As ilustrações de moda de Sunny Gu

Olá pessoal! Depois de muito tempo, volto pra postar por aqui e, desde já, peço desculpas pela ausência. Muitas coisas ocorreram nestes últimos meses e nem todas foram boas. Mas o que importa é que estou de volta, e com um assunto matador! Design de moda! Tchan-tchan…

Sim, escrevo normalmente sobre nerdices, mas quem disse que design não é coisa de nerd também, não é? Não sou designer, nem tenho pretensão alguma de ser, porém, sou apaixonado pelo bom traço e sei reconhecer um trabalho incrível. E é exatamente isso que trouxe pra vocês hoje.

Então, preparem-se para uma pornografia visual de cores e formas em traços limpos e cheios de referências à cultura asiática, porque a artista em questão é Sunny Gu, uma ilustradora de moda chinesa (nasceu e foi criada na China, se mudou parar os EUA com 13 anos) que tem como pontos fortes em seu trabalho o preciosismo dos traços e detalhes nas estampas. Vale ressaltar que todas as cores utilizadas nos seus trabalhos são aquarelas (que ela descreve como vibrantes e imprevisíveis) , e tem uma combinação mais linda que a outra, viu? Vale a pena checar o site da artista para conhecer mais do seu trabalho.

A ilustradora já é bem estabelecida no mercado, já colaborou com empresas e nomes como Condé Nast, Vogue, Teen Vogue, ELLE , InStyle, Bloomingdales,  Macy’s, Nordstrom, Versace, Dolce & Gabbana’s Swide MagazineCarolina HerreraBrian AtwoodLa Prairie, Shiseido, FANCL , NeutrogenaHBO, entre outros.

 

Sem mais delongas, apresento à vocês a arte de Sunny Gu:

*imagens: reprodução

É publicitário, gestor estratégico e ambiental, empresário, marido, dono de 3 gatos e editor do O Que Não Mata, Engorda. Apaixonado por música, cinema, literatura, automobilismo e ótimos papos com os amigos.

BEDA | Windows 95 – Parabéns pelos seus 20 anos

No dia 24 de agosto, mais conhecido como a última segunda-feira, o Windows 95 completou 20 anos. E por que exatamente isso é importante? Simples. Sem ele, você não faria metade das coisas que faz hoje, você deve todo seu mundo digital à Microsoft (e à Apple também, e um pouquinho à IBM), quer você goste ou não. Em 24 de agosto de 1995 a Microsoft lançava o Windows 95 e iniciava uma nova era nos seus sistemas operacionais. Parece que foi ontem, mas não, o Windows 95 acaba de completar 20 anos de vida.

Windows-95-20-anos-ocabide-2

Primeiro: o Windows 95 foi revolucionário. Primeiro, ele carregava sozinho. Como assim? Pra quem não viveu esta época, quando você ligava seu super computador que tinha versões anteriores de Windows, ele carregava primeiro o DOS, e você tinha que lançar o comando win para ele carregar. Ele deu um grande salto de usabilidade no sistema operacional da Microsoft, principalmente pela inclusão do menu Iniciar, que facilitava o acesso a qualquer arquivo guardado naquele computador. O menu Iniciar se tornou tão importante que os usuários de Windows não aceitaram numa boa a sua retirada no Windows 8 e pressionaram até que a Microsoft decidiu reinventá-lo para o recém-lançado Windows 10. Não se lembra como era viver sem ele? Dê uma boa olhada na imagem abaixo do predecessor, o Windows 3.x (3.11, normalmente) e imagine-se procurando seus arquivos e apps.

É gente, talvez vocês não se lembrem, ou talvez até mesmo nunca chegaram a utilizar esses sistemas, mas o Windows 95 foi uma revolução. Foi tão bom que muita gente pulou as atualizações Windows 98 e Windows Millenium e só foram atualizar o sistema operacional depois da virada do milênio, com o Windows XP, nos já longínquos 2001. Deste com certeza você se lembra!

O “novo” Windows 95 foi lançado com uma campanha de marketing enorme, além de caríssima, e vendeu 7 milhões de cópias nas primeiras cinco semanas no mercado. Isso em 1995, quando poucas pessoas tinham computadores em casa e, mesmo em escritórios empresariais, os PCs não eram disponibilizados para todos os funcionários. É fácil entender o que fez ele ser tão popular: Bill Gates e cia. não economizaram nem um pouco para promover o sistema, usaram até mesmo a dupla Matthew Perry e Jennifer Aniston em um vídeo promocional – na época, a dupla interpretava Chandler e Rachel em Friends. Saca só:

Tem uma história bacaninha que o Daniel Junqueira do Gizmodo Brasil lembrou envolvendo o Windows 95. O lendário som de inicialização do sistema foi composto por Brian Eno, um grande músico e produtor musical, que trabalhou também com David Bowie, Talking Heads e U2. Ou seja, o cara era fraco (#sqn). Em 1996, ele explicou como criou esse som:

O pessoal da agência me pediu, “Queremos uma música que seja inspiradora, universal, blah-blah, da-da-da, futurista, sentimental, emocional,” essa lista todas de adjetivos”, e no final eles disseram, “e precisa ter 3.25 segundos de duração.”

Ele criou 84 sons até chegar ao resultado final. Se é realmente algo inspirador, universal, blah-blah, da-da-da, futurista, sentimental e emocional eu não sei, mas é algo que sempre me faz lembrar do Windows 95. Anos depois, Eno confidenciou que compôs a música em um Mac, da concorrente Apple, mas isso não importa mais.

Bacana pra caramba também é assistir a cobertura de lançamento do Windows 95 feita pelo Jornal Nacional. Narrado pelo Cid Moreira. Chega quase a ser épico.

 

*imagens e vídeos: reprodução

**Saiba mais sobre o BEDA

badge_post_01

É publicitário, gestor estratégico e ambiental, empresário, marido, dono de 3 gatos e editor do O Que Não Mata, Engorda. Apaixonado por música, cinema, literatura, automobilismo e ótimos papos com os amigos.

A Converse modificou o design do clássico Chuck Taylor All Star depois de 98 anos

É muito provável que você, durante sua infância/adolescência, usou e abusou dos clássicos tênis All Star. E, se você é como eu, continua usando mesmo depois de adulto (quase 31 anos nas costas e uso pra sair, pra jogar bola, pra trabalhar, até mesmo pra casar! Veja a imagem abaixo na qual estou no centro, de calças pretas, e meus padrinhos ao meu lado, todos devidamente trajados de Converse Chuck Taylor All Star no dia do casório).

Pequena aulinha de história aqui. A Converse, tradicional fabricante de tênis norte-americano, fundada em 1908, criou em 1917 a linha Chuck Taylor All Star tentando padronizar os calçados utilizados em jogos de basquete. Pra quem se pergunta que foi Chuck Taylor, segue: Charles “Chuck” Hollis Taylor foi um jogador de basquete. Tcha-nãããããn… Chuck Taylor era apaixonado pelos tênis da Converse e os promoveu até o final de sua carreira como jogador. Enfim, o fato é que a Converse lançou o modelo em 1917 e até hoje o manteve com o design geral intacto, modificando apenas cores e diversas padronagens com estampas e séries especiais ao longo do tempo.

Mas o que muita gente não sabe é que a Converse declarou falência em 2003 e foi comprada pela Nike. Então, sem essa compra, os tênis que você usou durante boa parte da sua adolescência sequer existiriam hoje em dia. Com isso na cabeça, continuemos.

Alguns de vocês talvez considerem a atitude de mexer no design de algo tão clássico e atemporal um sacrilégio, tal como uma mudança da fórmula clássica da Coca-Cola ou abaixar os braços da estátua do Cristo Redentor. Mas depois de 98 anos, a Converse está atualizando o já icônico e sempre moderno Chuck Taylor All Star – ou apenas All Star para nós, brasileiros. Por fora, ele é praticamente idêntico ao original; mas por dentro, o Chuck II (que não é a continuação do filme do brinquedo assassino) é muito mais confortável para os seus pés.

Por sorte, a Nike não mexeu muito no design do calçado desde a compra da Converse. E além disso, o Chuck II soa como o melhor dos dois mundos: o estilo clássico da Converse somado à tecnologia avançada da Nike mirando o conforto dos seus pés. E como ele ficou? Veja abaixo.

1353548300619709736

A maior novidade do Chuck II (o nome oficial do modelo) é a inclusão de um material chamado Lunarlon. Desenvolvido pela Nike, esse produto de nome estranho é uma espuma bem leve e elástica que a Nike já usa em seus tênis de corrida e basquete, e que agora será incorporado na sola de borracha dos Chuck II.

1353548300676504616

A Nike alterou também alguns pequenos detalhes no design do Chuck II, incluindo uma lingueta não escorregadia e um forro de camurça perfurado — visível na imagem acima — que ajuda na respiração do seu pé. Isso quer dizer que (teoricamente) os seus pés não vão transpirar tanto quanto antes e seu chulé deverá ser mais moderado também.

Mesmo assim vai ser difícil para a maioria das pessoas perceberem as diferenças entre o clássico Chuck Taylor All Star e o Chuck II — exceto pelo preço. As versões de cano baixo e de cano alto do Chuck II serão vendidas por US$ 15 a mais que as versões originais — US$ 70 e US$ 75, respectivamente. Os primeiros modelos chegam ao mercado americano na próxima terça-feira (28/07/15) nas cores preta, vermelha, azul e branca.

*imagens: reprodução

É publicitário, gestor estratégico e ambiental, empresário, marido, dono de 3 gatos e editor do O Que Não Mata, Engorda. Apaixonado por música, cinema, literatura, automobilismo e ótimos papos com os amigos.

Os filmes mais aguardados do segundo semestre de 2015

Hey pessoal! Demorou mas estou de volta com algumas nerdices, e dessa vez eu trago pra vocês quais são os filmes mais aguardados pelo grande público que serão lançados no cinema agora no segundo semestre de 2015. Tem bastante coisa boa vindo por aí, fiz um top 9 deles. Vamos lá?

Jogos Vorazes – A Esperança – O final

Katniss Everdeen continua sua luta contra a Capital e o Presidente Snow. Parte final que mostrará o desfecho da história que, até o momento, está sendo muito bem adaptada dos livros que a originaram. Recheado de efeitos especiais para trazer à vida as incríveis armadilhas criadas nos livros, o filme promete muita ação.

Elenco:

– Jennifer Lawrence, de X-Men e O lado bom da vida – Katniss Everdeen

– Josh Hutcherson, de Amanhecer violento e Viagem ao centro da Terra – Peeta Mellark

– Liam Hemsworth, de Conexão perigosa e Os mercenários 2 – Gale Hawthorne

– Sam Claflin, de Piratas do Caribe – Navegando em águas misteriosas e Simplesmente acontece – Finnick Odair

– Jena Malone, de Donnie Darko e Na natureza selvagem – Johanna Mason

– Natalie Dormer, de Game of Thrones e Elementary – Cressida

– Woody Harrelson, de Truque de Mestre e True Detective – Haymitch Abernathy

– Philip Seymour Hoffman, de O Mestre e O homem mais procurado – Plutarch Heavensbee

– Julianne Moore, de Ensaio sobre a cegueira e Hannibal – Alma Coin

– Donald Sutherland, de Pesadelo Americano e Uma saída de mestre – Presidente Snow

Outros atores do filme: Elizabeth Banks, Elden Henson, Jeffrey Wright, Stanley Tucci e Toby Jones.

Lançamento: 19/11/2015

 

Maze Runner: Prova de fogo

Depois de escapar do labirinto, Thomas e os outros garotos que o acompanharam em sua fuga da Clareira precisam agora lidar com uma realidade bem diferente: a superfície da Terra foi queimada pelo sol e eles precisam lidar com criaturas disformes chamadas Cranks.

Outra grande adaptação de livros, pode esperar um filme cheio de ação e efeitos visuais realísticos pra te transportar pra dentro do universo de Maze Runner.

Elenco:

– Dylan O’Brien, de Teen Wolf e Os Estagiários  – Thomas

– Aidan Gillen, de Batman, o Cavaleiro das Trevas ressurge, Game of Thrones – Janson

– Kaya Scodelario, de Fúria de Titãs e Tiger House – Teresa

– Thomas Sangster, de Game of Thrones e Nanny McPhee – Newt

– Giancarlo Sposito, de Once upon a time e Breaking Bad – Jorge

– Nathalie Emmanuel, de Game of Thrones e Misfits

Lançamento: 17/09/2015

 

Quarteto Fantástico

Reboot do filme sobre as HQs da Marvel Quarteto Fantástico. A trama se passa no surgimento do grupo de heróis, como escolheram sua equipe e os primeiros desdobramentos da série. A ideia é que agora acertem em todo o filme, não só nos vilões, caso do Surfista Prateado, uma das poucas coisas louváveis da primeira leva do Quarteto Fantástico.

Elenco:

– Miles Teller, de Divergente e Whiplash – Reed Richards / Dr. Fantástico

– Kate Mara, de House of Cards e Transcendente – Sue Storm / Mulher Invisível

– Michael B. Jordan, de Poder sem Limites e Namoro ou liberdade – Johnny Storm / Tocha Humana

– Jamie Bell, de Ninfomaníaca e Turn – Ben Grimm / Coisa

– Toby Kebbell, de O conselheiro do crime e Fúria de Titãs 2 – Victor Von Doom / Dr. Destino

– Tim Blake Nelson, de Lincoln e O Incrível Hulk – Harvey Elder

Lançamento: 06/08/2015

 

Ted 2

Continuação do besteirol de Seth MacFarlane sobre a história do ursinho de pelúcia mais politicamente incorreto que já passou pelo cinema. De verdade, espero que as mamães por aí não levem suas crianças pequenas ao cinema achando que é um filminho pros pequeninos, pois não é!

Elenco:

– Seth MacFarlane, de Uma família da pesada e The Cleveland Show – Ted

– Mark Wahlberg, de O Vencedor e Os Infiltrados – John

– Amanda Seyfried, de O preço do amanhã e Querido John – Samantha Jackson

– Giovanni Ribisi, de Friends e 60 segundos – Donny

– Morgan Freeman, de Invictus e Antes de partir – Patrick Meighan

Lançamento: 27/08/2015

 

Star Wars Episódio 7 – O Despertar da Força

O sétimo filme da saga Star Wars, se passa anos depois de O Retorno do Jedi. A sinopse oficial ainda não foi divulgada. Maaaas, pode esperar por diversas batalhas de sabres de luz, o uso da “força” e batalhas explosivas no espaço sideral.

Elenco:

– Harrison Ford, de Indiana Jones e Cowboys & Aliens – Han Solo

– Carrie Fischer, de Mapa para as estrelas e Doce trapaça – Princesa Leia

– Mark Hamill, de O segredo do portal e Apenas um show – Luke Skywalker

– Max von Sydow, de Robin Wood e Ilha do medo

– Oscar Isaac, de Ex-Machina e Drive – Poe Dameron

Lançamento: 17/12/2015

 

O Pequeno Príncipe

O filme conta a história famosa do principezinho de um jeito diferente. Uma garota acaba de se mudar com a mãe, uma controladora obsessiva que deseja definir antecipadamente todos os passos da filha para que ela seja aprovada em uma escola conceituada. Mas, um acidente provocado por seu vizinho faz com que a hélice de um avião abra um enorme buraco em sua casa. Curiosa em saber como o objeto parou ali, ela decide investigar. Logo conhece e se torna amiga de seu novo vizinho, um senhor que lhe conta a história de um pequeno príncipe que vive em um asteróide com sua rosa e, um dia, encontrou um aviador perdido no deserto do Saara.

Vou abrir aqui com vocês um segredo: este é um dos meus livros favoritos em todo o mundo. E divido uma curiosidade pra vocês Marion Cotillard dublou a rosa, tanto na versão em inglês quanto em francês.

Elenco:

– Jeff Bridges, de Tron e Bravura Indômita – o Aviador

– Rachel McAdams, de Penetras bons de bico e True Detective – a Mãe

– James Franco, de 127 horas e A entrevista – a Raposa

– Marion Cotillard, de Era uma vez Nova Iorque e A origem – a Rosa

– Benicio Del Toro, de Che e Traffic – a Serpente

– Riley Osborne – o Pequeno Príncipe

Lançamento: 20/08/2015

 

Peter Pan

A mais que conhecida história de Peter Pan recontada desde o princípio com um time de peso. E aproveito e indico à vocês um filme relacionado, chamado Em busca da Terra do Nunca com Johnny Deep, que conta a história do escritor da peça Peter Pan.

Elenco:

– Hugh Jackman, de X-Men e Australia  – Barba-Negra

– Rooney Mara, de Os homens que não amavam as mulheres e Ela – Tiger Lily

– Garrett Hedlund, de Tron e Invencível – Capitão Gancho

– Amanda Seyfried, de O preço do amanhã e Querido John – Mary

– Cara Delevingne, de Anna Karenina e Cidades de papel – Sereia

– Levi Miller, de Terra Nova e O maravilhoso agora – Peter Pan

Lançamento: 08/10/2015

 

007 – Spectre

Retomando de onde parou a história no final de Skyfall, umaa mensagem do passado de James Bond o coloca numa investigação sobre uma misteriosa organização criminosa. Enquanto M enfrenta duras batalhas políticas para manter o serviço de inteligência funcionando plenamente, Bond dedica-se a desvendar o que é Spectre.

Se seguir o tom de Skyfall, será um dos melhores filmes do 007 que teremos.

Elenco:

– Daniel Craig, de Cowboys & Aliens e Os homens que não amavam as mulheres – James Bond

– Christoph Waltz, de Bastardos Inglórios e Django Livre – Franz Oberhauser

– Monica Bellucci, de Lágrimas do Sol e Drácula de Bram Stoker – Lucia Sciarra

– Léa Seydoux, de Azul é a cor mais quente e Grande Hotel Budapeste – Madeleine Swann

– Ralph Fiennes, de Harry Potter e Grande Hotel Budapeste – M

– Ben Whishaw, de O mercador de Veneza e Tempestade – Q

Lançamento: 05/11/2015

 

Perdido em Marte

Mais um projeto ambicioso de Ridley Scott (Gladiador, Blade Runner e Êxodo). A história conta sobre o astronauta Mark Watney é enviado a uma missão em Marte. Após uma severa tempestade ele é dado como morto, abandonado pelos colegas e acorda sozinho no misterioso planeta com escassos suprimentos, sem saber como reencontrar os companheiros ou retornar à Terra.

Elenco:

– Matt Damon, de Elysium e Identidade Bourne – Mark Watney

– Jessica Chastain, de Interestelar e Os Infratores – Melissa Lewis

– Kate Mara, de House of Cards e Transcendente – Beth Johanssen

– Chiwetel Ejiofor, de 12 anos de escravidão e Salt – Venkat Kapoor

– Jeff Daniels, de Looper e Debi & Loide – Teddy Sanders

– Sean Been, de Game of Thrones e O Senhor dos Anéis – Mitch Henderson

Lançamento: 01/10/2015

 

*imagem e vídeos: reprodução

 

É publicitário, gestor estratégico e ambiental, empresário, marido, dono de 3 gatos e editor do O Que Não Mata, Engorda. Apaixonado por música, cinema, literatura, automobilismo e ótimos papos com os amigos.

Sobre filmes clássicos

Olá pessoas! Mais um post meu aqui no O Cabide. Espero que vocês estejam gostando das nerdices que tenho trazido pra vocês. Já falei de série de TV e de um app muito bacana pra você ouvir música offline de graça onde estiver. Mas agora é hora de falar de cinema!

Cinema é um ótimo tema. Todos gostam de assistir filmes, independentemente do gênero que faça a sua cabeça. E há filmes clássicos que são quase unanimidade na opinião das pessoas, de tão bons que são. Como este é um tema que pode dar sequência a uma infinidade de posts, vou começar por um não tão tradicional assim, mas que eu gostei muito de preparar pra vocês.

Existe nos Estados Unidos um negócio chamado AFI (American Film Institute – Instituto Americano de Cinema) que é um órgão regulamentador da indústria cinematográfica norte-americana. Nada estranho essa instituição ser americana, uma vez que, de longe, o maior produtor mundial de filmes é a terra do Tio Sam. Mas o que a AFI fez de bacana é que, agora que a 7ª arte já completou 100 anos de história e milhares de filmes produzidos, eles fizeram uma lista das 100 frases mais icônicas e impactantes da história do cinema (sejam filmes norte-americanos ou não, ok?). E eu separei, dentro dessa lista que a AFI fez, aquelas 15 que mais me marcaram, e acho que vocês se identificarão com muitas das que eu destaquei. De quebra, coloquei uma extra que não está na lista original da AFI, mas que deveria estar (na minha modesta opinião). Vamos lá?

1 – Don Vito Corleone (Marlon Brando), de The Godfather (O Poderoso Chefão) – 1972

“I’m going to make him an offer he can’t refuse.” – “Eu vou fazer uma proposta à ele que ele não poderá recusar.”

Número 2 na lista da AFI. Por essa frase, colocada logo no início do filme, você já percebe que o cabra é macho e que não está pra brincadeira. Ela sintetiza o poder e respeito que Don Corleone tem sobre aqueles que o cercam, sejam empregados, sua família ou inimigos.

Ainda não assistiu este filme? Está esperando o que? É citado por muitos (inclusive por este que vos escreve) como um dos melhores filmes de todos os tempos.

2 – Dorothy Gale (Judy Garland), de The Wizzard of Oz (O Mágico de Oz) – 1939

“Toto, I’ve got a feeling we’re not in Kansas anymore.” – “Toto, tenho a impressão de que não estamos mais no Kansas.”

Número 4 na lista da AFI. Com esta frase, a ingênua e doce Dorothy nos mostra que o mundo à sua volta é totalmente diferente. É exatamente depois do filme ganhar cor (no sentido literal, ok? O filme começa preto e branco e ganha cor quando Dorothy entra em Oz) que ela lança a frase, e com isso nos mostra esse incrível mundo onde ela entrou.

O filme é clássico, de 1939, e até hoje é muito bacana de se assistir. Existe um mashup do álbum The Dark Side of the Moon com o filme chamado The Dark Side of the Rainbow em que ambos podem ser sicranizados e que tanto a banda quanto a produção do filme afirmam ser uma coincidência.

3 – Han Solo (Harrison Ford), de Star Wars – Episode IV – A new hope (Guerra nas Estrelas – Episódio 4 – Uma nova esperança) – 1977

“May the Force be with you.” – “Que a Força esteja com você.”

Número 8 na lista da AFI. Han Solo, como ótimo Jedi que é, deseja que a Força esteja com Luke Skywalker quando o bicho vai pegar de vez no filme. E é Força com F maiúsculo mesmo. Não vou explicar aqui o motivo, já que imagino que todos já assistiram Star Wars uma vez na vida ao menos, não? Se ainda não o fez, deveria.

4 – Travis Bickle (Robert De Niro), de Taxi Driver – 1976

“You talkin’ to me?” – “Você tá falando comigo?”

Número 10 na lista da AFI. Robert De Niro nos entregou uma atuação no mínimo excelente neste filme. É um clássico. Não é dos meus filmes favoritos, mas a atuação mostra a qualidade deste cara. A profundidade do sentimento de Travis nessa sequência (que você não vê completa no vídeo acima, pra não rolar nenhum spoiler) mostra o quão obcecado e a ponto de perder alguns muitos parafusos ele estava. Limiar da loucura total.

5 – E.T. (Pat Welsh), de E.T. – The Extra-Terrestrial (E.T. – O Extra-Terrestre) – 1982

“E.T. phone home” – “E.T. telefone minha casa”

Número 15 na lista da AFI. A tradução correta seria: E.T. telefone casa. Maaaas, a versão dublada que nos eternizou o etezinho simpático predomina por aqui. Muito provavelmente você assistiu esse filme dublado, assim como eu. E.T., um dos personagens mais adorados do cinema, passa o filme inteiro em busca de uma única coisa: Phone home…

6 – Hannibal Lecter (Anthony Hopkins) de The Silence of the Lambs – O silêncio dos inocentes – 1991

https://www.youtube.com/watch?v=iVlkZVAw8Gc

“A census taker once tried to test me. I ate his liver with some fava beans and a nice Chianti.” – “Um agente do Censo tentou me testar uma vez. Eu comi seu fígado com favas de feijão e um ótimo Chianti (vinho).”

Número 21 na lista da AFI. Anthony Hopkins nos dá o tom do tamanho da loucura em que vive o gênio Dr. Hannibal Lecter. Filme clássico recomendadíssimo.

7 – Rod Tidwell (Cuba Gooding Jr.) de Jerry Maguire – 1996

“Show me the money!” – “Me mostre o dinheiro!”

Número 25 na lista da AFI. Uma das melhores cenas deste filme, que retrata a vida do empresário esportivo norte-americano Jerry Maguire, é esta, em que Rod Tidwell arranca tudo de Jerry. Quem nunca gritou pra alguém um sonoro Show me the money ainda não assistiu este grande filme.

8 – The Terminator (Arnold Schwarzenegger) de The Terminator – O Exterminador do Futuro II – 1984

“I’ll be back!” – “Eu voltarei!”

Número 37 na lista da AFI. Uma das muitas vezes que a frase é falada em todos os filmes é esta, já clássica e dita muuuitas vezes por muitas pessoas, seja pra ir no banheiro, ir até o bar buscar uma bebida ou qualquer coisa deste tipo. Só não esperavam que seria pra mostrar quantas vezes Terminator já retornou. Inclusive, há o novo filme da série (o 5º) em cartaz nos cinemas.

Há outra frase da franquia na lista da AFI, a famosa “Hasta la vista, baby.” que é do segundo filme, porém, foi com essa que tudo começou.

9 – Forrest Gump (Tom Hanks) de Forrest Gump – Forrest Gump: o contador de histórias – 1994

“Mama always said life was like a box of chocolates. You never know what you’re gonna get.” – “Mamãe sempre disse que a vida é como uma caixa de chocolates. Você nunca sabe o que você vai pegar.”

Número 40 na lista da AFI. E com essa frase, Tom Hanks nos apresenta aquele que é talvez seu melhor personagem de todos os tempos. Forrest foi interpretado com maestria por Tom Hanks, o que lhe rendeu o Oscar de Melhor Ator. Revejo esse filme sempre que está passando na TV, e você também deveria.

10 – Rick Blaine (Humphrey Bogart) de Casablanca – 1942

“We’ll always have Paris.” – “Nós sempre teremos Paris.”

Número 43 na lista da AFI. Este filme é um clássico. E muita gente acha os clássicos chatos. Até entendo. Mas este vale a pena, ele moldou as relações românticas de uma forma que foi seguida por muitos anos no cinema, incluindo a forma como os roteiros dos filmes românticos se desenrolam. Compare o que rola com os personagens com as situações vividas em filmes românticos favoritos. A chance de acontecer algo muito parecido é enorme. Vale a pena conferir.

11 – Jim Lovell (Tom Hanks) de Apollo 13 – 1995

“Houston, we have a problem.” – “Houston, nós temos um problema.”

Número 50 na lista da AFI. Mais uma vez ele, Tom Hanks, em outra ótima interpretação. Dessa vez é a história real da missão fracassada Apollo 13, da Nasa. Um filme com tom de documentário, já que retrata com exatidão toda a missão Apollo 13, desde planejamento e treinamento até os problemas (todos reais) por que passaram os astronautas e toda a equipe em terra da Nasa.

12 – Norman Bates (Anthony Perkins) de Psycho – Psicose – 1960

“A boy’s best friend is his mother.” – “O melhor amigo de um garoto é a sua mãe.”

Número 56 na lista da AFI. Norman Bates já nos mostrava o que estava por vir neste clássico do suspense de Alfred Hitchcock. Se ainda não assistiu, assista primeiro o filme original (acima), depois veja o remake de 1998 com Vince Vaughn no papel de Norman Bates (sim, é o cara do Penetras bons de bico). Depois, comece a assistir a série Bates Hotel, disponível na Netflix, que destrincha a infância de Norman. Todos valem a pena, ok?

13 – Michael Corleone (Al Pacino) de The Godfather Part II – O Poderoso Chefão Parte II – 1974

“Keep your friends close, but your enemies closer.” – “Mantenha seus amigos por perto, mas seus inimigos mais perto.”

Número 58 na lista da AFI. Eu colocaria essa frase como melhor ranqueada na minha lista, mas se vocês não perceberam eu estou seguindo a ordem estabelecida pela AFI. Michael Corleone, irretocavelmente interpretado por Al Pacino, não é mais o garoto do primeiro filme. Já assume o comando da tradicional família mafiosa em Nova Iorque. Já falei que você tem que assistir essa trilogia e tê-la na sua estante?

14 – Jack Torrance (Jack Nicholson) de The Shining – O Iluminado – 1980

“Here’s Johnny!” – “Aqui é o Johnny!”

Número 68 na lista da AFI. Jack Nicholson nos brindou com essa bela interpretação de Jack Torrance. Nenhum outro filme assusta tanto ou te deixa tão em pânico quanto O Iluminado, sem usar os artifícios dos filmes de terror batidos de hoje. É um terror psicológico muito bem escrito e amarrado. Mérito de Stanley Kubrick, que dirigiu, produziu e adaptou o roteiro baseado no livro de Stephen King, igualmente sensacional.

15 – John Keating (Robin Williams) de Dead Poets Society – Sociedade dos Poetas Mortos – 1989

“Carpe Diem. Seize the day, boys. make your lives extraordinary.” – “Carpe Diem. Aproveitem o dia, rapazes. Tornem suas vidas extraordinárias.”

Apenas o número 95 da lista da AFI, mas é um filme bom demais. Essa aqui foi escolha por gosto pessoal mesmo. Mas fica a recomendação, se você não assistiu esse filme, faça-o. Na pior das hipóteses, você assistiu a um clássico.

Menção honrosa – The Joker (Heath Ledger) de The Dark Knight – O Coringa, de O Cavaleiro das Trevas – 2008

“It’s simple. We kill the Batman.” – “É simples. Nós matamos o Batman.”

Heath Ledger nos brindou com o melhor coringa que já existiu. E com sua morte prematura, o personagem foi alçado a um nível que dificilmente será alcançado. Algo como o que acontece com um mártir.. Essa frase do Coringa, na qual ele fala que simplesmente matarão o homem-morcego, nos mostra o quão louco e, na sua loucura, o quão são ele era. Ele tinha um objetivo, um foco, uma meta. Isso tornava a coisa toda simples. Como ele faria isso? Assista o filme pra ver.

 

*imagem e vídeos: reprodução

É publicitário, gestor estratégico e ambiental, empresário, marido, dono de 3 gatos e editor do O Que Não Mata, Engorda. Apaixonado por música, cinema, literatura, automobilismo e ótimos papos com os amigos.