias por um mundo mais justo para mulheres.

*Imagens: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

As mais ouvidas

Não é raro chegar aqui em casa e me encontrar no sofá lendo alguma bobagem enquanto rola uma playlist de músicas na Smart TV (melhor aquisição de todos os tempos!). Eu cresci ouvindo música com os meus pais e depois sozinha, no último volume, quando era adolescente e tinha a casa só para mim.

Eu não sou o tipo de pessoa que é louca por música, inclusive eu não manjo nada de música e mesmo com as redes sociais, posso demorar anos para descobrir um cantor ou um a banda que todo mundo já ouve e é fã.

music the royal tenenbaums

Além disso eu sou uma pessoa obsessiva-compulsiva e as vezes acabo ouvindo as mesmas músicas por meses, o que obviamente não contribui para que eu encontre sons novos.

Mesmo assim, sempre acabam aparecendo trilhas sonoras novas para minha vida, aquelas músicas que são tão marcantes que eu não vejo problema algum em ouvir no repeat!

E foi dessa forma que descobri essas pérolas:

Rubel é um artista carioca de voz suave e músicas carregadas de sentimentos. O álbum Pearl foi lançado em 2013, mas tem chamado bastante atenção desde que o clipe da música Quando bate aquela saudade, dirigido pelo próprio Rubel e lançado no ano passado, chegou a um milhão de views no YouTube, e foi justamente por essa música que eu me apaixonei!

O premiado cantor recifense, Johnny Hooker, ficou conhecido por sua participação em trilhas sonoras de novelas globais, mas já vem chamando atenção dentro da música nacional há algum tempo. Performático, mistura referências como  glam rock, o pop e o tropicalismo. A música que escolhi para colocar entre as mais ouvidas é de seu primeiro álbum, ‘Eu Vou Fazer uma Macumba pra Te Amarrar, Maldito!‘, e  está na trilha sonora do filme Tatuagem.

Val Donato é uma cantora paraibana quebra todos os padrões! Seu visual foge daquele conceito forçado de feminilidade (que já debati por aqui), além disso ela é assumidamente lésbica, algo extremamente relevante quando pensamos na questão da representatividade dentro do mercado nacional de música. Val é extremamente talentosa, algo que ela prova com seu primeiro álbum, ‘Café Amargo’, que é totalmente autoral. Foi nele que conheci a música “Para mim, você’, que descreve um amor tão completo e tal intenso que vai te fazer querer amar também.

O cantor Liniker tem feito cada vez mais sucesso, sua banda, seu talento e tudo o que ele representa tomaram conta da internet e agora enchem casas de show. Atualmente é possível encontrar várias de suas músicas online (ele tem EP e uma álbum lançados), mas quando o conheci não havia muito mais do que um punhado de vídeos no YouTube. Eu poderia escolher para essa lista qualquer um dos seus hits mais atuais, mas fiz a escolha óbvia e coloquei ‘Zero’ (de seu EP, Cru) aqui. O motivo é simples: Eu nunca esqueço de como me senti na primeira vez em que ouvi essa música.

Sou completamente apaixonada pela Ana Muller, essa menina poderia cantar a lista telefônica que soaria lindo,´é  difícil resistir a delicadeza de sua voz e de sua música. A cantora – de Vitória – ES – tem seu projeto musical atual descrito como algo descompromissado, introspectivo e experimental, características fáceis de perceber em suas músicas. Escolhi para essa lista a música que eu acho que mais ouvi desde que conheci seu trabalho.

 

Acreditem ou não, é totalmente por acaso que todas as músicas nesta lista são nacionais!

Agora me digam, o que vocês têm ouvido?

 

*imagem e vídeo: reprodução

 

 

 

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.

Corpos dançantes

A companhia de dança Force Majeure quebrou todas as regras quando criou uma apresentação teatral “plus size”. Kate Champion, diretora da companhia, se uniu a artista e ativista, Kelli Jean Drinkwater, para criar a produção do espetáculo “Nothing to Lose”, cujo casting é composto por sete bailarinos gordos, 5 mulheres e dois homens.

nothing-to-lose-danca-plus-size-bailarinos-ocabide-2
O espetáculo aconteceu em janeiro do ano passado, durante o Sidney Festival na Austrália, e continua dando o que falar. O objetivo da apresentação era  mudar a percepção dominante de como deve ser o corpo de dançarinos.

Como um todo, esse foi mais do que um espetáculo de dança contemporânea, foi um símbolo da representatividade, algo que as vezes pode parecer inexistente no mundo da dança. Foi um show de alto impacto visual para exaltar o corpo gordo e tudo o que ele é capaz de superar e fazer.

 

 

Acho que dentro dessa pauta também dá para falar um pouquinho sobre Whitney Way Thore, uma dançarina que está dentro de um contexto mais pop e sempre vale a pena ser mencionada quando falamos sobre gordos que amam dançar e são bons nisso.

whitney-way-thore-ocabide-2

Depois que um vídeo seu dançando viralizou, Whitney ganhou voz para falar sobre as problemáticas da vida de uma mulher gorda em um programa de TV.

Além do seu próprio reality show, hoje ela é ativista e responsável pela campanha No Body Shame.

whitney-way-thore-ocabide

Ela não começou sua carreira falando sobre aceitação, pelo contrário. Mas com o tempo ela tem se mostrado cada vez mais dedicada à luta contra a gordofobia, tem falado abertamente sobre como ser vítima de distúrbios alimentares impactou o modo como vê seu corpo e agora mostra uma ligação mais forte com o feminismo.

E por último, já que estamos falando e dançarinos gordos, nós não poderíamos finalizar esse post sem mostrar um dos vídeos mais bonitos que vi na minha timeline recentemente:

 

Deu vontade de sair dançando?

*imagens e vídeo: reprodução

Fundadora e editora do O Cabide, formada em moda, fotógrafa iniciante, apaixonada por figurinos e história da moda. Futura jetsetter, feminista, gayzista, abortista, gorda, patrona do amor próprio e entusiasta da maquiagem para beleza e para a arte.